33 anos sem Raul Seixas serão lembrados em São Luís

[release]

Tradicional tributo ao artista baiano será apresentado por Wilson Zara e banda dia 20 de agosto, no Estaleiro Gastrobar

O cantor Wilson Zara. Foto: divulgação

O Estaleiro Gastrobar (Rua do Trapiche, Praia Grande) será o palco do “Tributo a Raul Seixas” deste ano. Wilson Zara e banda se apresentam no próximo sábado (20), às 22h. Os ingressos, à venda no local, custam R$ 30,00

O “Tributo a Raul Seixas” é apresentado anualmente desde 1992 pelo cantor maranhense Wilson Zara, reverenciando o legado do roqueiro baiano, que completa 33 anos de falecido no próximo dia 21 de agosto.

“Raul Seixas é, sem dúvidas, um dos nomes mais importantes da música popular brasileira. Atuou em várias vertentes, compôs em vários gêneros, e a qualidade e o conteúdo de sua obra são inspiradores. Ainda lembro do impacto que me causou ouvi-lo a primeira vez e do quanto isso pesou em minha decisão de optar pela música como profissão”, revela Zara.

O repertório passeia por  todas as fases e estilos da obra de Raul Seixas, entre clássicos e lados b, desde Os Panteras – grupo com quem gravou um elepê em 1968 –, passando por “Sociedade da Grã-Ordem Kavernista apresenta Sessão das 10” – disco que dividiu com Edy Star, Miriam Batucada e Sérgio Sampaio, e lhe custou o emprego na CBS –, de 1971, até o derradeiro “A panela do diabo” (1989), dividido com Marcelo Nova.

Wilson Zara (voz e violão) será acompanhado por Moisés Ferreira (guitarra), Marco Moraes (teclado), Junior Barreto (violão), Mauro Izzy (contrabaixo) e Marjone (bateria).

Serviço: Tributo a Raul Seixas, com Wilson Zara e banda. 20 de agosto (sábado), às 22h, no Estaleiro Gastrobar (Rua do Trapiche, Praia Grande). Ingressos à venda no local: R$ 30,00.

Trio Zamoma encerra turnê “Acalanto” em Açailândia

[release]

Apresentação acontece neste sábado (23), às 20h, na Praça da Bíblia

Moisés Ferreira (guitarra), Wilson Zara (voz e violão) e Mauro Izzy (contrabaixo): o Trio Zamoma. Foto: divulgação

No próximo sábado (23), o Trio Zamoma encerra a pequena turnê “Acalanto”. O grupo formado por Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo) chega ao oitavo município de sua rota: em Açailândia o show acontecerá na Praça da Bíblia (Av. Bernardo Sayão), às 20h, com participação dos artistas Eldima Barros, Fernando Terra e da banda Abrigo de Loa, formada por Jefferson Alive (voz), Anderson Mille (guitarra), Allan Soares (baixo) e Hudson Clayton (bateria).

“Acalanto” tem patrocínio da Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão e conta, nesta última apresentação, com parcerias locais da Secretaria Municipal de Cultura de Açailândia, Luthieria Soares, Rádio Sorriso FM e Studio Toka do Abrigo. O repertório é composto por clássicos da música popular brasileira e do pop rock nacional e internacional, de nomes como Belchior, Fagner, Raul Seixas, Zé Ramalho, Beatles, Bob Dylan, Angela Ro Ro e Roberto Carlos, entre outros.

“Chegamos ao fim desta temporada com a sensação do dever cumprido. A pandemia ainda não acabou e a gente, com a crise sanitária, teve ainda mais certeza da centralidade da cultura em nossas vidas; a música e outras formas de expressão artística têm nos ajudado a atravessar esse momento difícil. E mesmo que ainda não tenha acabado completamente, é muito bom poder reencontrar o público, com todos os cuidados que a situação exige, e também com artistas de cada cidade por onde passamos, nesse diálogo sempre interessante e estimulante, de muitas trocas e aprendizados”, comenta o cantor Wilson Zara.

Para Allan Soares, produtor local do evento, “o “Acalanto” é de grande importância cultural para o município de Açailândia. Temos acompanhado os municípios por onde o projeto tem passado e ficamos agradecidos por nossa cidade ter sido incluída na rota”, afirma.

“O projeto “Acalanto” circula por diversas cidades e Açailândia foi contemplada. A caravana apresenta um show musical para os amantes da boa música, com o grande artista Wilson Zara, cantor e músico de grande importância para a cultura do nosso estado. A Secretaria de Cultura agradece imensamente aos produtores do projeto por escolher nossa cidade como destino dessa turnê. Para nós é um privilégio receber tal espetáculo musical”, agradece o Secretário Municipal de Cultura de Açailândia Xico Cruz.

Gratuidade – Como todas as apresentações realizadas até aqui, a população também poderá desfrutar do show de forma gratuita em Açailândia – o encerramento da temporada acontece dia 23 de julho (sábado), às 20h, na Praça da Bíblia. Antes, o show “Acalanto”, do Trio Zamoma, foi apresentado nos municípios de Caxias (20 de maio), Lago da Pedra (3 de junho), Pedreiras (4 de junho), Governador Eugênio Barros (Vila Socorro, 1º. de julho), Barra do Corda (2 de julho), Grajaú (15 de julho) e Montes Altos (17 de julho).

Serviço

O quê: show de encerramento da turnê “Acalanto”
Quem: Trio Zamoma (Wilson Zara, Moisés Ferreira e Mauro Izzy). Participações: Eldima Barros, Fernando Terra e banda Abrigo de Loa
Quando: sábado (23), às 20h
Onde: Praça da Bíblia (Av. Bernardo Sayão, Açailândia/MA)
Quanto: grátis
Patrocínio: Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão
Parcerias: Secretaria Municipal de Cultura de Açailândia, Luthieria Soares, Rádio Sorriso FM e Studio Toka do Abrigo
Informações: no instagram @wilsonzarazara ou facebook @trilhasetons

Grajaú e Montes Altos recebem “Acalanto”

[release]

Turnê do Trio Zamoma chega a mais dois municípios sexta-feira e domingo que vem

Mauro Izzy, Wilson Zara e Moisés Ferreira, o Trio Zamoma. Foto: divulgação

Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo) se juntaram no Trio Zamoma e, neste formato enxuto, estão percorrendo oito municípios maranhenses desde maio passado, com o projeto “Acalanto”, patrocinado pela Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Com um repertório de clássicos da música popular brasileira e do pop rock nacional e internacional, a pequena turnê tem estabelecido diálogos entre os artistas e manifestações culturais locais das cidades por onde passam.

