Espetáculo online relembra grandeza da era de ouro do rádio

[release]

O cantor Almeida Marcus. Foto: Almir Praseres. Divulgação

O espetáculo online “A era do rádio”, do cantor Almeida Marcus, é um primor. Tudo foi pensado de modo a garantir aos amantes de um repertório consolidado no inconsciente coletivo uma espécie de viagem no tempo – mas engana-se quem pensa que o show virtual vai agradar apenas a saudosistas. É também uma tentativa de aprofundar o interesse das novas gerações por gêneros como bolero, samba-canção, valsa, choro, fox etc.

Já na abertura a voz do produtor e mestre de cerimônias Ricarte Almeida Santos soa com um efeito para parecer envelhecida, como se gravada há décadas num acetato. Figurino e cenário (de Rivânio Almeida Santos) também colaboram para que o espectador se sinta em casa – como em casa se sentiam os frequentadores de bares e boates onde esse repertório era incansavelmente praticado ali pelos arredores do surgimento da bossa nova.

São duas horas de espetáculo, conduzido com maestria por Almeida Marcus, cuja intimidade com o repertório vem de berço: com sua avó Bibi, que o criou, o cantor aprendeu a gostar da sonoridade do período que empresta o título ao show, as décadas de 1940 a 60.

A dj Vanessa Serra abre “A era do rádio” criando a ambiência necessária para Almeida Marcus adentrar o estúdio ProAudio, onde o show foi gravado (direção e fotografia de Paulo do Vale). Ela desfila seu repertório a partir de sua coleção de vinis, com a habitual desenvoltura e gingado, um convite à dança, entre números instrumentais e pérolas do repertório de Nelson Gonçalves e Altemar Dutra.

O Conjunto Era de Ouro faz jus ao nome. Almeida Marcus escalou um timaço de feras para acompanhá-lo: Rui Mário (sanfona, teclados e direção musical), Daniel Cavalcanti (trompete), Tiago Fernandes (violão sete cordas), Cleuton Silva (contrabaixo), Fleming (bateria) e Marquinho Carcará (percussão).

Almeida Marcus não se prende ao óbvio: vai de Besame mucho (Consuelo Velasquez) e Quizás, quizás, quizás (Oswaldo Farrés) a Entre espumas (Roberto Müller), A volta do boêmio (Adelino Moreira) e Caminhemos (Herivelto Martins), as duas últimas hits do repertório de Nelson Gonçalves.

A cantora Célia Maria. Foto: Almir Praseres. Divulgação

Reconhecida como uma das mais belas vozes da música popular brasileira produzida no Maranhão, Célia Maria fez praticamente um show dentro do show. Uma participação digna do adjetivo especial, um desfile de pérolas: Hino ao amor (Edith Piaf/ Marguerite Monnot. Versão: Odair Marsano), Atiraste uma pedra (David Nasser/ Herivelto Martins), Alguém me disse (Jair Amorim/ Evaldo Gouveia), Manhã de carnaval (Luiz Bonfá/ Antonio Maria) e Carinhoso (Pixinguinha/ João de Barro), cantada em dueto com o anfitrião.

Antes e depois da diva, Vanessa ainda pilotou suas pick-ups, transpondo o limite da era de ouro, ao lembrar clássicos como Fitipaldiando (Oberdan Oliveira), sucesso de Nonato e Seu Conjunto, e A raposa e as uvas (Reginaldo Rossi).

Almeida Marcus está ansioso por retornar aos palcos. Enquanto isto não é possível, caprichou: não há nada fora do lugar em “A era do rádio”. Antes de encerrar o cantor desfilou ainda sucessos como Nada além (Custódio Mesquita/ Mário Lago), Anos dourados (Tom Jobim/ Chico Buarque), Nervos de aço (Lupicínio Rodrigues) e Perfídia (Alberto Dominguez. Versão: Lamartine Babo), clássico absoluto em qualquer seresta que se preze.

“A era do rádio” tem patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, cujos recursos no Maranhão são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). O vídeo será disponibilizado hoje (15), às 18h, no canal RicoChoro ComVida no youtube.

Era de ouro do rádio será lembrada em transmissão online

[release]

Cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro passearão por clássicos do cancioneiro brasileiro; gravação acontece neste domingo (21) e terá participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra

O cantor Almeida Marcus. Foto: divulgação

Uma homenagem à era de ouro do rádio é a proposta do espetáculo musical apresentado pelo cantor Almeida Marcus, acompanhado pelo supergrupo Era de Ouro, com as participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra. O show, que terá transmissão online, será gravado neste domingo (21), no estúdio Pró Áudio. A gravação acontece com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, no Maranhão administrados pela Secretaria de Estado da Cultura.

Almeida Marcus conta como surgiu a ideia, uma homenagem à sua avó, de quem herdou o bom gosto musical. “A era de ouro do rádio me acompanha desde criança. Foi por meio da minha avó, Benedita, que a gente chamava de vovó Bibi, e, como meus pais moravam no interior, trabalhando, eu morava aqui na capital onde nasci, com ela. Ali eu sempre fui embalado, sempre escutava as músicas dos anos 1920, 30, 40, aquelas músicas na época que o rádio conquistou a sua máxima, vamos dizer assim, apesar de até hoje ele estar aí entre os meios de comunicação. Entre os cantores que eu ouvia estavam Ângela Maria, Herivelto Martins, Lupicínio Rodrigues e assim por diante. Eu sempre gostei de cantar, quando criança eu participei de festivais, participei de escola de samba, na adolescência e na juventude cheguei a cantar em banda, fiz carnavais, e acabei enveredando para a área do samba, onde eu vez ou outra sempre participava em algum momento, mas nada profissionalmente. Até que essa minha avó veio a falecer e eu resolvi homenageá-la e fiz um show no Lítero da Praça João Lisboa. Foi sucesso de público e crítica e desde então eu já realizei duas lives beneficentes, com uma boa arrecadação, já fui contratado para alguns eventos particulares e surgiu essa oportunidade, pela Lei Aldir Blanc”, conta.

“Eu estava no estúdio de Luiz Jr. Maranhão, quando eu pensei em realizar esse show no Lítero de que falei, e a gente conversando, lá estavam Ricarte e Luiz Jr., que por coincidência estava gravando um álbum de Dona Célia. E surgiu o nome dela, em razão de que ele foi comentar sobre o álbum e a gente procurava uma voz feminina e encontrou Dona Célia e desde então ela está presente em todos os eventos da era do rádio, é a nossa dama maior”, revela sobre o convite e a participação da cantora Célia Maria, com a reverência devida.

O supergrupo Era de Ouro. Da esquerda para a direita: Fleming Bastos, Cleuton Silva, Daniel Cavalcante, Rui Mário, Tiago Fernandes e Marquinhos Carcará. Foto: divulgação

Almeida Marcus será acompanhado pelo grupo Era de Ouro, formado por Tiago Fernandes (violão de sete cordas), Daniel Cavalcante (trompete), Cleuton Silva (contrabaixo), Rui Mário (acordeom, teclado e direção musical), Marquinhos Carcará (percussão) e Fleming Bastos (bateria).

A apresentação contará também com a participação da dj Vanessa Serra. “Além de jornalista é uma pesquisadora musical, e Vanessa gosta muito desse tipo de música e tem até uma live dominical chamada “Alvorada”, então o convite foi algo muito natural, tem tudo a ver com o propósito”, elogia Almeida Marcus.

Ele revela as expectativas e agradece novamente a saudosa e querida avó: “É uma mistura de ansiedade, medo, vontade de fazer, e que dê tudo certo. Pena que não pode ser presencial. ainda, por que eu curto mais o lance do show, do público, da presença, mas realizar essa apresentação por meio da Lei Aldir Blanc, ajudar tanta gente, tantos profissionais que estão aí envolvidos em todo esse projeto da era do rádio, que deu certo e que eu agradeço a vovó Bibi”, finaliza.

Serviço

O quê: gravação do espetáculo “A era de ouro do rádio”
Quem: o cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro, com participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra
Quando: a gravação acontecerá dia 21, às 19h (a veiculação pelo youtube e redes sociais será divulgada em momento oportuno)
Onde: Estúdio Pró Áudio
Patrocínio: Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, cujos recursos, no Maranhão, são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura

Das praças às telas: RicoChoro ComVida terá três edições virtuais em 2020

[release]

Apresentações musicais ocorrerão em formato talk show; diálogo de grupos de choro com artistas de vertentes distintas da música popular está mantido nas lives do projeto

O Quarteto Crivador. Da esquerda para a direita: Marquinho Carcará, Rui Mário, Wendell de la Salles e Luiz Jr. Maranhão. Foto: divulgação

Num ano atípico como 2020, o público de São Luís foi privado ao que já estava acostumado no segundo semestre: os tradicionais saraus do projeto RicoChoro ComVida na Praça, que percorrem diversos logradouros públicos da capital maranhense.

Mas os chorões e choronas apreciadores da iniciativa, além de curiosos em geral, não ficarão órfãos: RicoChoro ComVida na Praça terá edições em formato online, uma espécie de live talk show, com apresentação de Ricarte Almeida Santos e produção de Girassol Produções Artísticas, realizadas com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma).

RicoChoro ComVida, portanto, este ano não será na praça, mas online: três saraus manterão a proposta do projeto, de estimular o diálogo entre o choro e outras vertentes da música popular brasileira, através do encontro de um grupo de choro e cantores e cantoras, de gêneros e gerações distintas.

As lives serão gravadas nos estúdios da TV Guará e ainda não têm data para ir ao ar. No formato de talk show, Ricarte Almeida Santos conversará com os grupos e artistas convidados, numa espécie de entrevista musicada, bastante dinâmica.

Na primeira live, o Quarteto Crivador – formado por Marquinho Carcará (percuteria), Luiz Jr. Maranhão (violão sete cordas), Rui Mário (sanfona) e Wendell de la Salles (bandolim) – recebe como convidados Dicy e Josias Sobrinho; na segunda, é a vez do Regional Caçoeira – Tiago Fernandes (violão sete cordas), Wendell Cosme (cavaquinho e bandolim), Lee Fan (flauta e saxofone), e Wanderson Silva (percussão) – dialogar musicalmente com Elizeu Cardoso e Regiane Araújo; e por último, Anastácia Lia e Neto Peperi serão recebidos pelo Choro da Tralha, formado por João Eudes (violão sete cordas), João Neto (flauta), Gabriela Flor (pandeiro) e Gustavo Belan (cavaquinho).

Os grupos – O Quarteto Crivador, que leva o nome de um dos tambores da parelha do tambor de crioula, e o Caçoeira, nome de um instrumento de pesca, têm em seu DNA musical a mescla do choro com gêneros da cultura popular do Maranhão. O Choro da Tralha formou-se para tocar no sebo e botequim homônimo, recentemente fechado, temporariamente, em razão da pandemia. Apresentava-se aos domingos, mas acabou conquistando outros palcos. Sua sonoridade e formação remetem aos primeiros regionais surgidos no Brasil.

Os convidados – Homens e mulheres de gerações distintas e enorme talento, conheça um pouco do perfil dos artistas convidados das lives de RicoChoro ComVida em 2020.

Dicy iniciou sua trajetória musical cantando na igreja, na infância. Integrou o trio vocal Flor de Cactus, que acompanhou Wilson Zara na noite imperatrizense. Artista engajada, tem um disco solo gravado, “Rosa semba”.

Josias Sobrinho é um dos grandes mestres da música popular brasileira produzida no Maranhão. Figurou no repertório do antológico “Bandeira de aço” (Discos Marcus Pereira, 1978), lançado por Papete, considerado um divisor de águas da música produzida por aqui.

Elizeu Cardoso é um artista plural: professor de geografia, escritor, locutor e programador de uma webrádio, o cantor e compositor é dos artistas que melhor faz a ponte entre a música popular produzida no Maranhão e as raízes ancestrais africanas.

Regiane Araújo tem formação em Ciências Sociais e é uma artista que dá voz a denúncias sociais. Participou do Festival BR-135 e recentemente foi selecionada pelo Conecta Música para a produção de um videoclipe. O videoclipe de sua música “Tirem as cercas” é sucesso de público e crítica.

Anastácia Lia é um dos grandes talentos de sua geração, transitando com desenvoltura por diversas vertentes musicais. Nasceu em berço musical, sendo descendente de fundadores da Turma do Quinto. Atualmente é intérprete da Favela do Samba e uma das organizadoras do anual Encontro Nacional de Mulheres na Roda de Samba. Artista engajada, tem na música um instrumento de combate ao racismo e outras formas de discriminação.

Neto Peperi é ex-vocalista e cavaquinhista do grupo Espinha de Bacalhau, lendário nas noites de São Luís. Cantor e compositor inspirado é um dos mais talentosos representantes do gênero que por aqui consagrou nomes como Cristóvão Alô Brasil, Cesar Teixeira e Zé Pivó, entre outros que costuma incluir em seu repertório.

Violões no Convento

Orquestra de Violões Uema-Emem. Fotos: Zeqroz Neto
Orquestra de Violões Uema-Emem. Fotos: Zeqroz Neto

 

O Festival Internacional de Violão de São Luís já nasce grande. Espero que não usar o ordinal primeiro antes do nome do evento não signifique estancar em edição única.

Após três dias de masterclasses realizados com grandes nomes – Turíbio Santos, Gian Correa, Rogério Caetano e Alessandro Penezzi – na Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem), teve início ontem (24), a programação de concertos do evento, no Convento das Mercês, onde todos os masters das classes se apresentam.

Eu mesmo, particularmente, me preocupei com o anúncio da programação: por mais que a produção chame de shows, na intenção de popularizar os espetáculos, gratuitos e abertos ao público, três concertos de violões, em sequência, poderiam parecer algo um tanto cansativo. Estava enganado, ainda bem.

Um bom público, educado, atento, interessado no que viu, lotou o pátio central do Convento das Mercês, onde a noite foi aberta pela Orquestra de Violões Uema-Emem, regida pelo maestro Roberto Fróes, tendo por destaques no repertório o Concerto em ré maior de Vivaldi, o arranjo de João Pedro Borges para Boi da lua, de Cesar Teixeira, e A máquina de escrever, de Leo Wilczek, com o pianista Bruno Cipriano solando uma… máquina de escrever.

O Quarteto Setão
O Quarteto Setão

Depois foi a vez Quarteto Setão, formado especialmente para o Festival. Trata-se, como o nome indica, do encontro de quatro dos mais promissores violões sete cordas do Maranhão: Tiago Fernandes, Mano Lopes, João Eudes e Luiz Jr. Maranhão. Entre clássicos do choro, os destaques do repertório foram composições de maranhenses: De Cajari pra capital (Josias Sobrinho), Flor do mal, (Cesar Teixeira) e Todos cantam sua terra (João do Vale).

Os violonistas João Pedro Borges e Joaquim Santos foram homenageados. Repito o que disse em diversas ocasiões, a diversos interlocutores: sem desmerecer ou apequenar nenhum outro convidado, bastaria esta dupla, mais Turíbio Santos (também homenageado, além de José Luiz Santos, pai de Luiz Jr. Maranhão), para garantir ao festival o status de internacional.

O violonista Turíbio Santos
O violonista Turíbio Santos

E era Turíbio Santos, maranhense como os ex-integrantes da Camerata Carioca, a próxima atração, o último convidado da noite. Não escondeu a emoção de voltar à terra natal para um concerto e atacou de Sons de carrilhões (João Pernambuco), seguida por um medley de Luiz Gonzaga (Asa branca, Juazeiro, Baião).

Ao pedir para desligar a máquina de gelo seco, deu sua alfinetada nos poderosos de plantão: “vou pedir a produção para desligar essa fumaça; não é aquela queimada lá, mas é ruim, por que o violão vai ficando úmido e respondendo diferente”, provocou, antes de apresentar sua suíte Teatro do Maranhão, que fez em homenagem ao Teatro Arthur Azevedo – onde iniciou, há mais de 50 anos, sua internacionalmente reconhecida carreira de concertista.

Homenageou Chiquinha Gonzaga (Gaúcho, Ó abre alas), Carlos Gomes (diversos temas recolhidos em comunidades quilombolas) e, obviamente, Heitor Villa-Lobos (Prelúdio nº. 3, Prelúdio nº. 2 e Choros nº. 1, com que encerrou sua apresentação), que chegou a conhecer pessoalmente e cuja obra divulga em discos desde a década de 1960. Foi aplaudido de pé. “Eu não vou fazer o bis por que estou com a mão cansada”, desculpou-se, sem que a plateia interrompesse os aplausos.

A programação, gratuita e aberta ao público, continua hoje (25) e amanhã (26), a partir das 19h, no Convento das Mercês.

%d blogueiros gostam disto: