Arquivo da tag: via expressa

Nagô

O governo de Roseana Sarney reforma escolas (e prédios públicos em geral) assim: joga uma demão de tinta e aplica a logomarca de sua (indi)gestão.

Assim aconteceu, não pela primeira vez, com o Centro de Ensino Médio Gonçalves Dias. Resultado: a tinta sarneysta apagou a arte do Coletivo Nagô. Arte sim, ou você acha que o grafite não merece o status?

Agora o grupo de artistas voltou à carga, unindo-se à luta dos moradores do Vinhais Velho, ameaçados com a construção da Via Expressa (leiam sobre o assunto no blogue do Tribunal Popular do Judiciário e/ou na página da SMDH). Artistas sim, ou você acha que grafiteiro é bandido, é marginal?

Abaixo, duas fotos do muro, a segunda uma espécie de close da primeira (é ou não é genial?). Quem quiser sacar a arte in loco, é só passar ali pela Av. Kennedy, na altura da entrada do Bairro de Fátima.

Vinhais Velho resiste...

 

... e o Coletivo Nagô une-se à luta

Via Expressa não vai atingir igreja do Vinhais Velho, diz secretário

Max Barros garante que obra não causará dano à Igreja de São Batista, que é tombada

 

Via Expressa não atingirá a igreja. E as pessoas?

 

O secretário de Estado de Infraestrutura, Max Barros, informou ontem que a obra da Via Expressa não acarretará qualquer dano à Igreja de São João Batista, no Vinhais Velho, que é tombada pelo Patrimônio Histórico Estadual. “Estamos tomando todos os cuidados necessários. Contratamos um escritório de arqueologia, que está acompanhando todos os passos do processo”, declarou.

De acordo com o secretário, a avenida passará a uma distância de 100m da igreja. Além disso, o prédio será beneficiado com um largo que será edificado na área existente em frente ao templo, para uso e diversão da comunidade.

Max Barros informou ainda que apenas oito imóveis estão no traçado da Via Expressa. Destes, dois já estão desocupados e os outros seis estão em processo de negociação com o Governo do Estado.

Obra – Com investimentos de mais de R$ 100 milhões, a Via Expressa é uma das obras construídas pelo governo para marcar a celebração dos 400 anos de São Luís e beneficiará 300 mil habitantes em diversos bairros de São Luís. O projeto prevê a ligação da Avenida Colares Moreira – passando pela Carlos Cunha – à Daniel de La Touche, na altura do Ipase.

A nova avenida terá cerca de 9 km de extensão, passando por mais de 20 bairros. De acordo com estudos da Sinfra, a via deve atrair pelo menos 30% do total de veículos que hoje trafegam pela Jerônimo de Albuquerque, entre os Elevados da Cohama e o do Trabalhador, o que vai contribuir para desafogar o trânsito na área.

Mais – A nova avenida interligará os Bairros Cohafuma, Vinhais e Maranhão Novo, por meio de alças acopladas às vias já existentes, que serão especialmente restauradas para a garantia de melhor fluxo de tráfego.

&

Com uma obra e um sutiã a mais aqui e um mais a menos acolá, o texto acima foi publicado, quase sem tirar nem por vírgula, nas edições de hoje (18) dos jornais O Estado do Maranhão (Geral, p. 5) e Pequeno (Cidade, p. 13).

No primeiro, não é de se estranhar, já que trata-se de um veículo de comunicação do Sistema Mirante, de propriedade da família da governadora, quase um “diário oficial” de seu governo (não há Via Expressa que o coloque nos trilhos, nos eixos).

No segundo, dito de oposição à família Sarney (mesmo que isso, às vezes, signifique defender intransigentemente e/ou legitimar a péssima gestão tucana de João Castelo à frente da prefeitura ludovicense), o estranhamento é atenuado por ter se tornado comum, infelizmente, a prática nada saudável do control c control v em releases.

Em sua última página (Polícia, p. 16), o JP anunciou o Almoço da Resistência, ato organizado por moradores do Vinhais Velho, que acontece logo mais ao meio-dia. Ontem, a comunidade recebeu a visita do arcebispo de São Luís Dom José Belisário.

Vinhais Velho organiza Almoço da Resistência

Ato acontece quarta-feira (18), ao meio-dia, buscando novamente chamar a atenção para problemas trazidos pela Via Expressa

DO TRIBUNAL POPULAR DO JUDICIÁRIO

Moradores da comunidade Vinhais Velho realizarão na próxima quarta-feira (18), um “Almoço da Resistência”, para o qual estão sendo convidados profissionais dos meios de comunicação, militantes de organizações de direitos humanos, parlamentares estaduais e federais, além dos moradores da região.

O Vinhais Velho é uma das áreas que serão atingidas com a construção da Via Expressa. Desde o anúncio e a ostensiva propaganda em relação à obra do governo do estado seus moradores vêm se organizando para resistir. Já foram realizados cafés da manhã, reuniões e celebrações ecumênicas.

De acordo com diversos moradores, após a repercussão destes atos de resistência, a única preocupação dos responsáveis pela obra é com a manutenção de uma igreja local, com quase 400 anos de edificada. As indenizações propostas estão bastante aquém do valor de mercado.

O Almoço da Resistência acontecerá ao meio-dia, na Granja do Japonês, localizada na Rua Grande, nº. 90, no Vinhais Velho.

De piadas sobre a Via Expressa: a coisa é séria

Escrevi o texto Violações de direitos: primeira carga transportada pela Via Expressa na condição de assessor de comunicação da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, entidade que recebeu ontem (17) a visita de um grupo de moradores da Vila Vinhais Velho, denunciando os desmandos, o descaso e o terror com que o Governo do Estado tem tocado sua megaobra “para os 400 anos de São Luís”. Em pouco tempo, o texto já ganhou repercussão no Portal Vermelho, no site do jornal Vias de Fato e no blogue de Ricarte Almeida Santos.

Comecei o texto com uma piada, que tenho ouvido e contado recorrentemente, em mesas de bar e por aí afora: o governo de Roseana Sarney está gastando mais com a propaganda da obra que com a obra em si. Outras duas piadas que sempre ouço: a Via Expressa vai se chamar Marginal Roseana Sarney; e, com a estadualização da mesma, será a MA 171.

Outra piada que ouvi, após a publicação do texto, foi a pergunta inteligente de Aline Coelho, no tuiter: “teriam os engenheiros contratados por Roseana Sarney planejado a Via Expressa a partir do Google Maps?” Seria cômico se não fosse trágico.

Para denunciar o que vêm sofrendo, moradores da Vila Vinhais Velho organizarão sábado (22), um café da manhã, para o qual estão convidando entidades, organizações, meios de comunicação (os que não têm compromi$$o$ financeiro$ com a veiculação de comerciai$ da megaobra e outra$ verba$ da comunicação governamental) e outros interessados no assunto. Detalhes aqui.