Os próximos destinos de “Acalanto” são os municípios de Grajaú e Montes Altos. No primeiro, o Trio Zamoma se apresenta na Pracinha da Trizidela, dia 15 (sexta-feira), às 20h, como apoio local da Prefeitura Municipal; já no segundo, o show integra a programação de abertura dos festejos de Santa Ana, padroeira da cidade. Em Montes Altos, a apresentação acontece dia 17 (domingo), no mesmo horário, na Praça de Santa Ana, com apoio da Paróquia de Santa Ana. Todas as apresentações da turnê são gratuitas e abertas ao público.

Em Montes Altos o show se soma à missa e leilões, tradicionalmente realizados durante festejos religiosos. “Montes Altos se sentirá privilegiada com um show dessa envergadura e melhor ainda, totalmente gratuito. É muito importante entrar nesse circuito turístico e de shows do Estado e a passagem do Trio Zamoma por aqui certamente será uma fonte de inspiração para nossos artistas locais”, afirma a pedagoga imperatrizense Neuzinete Guimarães, moradora de Montes Altos.

“Estes encontros, estas trocas, têm nos motivado bastante enquanto artistas; estamos buscando levar sempre o nosso melhor, tentando corresponder às expectativas do público, a interação e o carinho com que temos sido recebidos por onde já passamos com a turnê “Acalanto””, comenta o cantor Wilson Zara.

Serviço

O quê: shows da turnê “Acalanto”
Quem: o Trio Zamoma – Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo)
Quando/onde: dia 15 (Pracinha da Trizidela, em Grajaú); e dia 17 (Praça de Santa Ana, em Montes Altos), sempre às 20h
Quanto: grátis
Informações: instagram @wilsonzarazara e facebook @trilhasetons
Patrocínio: Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão

“Acalanto” chega a Vila Socorro e Barra do Corda este fim de semana

Apresentações gratuitas do Trio Zamoma acontecem sexta (1º.) e sábado (2)

[release]

Moisés Ferreira, Wilson Zara e Mauro Izzy, o Trio Zamoma. Foto: divulgação

Vila Socorro, no município de Governador Eugênio Barros, recebe nesta sexta-feira (1º.), às 20h, o show “Acalanto”, do Trio Zamoma, formado por Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo). O evento contará com a presença do poeta Salgado Maranhão, filho ilustre do lugar, que lança, na ocasião, seu 15º. volume de poemas, o livro “Pedra de encantaria”. Na mesma noite haverá ainda o lançamento do filme “Rio Itapecuru, a revolta de D. Zefa”, do cineasta Josimar Gonçalves, também natural de Vila Socorro.

“A parceria com o Zara começou de forma inusitada: há quase 10 anos ele foi convidado para participar de uma outra homenagem que me fizeram e ele mandou super bem de cover do Raul Seixas numa noite memorável. Daí surgiu uma amizade e admiração que só se fortalecem”, relembra Salgado Maranhão.

Parceiro de nomes como Elton Medeiros, Gereba, Ivan Lins, Moacyr Luz, Paulinho da Viola, Rosa Passos e Zé Américo Bastos, entre outros, Salgado Maranhão tem sua “Caminhos de sol” (parceria com Herman Torres), sucesso de Zizi Possi, no repertório de “Acalanto”. Em Vila Socorro a apresentação acontecerá na Praça Central.

A turnê “Acalanto” tem patrocínio da Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão, e tem levado a diversos municípios do interior maranhense um repertório de clássicos da música popular brasileira e do pop rock nacional e internacional, sempre dialogando com manifestações culturais locais.

“Muitos eugenio-barrenses já conhecem a arte do cantor Wilson Zara. Temos um carinho muito especial por ele e este projeto é de grande relevância para o Maranhão, por possibilitar a diversas comunidades apreciar música de qualidade. Esse show certamente irá proporcionar momentos muito agradáveis em Vila Socorro”, aposta a relações públicas Heracília Oliveira, que está na organização local do evento.

No dia 2 (sábado), “Acalanto” chega a Barra do Corda. O show acontece na Praça Melo Uchoa, Centro, às 20h. “Este projeto foi idealizado no momento da pandemia e foi desenvolvido para levar uma música mais tranquila, mais suave, para que chegasse às pessoas num momento tão difícil. É muito importante para nossa cidade receber um evento como esse”, afirma o músico Cabral Marán, guitarrista da banda Engenheiros Urbanos.

A apresentação do Trio Zamoma em Barra do Corda terá um sabor todo especial, pois marca o reencontro do cantor Wilson Zara com o público de sua cidade natal.

Serviço

O quê: shows da turnê “Acalanto”
Quem: Trio Zamoma – Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo)
Quando/onde: dia 1º (sexta), às 20h, na Praça Central em Vila Socorro (Governador Eugênio Barros); e dia 2 (sábado), no mesmo horário, na Praça Melo Uchoa, em Barra do Corda
Quanto: grátis
Informações: no instagram @wilsonzarazara ou facebook @trilhasetons
Patrocínio: Potiguar e Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão

Lago da Pedra e Pedreiras são os próximos destinos de “Acalanto”

[release]

Show de Wilson Zara e Trio Zamoma chega às cidades dias 3 e 4, respectivamente

Moisés Ferreira, Wilson Zara e Mauro Izzy, o Trio Zamoma. Foto: divulgação

Após a estreia, no último dia 20 de maio, no Mirante da Balaiada, em Caxias, a turnê “Acalanto”, do Trio Zamoma, chega aos municípios de Lago da Pedra e Pedreiras, nos próximos dias 3 e 4 de junho, respectivamente. O trio é formado por Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo). A ideia é realizar shows musicais sem aglomeração, em logradouros públicos, levando em conta o atual momento da pandemia de covid-19. “Acalanto” percorrerá, ao todo, oito municípios maranhenses, com patrocínio da Potiguar, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Em Lago da Pedra a apresentação acontece na Praça do Farol (Rua Humberto de Campos, s/n°, Centro), dia 3 (sexta-feira), a partir das 20h. A abertura, a partir das 18h, contará com apresentação de quadrilha junina e haverá também exposição de trabalhos de artesãos lagopedrenses. O evento conta com o apoio local da Secretaria Municipal de Cultura e Juventude de Lago da Pedra.

“O projeto “Acalanto” vem para fortalecer a nossa Cultura, não só a cultura lagopedrense, mas também nossa cultura maranhense. Quando Hugo [Lima, produtor local] me falou sobre esse projeto, de imediato eu já disse que teríamos que trazê-lo a nossa cidade. Entramos em contato com Zara, a Prefeitura Municipal nos garantiu total estrutura e logística para que o evento seja algo realmente grandioso e já estamos com uma enorme expectativa para uma noite de cultura popular na praça. Essa data com certeza ficará marcada como um grande acontecimento em nossa cultura”, entusiasma-se o secretário municipal de Cultura e Juventude de Lago da Pedra Waldir Filho.

Já em Pedreiras, “Acalanto” terá apoio local da Fundação Pedreirense de Cultura e Turismo. A apresentação acontecerá na Praça do Jardim (R. Crecêncio Raposo), dia 4 (sábado), a partir das 20h30. A abertura fica por conta do artista Garrincha do Vale, conterrâneo de João do Vale, pedreirense que foi eleito por voto popular o “maranhense do século XX”.

“A gente sabe que a pandemia ainda não acabou, mas percebe o quanto estes momentos de encontro entre artista e público estavam fazendo falta, tanto para quem está no palco quanto para quem está na plateia. A gente sentiu uma energia muito boa na estreia do projeto e esperamos repetir a dose em Lago da Pedra, em Pedreiras e nos demais municípios que o projeto ainda vai percorrer”, comenta Wilson Zara, idealizador e coordenador de “Acalanto”.

O repertório é majoritariamente formado por sucessos da música popular brasileira e do pop rock nacional e internacional. As próximas datas da turnê “Acalanto” serão divulgadas em breve.

Caxias é o primeiro destino do Trio Zamoma, com a turnê “Acalanto”

Projeto com Wilson Zara, Mauro Izzy e Moisés Ferreira percorrerá oito municípios maranhenses

Wilson Zara e Mauro Izzy. Foto: divulgação

Caxias, a princesa do sertão, distante 360 quilômetros da capital, é o primeiro destino da turnê “Acalanto”, do Trio Zamoma, que reúne os músicos Wilson Zara (voz e violão), Moisés Ferreira (guitarra) e Mauro Izzy (contrabaixo).

Com patrocínio da Potiguar, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão, o projeto tem uma premissa interessante: na medida do possível, as apresentações acontecerão em áreas residenciais ou suas proximidades, em praças de bairros, de modo que as pessoas, ou a maioria do público, possa ver o show, ouvir a música dos artistas de suas próprias calçadas e janelas, evitando aglomerações, tendo em vista que a pandemia, embora tenha diminuído os números de contágios e óbitos, ainda não acabou.

O repertório é formado basicamente por clássicos da música popular brasileira e do pop e rock internacional, além de clássicos do cancioneiro de artistas maranhenses, num arco que vai de Belchior, Fagner, Raul Seixas, Zé Ramalho, Roberto Carlos, Beatles, Bob Dylan, Cesar Teixeira e Geraldo Vandré, entre outros.

Com este e outros projetos, sempre gratuitos, Zara tem sido um dos nomes mais importantes na interiorização da música, em frentes como a educação musical e a formação de plateia.

A apresentação de “Acalanto” em Caxias acontece nesta sexta (20), às 21h, no Mirante da Balaiada (Memorial da Balaiada, Av. General Sampaio, 297-339, Cangalheiro), um dos mais belos cartões postais do município.

A abertura fica por conta da banda Nossa Terra, formada por Jhony Rios (saxofone), Jhonny Casa Nova (voz), Wallace (guitarra), Júlio Cesar (teclado) e Ellain (baixo e voz). O evento conta com parcerias locais da Prefeitura Municipal de Caxias e Secretaria Municipal de Cultura de Caxias.

Novas datas e locais da turnê serão anunciados em breve.

Serviço:

O quê: show da turnê “Acalanto”
Quem: Trio Zamoma, com Wilson Zara, Moisés Ferreira e Mauro Izzy. Abertura: banda Nossa Terra
Quando: sexta (20), às 21h
Onde: Mirante da Balaiada (Memorial da Balaiada, Av. General Sampaio, 297-339, Cangalheiro, Caxias/MA)
Quanto: grátis
Patrocínio: Potiguar, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão
Apoio: Prefeitura Municipal de Caxias e Secretaria Municipal de Cultura de Caxias

Divulgação

Acalanto: música pelas praças, sem aglomeração

[release]

Divulgação

A pandemia de covid-19 foi prorrogada para além de qualquer expectativa: nem os mais pessimistas poderiam acreditar que estaríamos onde estamos praticamente dois anos depois de sua eclosão.

O distanciamento social, medida necessária para a contenção do contágio, provocou mudanças de hábitos e, nesse sentido, atividades culturais provaram, ou melhor dizendo, reafirmaram sua importância.

Foi uma explosão de lives e exposições online, entre outras atividades, que ajudaram a população a permanecer mais tempo em casa. Quem dispunha de uma boa biblioteca ou de uma razoável coleção de discos, também delas se valeu, tornando a travessia do período mais suportável.

O poeta Ferreira Gullar dizia que “a arte existe por que a vida não basta”, sentença atestada na prática pelos poucos exemplos aqui trazidos.

A pandemia ainda não acabou. Isolamento e distanciamento social, bem como uso de máscaras e constante higienização das mãos com álcool em gel e/ou água e sabão continuam sendo necessários.

A classe artística foi uma das mais afetadas pela pandemia. Shows, exposições, peças, noites de autógrafos, entre outras, são atividades que promovem aglomeração, em sua essência, exigem contato físico, um prato cheio para a proliferação do vírus.

O cantor Wilson Zara, o baixista Mauro Izzy e o guitarrista Moisés Ferreira são três dos mais conhecidos artistas da noite de São Luís e também sentiram os impactos das medidas restritivas.

“De uma hora pra outra, simplesmente tudo parou, parecia uma profecia de Raul Seixas, embora na música dele a Terra pare por apenas um dia. A gente precisou respeitar, se apropriar de novos mecanismos, repensar o nosso fazer artístico, além de se cuidar, para poder voltar a toda, quando isso fosse possível”, comenta Zara.

As idas e vindas das curvas de contágio e número de óbitos promoveram um efeito sanfona ou gangorra, num estica e puxa, sobe e desce, vai e vem, com a retomada gradual de atividades (artísticas, inclusive) e novos passos atrás.

Zara, Izzy e Ferreira, parceiros de longa data e de outras empreitadas, se uniram no Trio Zamoma, e irão percorrer oito cidades maranheses com o projeto Acalanto.

“A música tem esse poder de acalentar as pessoas, não no sentido de botar pra dormir, mas de instigar sentimentos, recordações, momentos. É esse o espírito”, revela Zara.

As apresentações acontecerão prioritariamente em áreas residenciais, em praças de bairros, de modo que as pessoas, ou a maioria delas, possa ouvir a música dos artistas de suas próprias calçadas e janelas, evitando aglomerações.

As normas de segurança sanitária serão observadas e é possível que em algumas cidades a transmissão seja realizada em modo online, a partir de algum logradouro do município.

Acalanto tem patrocínio da Potiguar, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão. “Ao realizar este projeto e fomentar a cultura nos municípios, a Potiguar cumpre um mandamento constitucional, que qualquer empresa deve guardar, que é sua função social, demonstrada através da preocupação com impactos que vão além dos econômicos, sobretudo durante a pandemia, com o entristecimento do espírito e da alma das pessoas que vivem nos lugares”, comenta Moisés Ferreira, que além de músico é advogado e estudioso de mecanismos de incentivo à cultura.

Gratuitas e abertas ao público interessado em geral, as apresentações terão inicio ainda em fevereiro e os destinos serão divulgados em breve.

Com quase 200 inscritos, Trilhas e Tons encerra sua sexta temporada

[release]

Oficina percorreu sete municípios maranhenses em 2021

O instrutor Nosly ministra oficina em São Luís Gonzaga. Foto: divulgação

“É como se fosse um caminho, para nós que já temos conhecimento, mesmo que seja pouco, para que possamos absorver muito mais da música, que é um universo infinito. Para mim foi muito bom, foi muito gratificante participar dessa oficina”. É o que diz Eduardo Paulino, um dos alunos certificados pela oficina “Trilhas e Tons – Teoria musical aplicada à música popular” em São Luís Gonzaga, sétima cidade percorrida pelo projeto em 2021, com patrocínio da Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Além de São Luís Gonzaga, a oficina visitou também os municípios de Vitorino Freire, São Luís, Paço do Lumiar, Matinha, Açailândia e Lagoa Grande do Maranhão, com 195 cursistas inscritos e 165 certificados ao fim da jornada.

Marilene de Sousa Jerônimo Apoliano, secretária municipal de Cultura de São Luís Gonzaga, reconhece a importância de Trilhas e Tons: “De grande relevância para o nosso município, a equipe envolvida é super competente e muito cuidadosa, o material didático é excelente e o instrutor utiliza uma ótima metodologia. Os alunos ficaram agradecidos pela oportunidade de termos recebidos essa oficina na nossa cidade. Nosly, Zara e Mauro são excelentes profissionais. São Luís Gonzaga agradece pela oficina”, declarou.

Para Nosly, instrutor da oficina, “é sempre recompensador fazer essa troca. As aulas nunca acontecem no automático, por que em cada cidade são pessoas diferentes, com experiências diferentes, níveis de conhecimento diferentes. A gente ensina, mas também aprende, percebendo na prática o ensinamento de Paulo Freire, num tempo em que o patrono da educação brasileira sofre tantos ataques. A nossa oficina soma educação e cultura, ferramentas necessárias para que a gente possa vislumbrar um horizonte melhor para nossa gente”.

A maior parte dos que assistiram às 20 horas aula da oficina em cada município é formada por estudantes (60%), seguida por professores (18%), agricultores (4%), autônomos (3%) e funcionários públicos (2%); outras profissões somam 13%. No recorte por faixa etária, alunos de 16 a 20 anos somam 32%, seguidos por alunos de 21 a 40 anos (27%), até 15 anos (25%), de 41 a 60 (10%) e acima de 60 anos (6%).

“Eu fui indicado para participar do projeto pela diretora da escola Roseli Nunes, escola do MST, que ensina em tempo integral. Eu sempre fui da música; eu sou filho da terra, lavrador, e para mim foi muito fascinante. É um pouco rápido, mas abre um leque de possibilidades; não ensina tudo de música, mas os princípios básicos, que nos dão um degrau, pra que a gente suba e aprenda muito mais. Eu já tinha um certo conhecimento, mas era pouco perto do que eu aprendi na oficina”, reconhece o aluno Wanderson Moreira, de Lagoa Grande.

“Oportunidades como essa a gente não deve deixar passar. O professor deu de si o melhor para nós. Eu agradeço a equipe organizadora, que se empenhou para transmitir para nós um belo conhecimento, na música, nos instrumentos”, agradece Gilvan Martins, também cursista em São Luís Gonzaga.

Moisés Cruz é professor de música em São Luís Gonzaga. “As aulas trazem uma abordagem sobre assuntos como harmonia, melodia, aborda todos os temas musicais. A gente aproveitou para aprofundar alguns temas, relembrar outros assuntos que estudamos e acabam ficando pra trás. Para mim foi uma oportunidade de ter uma experiência mais ampla, o que tem sido para mim um momento especial, único. A gente não tinha muito essa chance de ter esse conhecimento mais próximo da gente. Eu vou levar isso para minha vida, para minha sala de aula, para meus alunos”, afirma.

Ministrada por Nosly, coordenada por Wilson Zara, com assistência de Mauro Izzy, três nomes bastante reconhecidos no cenário da música produzida no Maranhão, a oficina “Trilhas e Tons – teoria musical aplicada à música popular” já percorreu, desde 2013, 59 cidades maranhenses, certificando 1.498 cursistas (de um total de 1.535 inscritos). Ao final de cada turma, sempre há um show com a equipe do projeto e a participação de cursistas, com entrada franca.

“O projeto vem se consolidando, os alunos aprendem, e a gente vai aprendendo também. Estamos mais maduros. No início do projeto, lá em 2013, a gente tinha dificuldades em estabelecer parcerias para chegar aos municípios, e hoje a gente é procurado, o que demonstra a demanda crescente pela formação e qualificação de nossos músicos. A oficina, como toda atividade artística e cultural, foi afetada pela pandemia. Nestes sete municípios visitados pelo projeto este ano, todos os cuidados foram tomados, e a gente aproveita para salientar a importância da existência de mecanismos como a Lei Estadual de Incentivo à Cultura, através da qual Trilhas e Tons recebe o patrocínio da Equatorial Maranhão. A gente vai continuar trabalhando para levar formação e entretenimento a todo o Maranhão”, finaliza Wilson Zara.

“Trilhas e Tons” chega a Matinha colhendo frutos

[release]

Produtor local da oficina foi seu aluno em cidade vizinha e já colaborou com outras edições da formação

De aluno a produtor: Zeca está prestes a se formar em Licenciatura em Música. Foto: divulgação

José Manoel Lindoso Mendes, o Zeca, como é mais conhecido, participou da oficina “Trilhas e Tons: Teoria musical aplicada à música popular”, quando a formação ministrada por Nosly com coordenação de Wilson Zara e assistência de Mauro Izzy passou pela cidade de Viana, em 2016.

“Eu me sinto honrado e agradeço imensamente por tudo o que aprendi durante o curso, pois através desse conhecimento a mais eu consegui passar no vestibular da UemaNet, onde estou concluindo o curso de Licenciatura em Música”, conta, orgulhoso.

“Sinto-me muito feliz de ter sido um aluno da turma da oficina e poder ajudar a levar a outros municípios”, afirma. Depois de receber o certificado, ele já foi produtor local de Trilhas e Tons em Penalva, onde mora, e assume a tarefa mais uma vez, desta feita em Matinha, onde a oficina aporta semana que vem, de 25 a 29 de outubro.

Em Matinha as inscrições já estão abertas e podem ser feitas na Secretaria Paroquial da Igreja São Sebastião, ao lado da praça, em Matinha. As aulas acontecerão no Salão Paroquial, ao lado da Igreja São Sebastião, das 14h às 18h. Trilhas e Tons tem carga horária de 20 horas aula e as inscrições e material didático utilizados na oficina são gratuitos. A formação tem patrocínio da Equatorial Maranhão através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

“Estou à disposição em poder fazer por outras pessoas o que Trihas e Tons fez por mim”, entusiasma-se ele, que trabalha com música em um projeto filantrópico em Viana, juntamente com seu irmão Fernando, outro que frequentou a oficina, em Penalva, no caso.

Zeca desenvolve ainda outros projetos musicais pela região e cita-os: “com a banda marcial, o projeto Eu posso Aprender mais e Música na Escola. E na cidade de Matinha, na Escola Estadual Aniceto, com o projeto Música na Escola”.

“Zeca é um exemplo do poder da música aliado a seu próprio potencial. É um aluno que virou parceiro, que mete a mão na massa, se envolve. Isso tudo dá um gás danado na gente, nos incentiva a continuar, deixa toda equipe de Trilhas e Tons muito contente”, elogia o coordenador Wilson Zara.

SERVIÇO

O quê: oficina “Trilhas e tons – Teoria musical aplicada à música popular”
Quem: o instrutor Nosly, o coordenador Wilson Zara e o assistente Mauro Izzy
Quando: de 25 a 29 de outubro
Inscrições: já abertas
Onde: inscrições na Secretaria Paroquial da Igreja São Sebastião, ao lado da praça, em Matinha; aulas no Salão Paroquial, ao lado da Igreja São Sebastião
Quanto: grátis (inscrições, aulas e material didático)
Patrocínio: Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão
Informações: contatowilsonzara@gmail.com, (98) 999753999, facebook.com/trilhasetons

São Luís recebe oficina “Trilhas e tons” semana que vem

[release]

Formação em Teoria musical aplicada à música popular será realizada entre os dias 4 e 8 de outubro, na Escola Municipal de Música de São Luís

Wilson Zara, Mauro Izzy e Nosly estão de volta à estrada com a oficina “Trilhas e Tons”. Foto: divulgação

Literalmente na estrada desde 2013, a oficina “Trilhas e Tons: teoria musical aplicada à música popular” teve sua trajetória interrompida ano passado, diante das restrições sanitárias impostas pela pandemia de covid-19. Mesmo ainda em meio à crise, a oficina retomou suas atividades no último dia 27 de setembro, em Vitorino Freire/MA, observando todas as normas de segurança sanitária: uso de máscaras, distanciamento social adequado, uso de álcool em gel.

A próxima parada da formação ministrada por Nosly com coordenação de Wilson Zara e assistência de Mauro Izzy é a capital maranhense. Em São Luís, “Trilhas e Tons” será realizada entre os próximos dias 4 e 8 de outubro, na Escola Municipal de Música de São Luís (Emmus, Rua do Giz, 53, Praia Grande), no turno vespertino (das 14h às 18h), para interessados/as em geral, a partir de 14 anos – as inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no local; o material didático utilizado na oficina também é distribuído gratuitamente.

“Essa oficina vem como um presente para a Escola Municipal de Música de São Luís, para que a gente, dentro da nossa proposta de formação e linguagem musical, possa levar, não só para os profissionais da rede pública municipal, mas também para a comunidade esse contato com a música, tons, melodia, com a construção dessa poesia que a gente com certeza também vai trabalhar. Vai ser um momento muito legal para nós da Emmus, principalmente para aquelas pessoas que estão no exercício da atividade musical e que não têm esse conhecimento”, declara a diretora da Emmus Maria Alice Bogéa.

“Acho que vai ser um aprendizado muito expressivo. Liderada por Nosly, que aqui dentro de nosso estado e no país, é um nome que a gente tem muito apreço, é uma pessoa que tem uma expressão dentro da música muito forte, tanto na questão da composição quanto na parte de produção, além de Wilson Zara e Mauro Izzy, que também dispensam apresentações. Isso nos enche de alegria, é meu sentimento enquanto gestora da Emmus”, continua.

“Trilhas e tons: Teoria musical aplicada à música popular” tem patrocínio da Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Serviço

O quê: oficina “Trilhas e tons – Teoria musical aplicada à música popular”
Quem: o instrutor Nosly, o coordenador Wilson Zara e o assistente Mauro Izzy
Quando: de 4 a 8 de outubro
Inscrições: já abertas
Onde (inscrições e aulas): Escola Municipal de Música de São Luís (Emmus, Rua do Giz, 53, Praia Grande)
Quanto: grátis (inscrições, aulas e material didático)
Patrocínio: Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão
Informações: contatowilsonzara@gmail.com, (98) 999753999, facebook.com/trilhasetons

Sexta temporada da oficina “Trilhas e tons” começa dia 27 em Vitorino Freire

[release]

Uma das edições de Trilhas e Tons, realizada no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho. Foto: Acervo Trilhas e Tons. Divulgação

Após certificar mais de 1.000 cursistas em mais de 50 municípios maranhenses, a oficina “Trilhas e tons: Teoria musical aplicada à música popular” chega este ano a sua sexta temporada, mais uma vez com patrocínio da Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão.

Desta vez serão sete municípios maranhenses contemplados e o roteiro desta edição do projeto inicia seu trajeto pelo município de Vitorino Freire, onde a oficina acontece entre os próximos dias 27 de setembro e 1º. de outubro – as inscrições estão abertas e podem ser feitas na Escola de Música Maestro Zé Mitonho, onde também acontecerão as aulas. São oferecidas 30 vagas por turma, com inscrições e material didático gratuito.

“Trilhas e tons” tem carga horária de 20 horas aula, distribuídas em cinco dias de formação. A oficina de teoria musical aplicada à música popular é ministrada pelo cantor e compositor Nosly, com coordenação de Wilson Zara e assistência de Mauro Izzy, todos nomes reconhecidos por sua atuação de longa data na cena da música popular brasileira produzida no Maranhão.

Em Vitorino Freire, “Trilhas e tons” conta com parcerias locais, estabelecidas com o Coletivo Cultural de Vitorino Freire, Feeling Assessoria de Comunicação e Marketing, Secretaria Municipal de Cultura, Mulher e Turismo, além da própria Escola de Música Maestro Zé Mitonho.

Morador de Lago da Pedra, por onde a oficina já passou em edição anterior do projeto, foi o carioca Hugo Lima quem colocou o Coletivo Cultural e a produção em contato. “Fazer a ponte entre o projeto “Trilhas e Tons” e o Coletivo Cultural de Vitorino Freire foi apenas uma forma de contribuir para o fomento da cultura e expansão de apresentação de um estilo musical que vem sendo esquecido no nosso país”, declara.

Ele relembrou a passagem da oficina pelo município em que mora: “O acontecimento movimentou positivamente a cidade. “Trilhas e Tons” deixou mais que conhecimento musical na cidade: o projeto fomentou escola de música e loja de instrumentos musicais também; os frutos dessa iniciativa linda são colhidos até hoje em Lago da Pedra”.

“É a primeira vez que Vitorino Freire tem a honra de receber um projeto de música, teórico e prático, com direito a dar certificado aos participantes. É muito grandioso para nós, fazedores de cultura, e para nós, vitorinenses, recebermos o projeto que já tem uma visibilidade nacional. Nós conhecemos o trabalho do Wilson Zara e entendemos que ele tem muito a colaborar com todos nós. É um abraço, é um apoio a mais que Wilson Zara e o projeto “Trilhas e tons” estão trazendo para a juventude de Vitorino Freire alavancar um pouco mais nas suas ideias de músicos. Nós temos certeza que em Vitorino Freire há muitos músicos em potencial, que precisam apenas de um empurrão, de um incentivo, como esse que o projeto “Trilhas e tons” está trazendo ao município. Nós ficamos muito gratos”, afirmou o jornalista Salis Chagas, membro do Coletivo Cultural de Vitorino Freire e articulador local do projeto.

A oficina chega ao município logo após as comemorações do aniversário da cidade, dia 25 de setembro. “Vai ser também um presente para o município”, continua Salis, bastante entusiasmado com a iniciativa.

Serviço

O quê: oficina “Trilhas e tons – Teoria musical aplicada à música popular”
Quem: o instrutor Nosly, o coordenador Wilson Zara e o assistente Mauro Izzy
Quando: de 27 de setembro a 1º. de outubro
Inscrições: já abertas
Onde (inscrições e aulas): Escola de Música Maestro Zé Mitonho
Quanto: grátis (inscrições, aulas e material didático)
Patrocínio: Equatorial Maranhão, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura do Maranhão
Informações: contatowilsonzara@gmail.com, (98) 999753999, facebook.com/trilhasetons

TV Guará veiculará Tributo a Raul Seixas nesta sexta-feira (22)

[release]

Live de Wilson Zara e banda teve transmissão em dezembro pelo youtube e redes sociais

Tributo a Raul Seixas. Frames. Reprodução

Para deleite do fã clube raulseixista, em 2020 o Maluco Beleza não deixou de receber sua homenagem, com o tributo anual que Wilson Zara tradicionalmente lhe presta. Apesar de 2020 entrar pra história como o ano em que a Terra parou, aumentando a profecia do roqueiro baiano, um show em formato live, realizado e transmitido ao vivo a partir dos estúdios da TV Guará saciou a sede daqueles que sempre ousam gritar “toca Raul!”.

Em quase três horas de live, veiculada pelo canal da TV Guará no youtube e pelas redes sociais do cantor, Wilson Zara passeou pelas diversas fases da curta mas profícua carreira de Raulzito, que nasceu em 28 de junho de 1945 e faleceu, em decorrência de pancreatite, em 21 de agosto de 1989 – dois dias antes, lançara “A panela do diabo”, seu último disco, dividido com Marcelo Nova (vocalista, guitarrista e compositor da banda Camisa de Vênus), com quem fez também sua última turnê pelo Brasil.

Na ocasião, Wilson Zara (voz e violão), se fez acompanhar de Moisés Profeta (guitarra e efeitos), Mauro Izzy (contrabaixo), Marjone (bateria), Dicy e Heline (vocais). No repertório, clássicos de Raul Seixas, a exemplo de “Cowboy fora da lei”, “Medo da chuva”, “Sapato 36”, “Tu és o MDC da minha vida”, “Sessão das 10” e “O dia em que a Terra parou”, entre muitos outros.

Patrocinada com recursos da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), a live teve apresentação de Danilo Quixaba, que, em meio ao repertório, bateu um papo descontraído com Wilson Zara, destacando aspectos da vida e obra de Raul Seixas.

O público, acostumado, nos últimos anos, a lotar praças públicas por onde Zara apresentou o tributo, este ano teve que se contentar com a apresentação em formato online. “Fiquei muito satisfeito com o engajamento do público. O vídeo foi muito visualizado, curtido, compartilhado, comentado, o que fez a gente se sentir diante de uma praça cheia, mesmo sem poder ouvir os aplausos”, comentou Wilson Zara.

Serviço – O Tributo a Raul Seixas será veiculado nesta sexta-feira (22), às 22h30, pela TV Guará (canal 23.1 na tevê aberta; 21 na TVN; 323 na Sky HD; e 23 na Net).

Assista à íntegra do Tributo a Raul Seixas no youtube:

Das praças às telas: RicoChoro ComVida terá três edições virtuais em 2020

[release]

Apresentações musicais ocorrerão em formato talk show; diálogo de grupos de choro com artistas de vertentes distintas da música popular está mantido nas lives do projeto

O Quarteto Crivador. Da esquerda para a direita: Marquinho Carcará, Rui Mário, Wendell de la Salles e Luiz Jr. Maranhão. Foto: divulgação

Num ano atípico como 2020, o público de São Luís foi privado ao que já estava acostumado no segundo semestre: os tradicionais saraus do projeto RicoChoro ComVida na Praça, que percorrem diversos logradouros públicos da capital maranhense.

Mas os chorões e choronas apreciadores da iniciativa, além de curiosos em geral, não ficarão órfãos: RicoChoro ComVida na Praça terá edições em formato online, uma espécie de live talk show, com apresentação de Ricarte Almeida Santos e produção de Girassol Produções Artísticas, realizadas com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma).

RicoChoro ComVida, portanto, este ano não será na praça, mas online: três saraus manterão a proposta do projeto, de estimular o diálogo entre o choro e outras vertentes da música popular brasileira, através do encontro de um grupo de choro e cantores e cantoras, de gêneros e gerações distintas.

As lives serão gravadas nos estúdios da TV Guará e ainda não têm data para ir ao ar. No formato de talk show, Ricarte Almeida Santos conversará com os grupos e artistas convidados, numa espécie de entrevista musicada, bastante dinâmica.

Na primeira live, o Quarteto Crivador – formado por Marquinho Carcará (percuteria), Luiz Jr. Maranhão (violão sete cordas), Rui Mário (sanfona) e Wendell de la Salles (bandolim) – recebe como convidados Dicy e Josias Sobrinho; na segunda, é a vez do Regional Caçoeira – Tiago Fernandes (violão sete cordas), Wendell Cosme (cavaquinho e bandolim), Lee Fan (flauta e saxofone), e Wanderson Silva (percussão) – dialogar musicalmente com Elizeu Cardoso e Regiane Araújo; e por último, Anastácia Lia e Neto Peperi serão recebidos pelo Choro da Tralha, formado por João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Gabriela Flor (pandeiro) e Gustavo Belan (cavaquinho).

Os grupos – O Quarteto Crivador, que leva o nome de um dos tambores da parelha do tambor de crioula, e o Caçoeira, nome de um instrumento de pesca, têm em seu DNA musical a mescla do choro com gêneros da cultura popular do Maranhão. O Choro da Tralha formou-se para tocar no sebo e botequim homônimo, recentemente fechado, temporariamente, em razão da pandemia. Apresentava-se aos domingos, mas acabou conquistando outros palcos. Sua sonoridade e formação remetem aos primeiros regionais surgidos no Brasil.

Os convidados – Homens e mulheres de gerações distintas e enorme talento, conheça um pouco do perfil dos artistas convidados das lives de RicoChoro ComVida em 2020.

Dicy iniciou sua trajetória musical cantando na igreja, na infância. Integrou o trio vocal Flor de Cactus, que acompanhou Wilson Zara na noite imperatrizense. Artista engajada, tem um disco solo gravado, “Rosa semba”.

Josias Sobrinho é um dos grandes mestres da música popular brasileira produzida no Maranhão. Figurou no repertório do antológico “Bandeira de aço” (Discos Marcus Pereira, 1978), lançado por Papete, considerado um divisor de águas da música produzida por aqui.

Elizeu Cardoso é um artista plural: professor de geografia, escritor, locutor e programador de uma webrádio, o cantor e compositor é dos artistas que melhor faz a ponte entre a música popular produzida no Maranhão e as raízes ancestrais africanas.

Regiane Araújo tem formação em Ciências Sociais e é uma artista que dá voz a denúncias sociais. Participou do Festival BR-135 e recentemente foi selecionada pelo Conecta Música para a produção de um videoclipe. O videoclipe de sua música “Tirem as cercas” é sucesso de público e crítica.

Anastácia Lia é um dos grandes talentos de sua geração, transitando com desenvoltura por diversas vertentes musicais. Nasceu em berço musical, sendo descendente de fundadores da Turma do Quinto. Atualmente é intérprete da Favela do Samba e uma das organizadoras do anual Encontro Nacional de Mulheres na Roda de Samba. Artista engajada, tem na música um instrumento de combate ao racismo e outras formas de discriminação.

Neto Peperi é ex-vocalista e cavaquinhista do grupo Espinha de Bacalhau, lendário nas noites de São Luís. Cantor e compositor inspirado é um dos mais talentosos representantes do gênero que por aqui consagrou nomes como Cristóvão Alô Brasil, Cesar Teixeira e Zé Pivó, entre outros que costuma incluir em seu repertório.

Raul Seixas terá tributo no ano em que a Terra parou

[release]

Cantor Wilson Zara realizará show em homenagem ao artista baiano em formato live, no próximo dia 15

Divulgação

Era uma vez um baiano que acabou ganhando o apelido de Maluco Beleza, por conta do título de um de seus inúmeros clássicos. Esse roqueiro, fã de Elvis Presley e Luiz Gonzaga, previu “O dia em que a Terra parou”, canção que dá nome a seu álbum lançado em 1977.

Raul Seixas (1945-1989) não viveu para ver a pandemia de covid-19 fazer o planeta parar, não por um dia, mas por quase um ano. 2020 foi o ano em que ninguém pode dizer que não cumpriu a lista de resoluções de ano novo por pura falta de vontade. Muitos planos, quase todos, tiveram que ser adiados.

Foi assim também com o já tradicional “Tributo a Raul Seixas”, show anual realizado pelo cantor maranhense Wilson Zara, que desde 1992, quando estreou “A hora do trem passar”, em Imperatriz/MA, presta-lhe as devidas homenagens, sempre por volta da data de seu aniversário de falecimento, em 21 de agosto.

Mas o Tributo vai acontecer, se não nos moldes a que os fãs-clubes – de Raul Seixas e Wilson Zara – estão acostumados, do jeito que o ano e a pandemia permitem: no próximo dia 15 de dezembro (terça-feira), às 19h, em uma live transmitida a partir dos estúdios da TV Guará, raulseixistas de toda parte – graças à transmissão pela internet – poderão acompanhar o desfile de clássicos e lados b, num longo passeio pela vasta obra de Raulzito.

Além de músicas já citadas ao longo deste texto, Wilson Zara e banda – Mauro Izzy (contrabaixo), Moisés Profeta (guitarra), Marjone (bateria), Dicy e Heline (vocais) – passearão por repertório que inclui “Ouro de tolo”, “A maçã”, “Sessão das 10”, “Rockixe”, “Eu nasci há 10 mil anos atrás”, “Meu amigo Pedro”, “Gitâ”, “Sociedade alternativa” e “Cowboy fora da lei”, entre muitas outras. Um show que certamente vai deixar satisfeitos todos os que gritam “toca Raul!”.

Serviço – Realização da Zarpa Produções, o “Tributo a Raul Seixas” tem patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc. A transmissão da live acontece dia 15 de dezembro (terça-feira), às 19h, a partir dos estúdios da TV Guará, pelo site da emissora, além de seus perfis no youtube e instagram, e pelo perfil de Wilson Zara no facebook. A TV Guará apresentará o show em sua programação em data a ser confirmada posteriormente.

Rock de Balsas na ilha

A cantora Amanda Soulthier. Foto: divulgação
A cantora Amanda Southier. Foto: divulgação

 

Em 2014, quando completou 40 anos de carreira, o paulista Edvaldo Santana meteu o pé na estrada. Com o case do violão às costas percorreu, de ônibus, todas as capitais nordestinas, apresentando em cada uma delas um show de voz e violão. Em São Luís, cantou para pouco mais de 30 pessoas, no Teatro da Cidade de São Luís, o antigo Cine Roxy. Quem estava lá, até hoje lembra do show, memorável.

Mês passado, em Teresina, cobrindo a Balada Literária e vendo, por exemplo, o show do parnaibano Teófilo Lima, antes de Rita Benneditto, na última noite do evento, tornei a me perguntar: por que é que o Maranhão não consegue, ou o faz raramente, dialogar com seus vizinhos Pará e Piauí? Por que não vemos com mais frequência artistas paraenses e piauienses se apresentando em São Luís e vice-versa?

Todo artista tem de ir aonde o povo está, já cantou o poeta, e às vezes ir aonde o povo está é uma questão de cara e coragem, glamour zero, artista igual pedreiro, como no título do álbum do Macaco Bong.

Digo tudo isto para dizer que quem está na ilha é Amanda Southier, cantora brasiliense radicada em Balsas, no sul do Maranhão. Ela se apresenta hoje (20), às 21h, no Talkin Blues (Cohajap), e amanhã (21), no mesmo horário, no Velho John Music Pub (Holandeses, Calhau). Em ambos os shows ela será acompanhada por Joabi Nalvi (contrabaixo), Marcio Glam (guitarra) e Bruno Montechese (bateria).

A vinda de Amanda à ilha tem a ver com um sentimento de gratidão de Wilson Zara, que abre o show de hoje. “A gente percorre o Maranhão e é sempre tão bem recebido por onde passa, mas é raro conseguir trazer artistas de outras cidades para tocar em São Luís e dar a recíproca do mesmo tamanho. Começa que trazer muita gente é caro, a coisa já esbarra no preço das passagens de ônibus. Mas conseguimos firmar algumas parcerias e realizar essa microturnê”, afirma. A pequena turnê ilhéu de Amanda Southier tem apoio da JR 4000, empresa de ônibus de Balsas que faz a linha até a capital, churrascaria Barriga Verde e Adventure Hotel.

A cantora já é um nome reconhecido da cena pop, tendo aberto shows de Biquini Cavadão e Detonautas, com quem dividiu o palco em julho passado, em Balsas, no encerramento do Festival de Verão da cidade.

O repertório de Amanda Southier passeia por clássicos do pop nacional e internacional e músicas autorais – Raul Seixas, Adele, Bruno Mars, Black Sabbath, Iron Maiden, Led Zeppelin, Nirvana, Rolling Stones. Vã realidade, seu ep de estreia, lançado em 2017, tem seis faixas, sendo quatro autorais, além de Se você fosse do mal, de Nosly, e um cover de Dream on, do Aerosmith.

O público de São Luís tem duas oportunidades de conhecer ou prestigiar ao vivo a música de Amanda Southier. Torço para que a vereda aberta por ela faça chegar à capital mais artistas do interior e que mais artistas da capital consigam se apresentar em municípios do interior.

%d blogueiros gostam disto: