Arquivo da tag: sylvio fraga trio

Sylvio Fraga Trio: de rosto e alma expostos

[O Imparcial, 24 de outubro de 2013]

Jazz, blues e rock dão o tom em letras sobre o cotidiano e o amor na estreia do trio carioca

ZEMA RIBEIRO
ESPECIAL PARA O IMPARCIAL

Rosto [Bolacha Discos, 2013] é o disco de estreia do Sylvio Fraga Trio, formado pelo próprio (voz, violão e guitarra), Marcio Loureiro (contrabaixo elétrico) e Mac Willian Caetano (bateria). A formação dá a pista: as 12 faixas ficam entre jazz, blues e rock, influências confessas dos integrantes.

Mas o álbum soa brasileiro. Carioca, para ser mais preciso. Embora o grupo tenha se formado lá fora, quando o band leader fazia mestrado em poesia em Nova York. A maioria do repertório de Rosto foi concebida lá e amadurecida aqui.

O cotidiano está retratado nas letras, mas tratado com outras lentes. Embalo, por exemplo, é um convite para um happy hour: “Vem correndo meu amor/ estou aqui, no nosso bar!”. Cada rastro será gesso, dos versos “Já está muito quente/ em Niterói a barca sente”, faz lembrar os Novos Baianos e Jards Macalé, que já homenagearam a barca-personagem musical. Em Barata voa algumas indagações românticas: “mas o que posso fazer?/ e você já dormiu à luz/ dessa televisão/ mas o que posso saber?/ um beijo na testa/ que sonha e sai de manhã”.

Balé é poesia pura: “O universo apenas olha/ olha as saias cortando o escuro/ Planetas rodando e caindo de maduros”. Maduro este disco de estreia, a qualidade um elemento comum a suas faixas, todas assinadas por Sylvio Fraga – sozinho ou em parceria.

Uma curiosidade, em tempo: no coro da última faixa, Circus, é possível ouvir a voz de Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central no governo Fernando Henrique Cardoso. O economista é pai do líder do grupo, também graduado na área. Sua voz une-se a outras para cantar versos como “ai ai o amor/ se não arde, não há/ se não for/ só quem arde provou/ só quem sabe o que arde/ ai o amor!”.

O disco está disponível para download gratuito no site do trio.