O “príncipe do samba” subiu

“Descendo o morro” (1958)…

Em 1958 quando o Brasil inventava a Bossa Nova, Roberto Silva estava Descendo o morro, disco de capa e conteúdo bonitos, que mereceria um segundo volume, idem, no ano seguinte.

… e seu volume dois, do ano seguinte.

Nestes dois discos estão gravações antológicas de sucessos obrigatórios em qualquer roda de samba ou discografia de música brasileira: no primeiro Juracy (Antônio Almeida/ Ciro de Sousa), Pisei num despacho (Elpídio Viana/ Geraldo Pereira), Ai, que saudade da Amélia (Ataulfo Alves/ Mário Lago), Falsa baiana (Geraldo Pereira) e A voz do morro (Zé Ketti), entre outras; no segundo Se acaso você chegasse (Felisberto Martins/ Lupicínio Rodrigues), Você está sumindo (Geraldo Pereira/ Jorge de Castro), Escurinho (Geraldo Pereira), Rugas (Ary Monteiro/ Augusto Garcez/ Nelson Cavaquinho) e, entre outras, Maria Tereza (Altamiro Carrilho). Verdadeiras antologias do samba popular brasileiro.

Este par de discos e uma vida inteira dedicada ao gênero valeram-lhe o epíteto de “príncipe do samba”. Assim foi reconhecido e por estas e outras merece todas as homenagens: Roberto Silva faleceu aos 92 anos, na madrugada de ontem. O cantor lutava há seis meses contra um câncer na próstata e quarta-feira passada foi vitimado por um AVC. Lúcido, pediu para voltar para casa, onde morreu na companhia de familiares.

Faleceu na ativa, tendo ido reencontrar-se com esta turma boa que gravou. Um dia desceu o morro, ontem subiu ao céu: o panteão dos que carregam a bandeira do samba, ilustres ou anônimos, com ou sem títulos de nobreza.

Cinemúsica

Três curtas-metragens com nomes de música compõem a sessão de abertura da Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul, que em sua sexta edição chega pela segunda vez à São Luís.

Os filmes (todos ficções brasileiras de 2010, com classificação indicativa 14 anos) Doce de coco (20min.), de Allan Deberton, Tempo de criança (12min.), de Wagner Novais, e Máscara negra (15min.), de Rene Brasil, embora não necessariamente tenham sido inspirados nas músicas e/ou as mesmas não estejam em suas trilhas sonoras (aqui um palpite de quem ainda não viu os filmes), repetem os títulos Doce de coco, de Jacob do Bandolim, Meus tempos de criança, de Ataulfo Alves, e Máscara negra, de Zé Ketti e Hildebrando Pereira Matos.

Na capital maranhense a sessão de abertura da Mostra acontece dia 31/10 (segunda-feira), às 19h, no Cine Praia Grande (Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Praia Grande), com entrada franca, como todas as outras sessões do evento cinematográfico, conforme o e-flyer abaixo: