Arquivo da tag: rio de janeiro

Carlos Latuff contra a tortura

Nem lembro quando e como conheci o trabalho de Carlos Latuff. Provavelmente a primeira lembrança que tenho de um cartum seu é a famosa imagem abaixo, em que o jornalista Vladimir Herzog aparece enforcado vestindo uma florida camisa de turista tomando um coquetel (ou caipirinha ou “refresco”) com aquela fruta espetada na beirada do copo, enforcado por um cinto, o suicídio inventado, paródia da talvez mais conhecida foto do ex-diretor de jornalismo da TV Cultura. Aludia ele ao episódio em que a Folha de S. Paulo afirmara que a ditadura brasileira não passara de ditabranda.

Latuff é um gênio! Menos conhecido no Brasil que fora dele, nem sei dizer se infelizmente. Lá fora tem cumprido utilíssimo papel ao fazer críticas bem humoradas com seus traços e cores a diversos acontecimentos políticos. De sua arte também não escaparam episódios nacionais como o massacre de Pinheirinho, em São Paulo, e a ocupação do Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, apenas para citar alguns dos mais recentes. Quem quiser saber e ver mais do trabalho do rapaz, basta acessar seu blogue, o dele, digo.

Em março passado, mais precisamente dia 22, quando se completaram cinco anos do assassinato do artista popular Jeremias Pereira da Silva, o Gerô, espancado até a morte por policiais militares em 2007, Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Maranhão (OAB/MA), Ouvidoria de Segurança Pública e Sociedade Maranhense de Direitos Humanos (SMDH) lançaram Campanha de Combate à Tortura.

Dias antes, fiz contato com Latuff, cujo compromisso com causas e ideais nobres eu já conhecia. Um e-mail e alguns telefonemas depois, ele me encaminhou a bela arte do cartaz da Campanha, que abre este post e eu já havia publicado em alguns lugares.

Hoje é Dia Mundial de Apoio às Vítimas de Tortura. Roubo do perfil do jornal Vias de Fato no facebook a imagem abaixo, que o carioca desenhou há dois anos. A imagem permanece atual: infelizmente a tortura ainda é prática recorrente em nosso país. É preciso mudar este quadro, urgentemente!

O dinossauro Picasso

“Picasso tornado repentino dinossauro por meio dos pães de sua mesa, igualados a antigas patas” (Rosane Pavam), uma das 152 fotos que compõem a exposição Simplesmente Doisneau, de Robert Doisneau, em cartaz no Centro Cultural Justiça Federal, no Rio de Janeiro, até 17 de junho.

Roubei as aspas e a sensacional imagem da edição impressa da CartaCapital (nº. 688).

“Eu vou pro Rio de Janeiro/ vou ser artista/ vou morar na Lapa”*

A faceira senhorita simpática da foto ao lado se despede temporariamente da Ilha: semana que vem ela entra em estúdio no Rio de Janeiro, acompanhada de feras do naipe de Luciana Rabello (direção musical) e João Lira (arranjos) para gravar um disco inteiramente dedicado à obra de mestre Paulo César Pinheiro.

Hoje (13), Alexandra Nicolas participa de uma roda de samba com muito samba de roda, acompanhada do grupo Argumento, no La Musique (Lagoa, rua da antiga Red), no projeto Favela Chic, a partir das 18h (a produção não informou o valor dos ingressos).

*O título do post são versos de Pra chorar no Rio, parceria de Gildomar Marinho e Ricarte Almeida Santos.

Existem tragédias maiores que a derrota em copas do mundo e olimpíadas

A Relatoria do Direito Humano à Cidade da Plataforma Dhesca Brasil visitou o Rio de Janeiro em maio passado para investigar os impactos que já causam aos cariocas os dois maiores eventos esportivos de que o Brasil já teve notícia: a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o primeiro sediado em diversas cidades brasileiras, incluindo a capital carioca, cidade-sede do segundo.

Abaixo, quatro vídeos elaborados pela Missão da citada Relatoria nas comunidades de Restinga, Favela do Metrô, Morro da Providência e Vila Recreio 2. Para assistir, se indignar e lembrar quando formos comemorar cada gol brasileiro na primeira competição, cada medalha na segunda. Qual o preço de cada vitória? A derrota de milhares de famílias desde agora? Para quem não tiver paciência de abrir vídeo por vídeo, um playlist com os quatro aqui.