Choro em dose dupla, nesta sexta e sábado

[release]

Saraus online do projeto RicoChoro ComVida estreiam dias 29 e 30, às 18h, com os grupos Deu Branco e Tangará, e os cantores Totti Moreira, Rosa Reis, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco

O encontro de gêneros e gerações de Totti Moreira, Rosa Reis e Regional Deu Branco. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação
Choro, samba e Maranhão: diálogo e reverência no encontro de Zeca do Cavaco, Nivaldo Santos e Grupo Tangará. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação

Enquanto aguarda o fim do período chuvoso na ilha capital, a produção dos saraus RicoChoro ComVida segue trabalhando. Ano passado realizou três concorridas edições presenciais do sarau, na bela paisagem que é o jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (Rua do Sol, 302, Centro). Ainda ano passado também realizou a gravação de dois saraus online, com patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, através da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). Os saraus foram gravados no estúdio ProAudio, sem plateia – eventuais aplausos ouvidos na gravação são da própria equipe técnica dos espetáculos –, e a captação de imagens foi feita pelo cineasta Paulo do Vale e equipe.

Estes dois saraus vão ao ar dias 29 e 30 de abril, respectivamente, sempre às 18h, no canal do youtube da RicoChoro Produções Culturais, que realiza o evento. “É um evento online, gravado ainda num momento de instabilidade da pandemia, que chegou a permitir que realizássemos saraus presenciais, com todos os cuidados, mas que voltou à carga, depois, fazendo com que tornássemos a nos recolher. No entanto, preserva o autêntico clima de uma roda de choro. A gente optou inclusive por não retocar o áudio das gravações, mantendo certo clima um clima de autenticidade, apesar de eventuais imperfeições”, anuncia o produtor Ricarte Almeida Santos.

No primeiro sarau, as atrações são o Regional Deu Branco, que tem como convidados o cantor e compositor Totti Moreira e a cantora Rosa Reis. O Deu Branco é formado por Paulo Araújo (violão sete cordas), Jamil Cartágenes (cavaquinho), Valdico Monteiro (pandeiro), Erivan Nélio (flauta) e Cleiton Groove (trombone).

O repertório do grupo passeou por clássicos do choro, de autores como Tom Jobim (“Só danço samba”), Joaquim Callado (“Flor amorosa”) e Raul de Barros (“Na Glória”), além dos maranhenses Catulo da Paixão Cearense (“Ontem ao luar”), Antonio Vieira (“Tem quem queira”), Osmar do Trombone (“Saudades de Tororoma”), Nuna Gomes (“Um sorriso”), além de Didã (“Banca de honestidade”).

Seu primeiro convidado, o cantor e compositor Totti Moreira, um dos destaques da nova geração da música popular brasileira produzida no Maranhão, revelou a “alegria em estar no projeto e poder colocar sua música em diálogo com o choro, uma escola que só somou em sua produção autoral”.

De sua autoria, em seu repertório, destaques para a autobiográfica “Passe gol”, que lembra as peladas de rua disputadas na infância, “Golpe na tristeza”, com clara influência da bossa nova, e “Minha viola”.

Rosa Reis afirmou que “o samba já vem enraizado desde quando eu fazia o show “Fuzarca” [com Fátima Passarinho, Inácio Pinheiro, Cláudio Pinheiro e Roberto Brandão], onde eu tive a oportunidade de conhecer vários compositores do samba tradicional, como Cristóvão [Alô Brasil] e Patativa”. Para citar outro exemplo de sua intimidade com o samba, a cantora foi a primeira a gravar “Nós” (Tião Carvalho), antes do sucesso nacional de Cássia Eller.

Seu repertório privilegiou o samba e o choro maranhenses, em interpretações de “Meu samba choro” (Chico Maranhão), “Cachaça apanhou” (Antonio Vieira/ Lopes Bogéa) e “Santo guerreiro” (Patativa), com participação especial de Totti. A exceção foi “Fadas” (Luiz Melodia)

Segundo sarau – Com seu nome de pássaro, o Grupo Tangará sobrevoou com elegância um repertório impecável, formado por clássicos como “Receita de samba” (Jacob do Bandolim), “Sonoroso” (K-Ximbinho/ Del Loro), “Doce de coco” (Jacob do Bandolim) e “Carioquinha” (Waldir Azevedo), coisa para chorão nenhum botar defeito.

O Tangará é formado por Vitor Santana (bandolim), Suellen Almeida (flauta), Valdico Monteiro (pandeiro), Gustavo Belan (cavaquinho) e Tiago Fernandes (violão sete cordas). O grupo teve como convidados dois nomes de destaque no universo do samba e do choro do Maranhão: o sambista Nivaldo Santos e o cantor Zeca do Cavaco, cuja habilidade no instrumento lhe empresta o sobrenome artístico, embora ele tenha apenas cantado em sua apresentação.

“Já nascemos musicais, nascer nesse estado tão rico de cultura, eu vim de uma família festeira, meu pai, vivo até hoje, graças a Deus, nos ensinou o gosto pela boa música e sempre influenciou a gente. A gente começou a participar de encontros, rodas de samba, festas de família, a gente foi se identificando e gostando e aí surgiu o sambista Nivaldo Santos”, comentou o primeiro convidado sobre seu fazer do samba uma profissão de fé.

Seu repertório foi de Chico Maranhão (“Ponto de fuga”) a Ismael Silva (“Se você jurar”), passando por Sérgio Habibe (“Ponteira”) a Pixinguinha (“Yaô”) e Joãozinho Ribeiro (“Asas da paixão”). Nivaldo cantou ainda “Banca de honestidade” (Didã), executada em versão instrumental no primeiro sarau – em comum, os grupos têm também o pandeirista.

Depois era a vez de Zeca do Cavaco, não raramente apontado como uma das mais belas vozes da música popular produzida no Maranhão, com atenção especial ao choro e ao samba, filiado às escolas de Paulinho da Viola, Geraldo Pereira e Cesar Teixeira, para citar apenas uma trinca de sua predileção.

“Estou muito feliz em estar participando desse evento, desse movimento, e o prazer é maior ainda em ser acompanhado por este grupo Tangará, que eu já tive o prazer de conhecer, mas ainda não havia tido o prazer de cantar junto”, afirmou. “Eu tive a honra de conviver com alguns baluartes do samba e do choro, como Zé Hemetério, Gordo Elinaldo, toquei muito tempo e cantei também no Regional Tira-Teima, e depois me descobri intérprete, e comecei a caminhar por essa via da música”, revelou a sua filiação ao samba e ao choro.

Prestigiou repertório genuinamente maranhense e atacou de “Saiba, rapaz” (Joãozinho Ribeiro), “Mestre Orfila” (Cristóvão Alô Brasil), “Coração na voz” (Nosly/ Gerude/ Nonato Buzar), “Terra de Noel” (Josias Sobrinho), “Velho negro destemido” (Ricarte Almeida Santos/ Joãozinho Ribeiro) – homenagem a Nelson Sargento (1924-2021), sambista falecido aos 96 anos, por complicações da covid-19 – e “Cajueiro velho” (João Carlos Nazaré). Para fechar com chave de ouro, duetou com Nivaldo Santos na inédita “Sapo já foi na lua” (Cesar Teixeira).

O par de saraus que será disponibilizado nesta sexta (29) e sábado (30) se configura em um importante documento sonoro, ao realizar em sua feitura alguns dos propósitos do projeto RicoChoro ComVida, seja em formato presencial, seja em formato virtual: o encontro de gêneros e gerações, o diálogo do choro com outros ritmos da rica e diversa música popular brasileira, com especial destaque à produção maranhense, além da formação de plateia.

Ative os lembretes e não perca as estreias.

Serviço: saraus online RicoChoro ComVida. Dias 29 e 30 de abril, às 18h, no canal do youtube RicoChoro Produções Culturais (cliquem nos vídeos acima para ativar lembretes). Com Regional Deu Branco, Totti Moreira, Rosa Reis, Grupo Tangará, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco.

Divulgação
Divulgação

Um sebo novo na ilha. Alvíssaras!

Os sócios Riba e Natan. Foto: Zema Ribeiro

 

Há mais de 10 anos entrevistei a saudosa Moema de Castro Alvim, então proprietária do sebo Papiros do Egito, para um trabalho de faculdade – o resultado viria a ser publicado depois, no Overmundo.

Naquela conversa – uma das muitas que tivemos ao longo de mais de 20 anos de amizade – ela alertou para uma equação que não fechava: enquanto faculdades particulares eram abertas, livrarias e sebos se fechavam.

A pulga atrás da orelha me acompanha até hoje.

São Luís é uma cidade que convive com vários títulos – ou apelidos, como queiram. Uns se justificam por si só. Outros acabam ganhando status de verdade de tanto se repetirem, na perspectiva de Goebells, ministro da propaganda nazista.

Um bom exemplo é a rixa entre os atenienses e jamaicanos locais. A meu ver a questão se encerra facilmente: enquanto quase ninguém lê, os clubes de reggae estão lotados – e não, a meu ver, uma coisa não inviabiliza a outra.

Acompanho há algum tempo o trabalho do professor Natan Máximo, que já teve sebo fixo no Centro da cidade (na Rua das Flores), mas que ultimamente tem literalmente montado a barraca em eventos culturais como o projeto RicoChoro ComVida na Praça, de que acompanhou boa parte das edições: enquanto o público prestigiava a boa música no palco, podia também adquirir livros, cds e vinis usados.

A barraca de Natan, com seu caráter agregador e a presença do sócio Riba (outro, não o do Poeme-se), acabou por ganhar o nome de Feira da Tralha, exibido na faixa na fachada do sebo – fixo – que ele e Riba (ambos na foto que abre este post) inauguram hoje, às 18h, no térreo do Edifício Colonial (sala 8, esquina das ruas Godofredo Viana com Sol, Centro).

A inauguração terá apresentação do Regional Deu Branco, formado por Cleiton Canhoto (violão sete cordas), Erivan Neri (flauta), Jamil Cartágenes (cavaquinho), Kleiton Groove (trombone) e Valdico Monteiro (pandeiro). O grupo terá as participações especiais de Joãozinho Ribeiro e Rosa Reis. Na ocasião serão vendidos caldo de sururu e cerveja.

É outra coisa de que há tempos me ressinto: não há um bar nas proximidades do Teatro Arthur Azevedo, para o caso de uma resenha regada a chope e bom papo, após este ou aquele espetáculo. A Feira da Tralha é um sebo, não um bar, mas poderá em parte preencher essa lacuna. Tomara!

De um modo ou de outro, é sempre motivo de comemoração a inauguração de um sebo, uma livraria, uma loja de discos, uma banca de revistas e estes estabelecimentos em extinção – ou melhor, na contramão.

Divulgação

Choro em dose dupla para celebrar aniversário de Pixinguinha

Celebração do Dia Nacional do Choro acontece na véspera, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Divulgação
Celebração do Dia Nacional do Choro acontece na véspera, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Divulgação

"Jornada Chorística do Maranhão" acontece em dois tempos no São Luís Shopping. Divulgação
“Jornada Chorística do Maranhão” acontece em dois tempos no São Luís Shopping. Divulgação

Como já é tradição nos calendários musical e cultural de São Luís, será comemorado o Dia Nacional do Choro, homenagem ao nascimento de Alfredo da Rocha Vianna Filho, o Pixinguinha (23/4/1897-17/2/1973), um dos mais importantes nomes do gênero e da música brasileira.

A data é celebrada a cada 23 de abril. A novidade em 2016 é que haverá duas festas: uma, a oficial, promovida pela Escola de Música do Estado do Maranhão Lilah Lisboa de Araújo (Emem), cujos corredores, tendo professores e alunos em várias formações, foram berço de diversos grupamentos. A segunda festa acontecerá na nova praça de alimentação do São Luís Shopping. Nesta, os músicos abriram mão de seus cachês, em favor do livro Chorografia do Maranhão, a ser lançado em breve. Ambos os acontecimentos são gratuitos e abertos ao público.

“Parte dos recursos para fazer o livro estão garantidos por edital da Fapema [a Fundação de Amparo à Pesquisa e Desenvolvimento Científico do Maranhão], outra parte foi arrecadada através de campanha de financiamento coletivo na internet, mais um pedaço está vindo da solidariedade dos músicos que se apresentarão no São Luís Shopping e há, ainda, promessas de empresas privadas. Ficamos muito felizes com a iniciativa do shopping e o gesto dos músicos. De pedacinho em pedacinho, a gente vai conseguindo contar estes importantes capítulos da história do choro e da música do Maranhão”, comenta Ricarte Almeida Santos, autor do livro, com este que vos perturba e o fotógrafo Rivanio Almeida Santos.

A programação da Emem acontece dia 22 (sexta-feira), às 18h, no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho (Praia Grande). Como em anos anteriores, a iniciativa homenageará um chorão local. Este ano será o bandolinista e cavaquinhista Roquinho, que curiosamente não está entre os 52 entrevistados pela Chorografia do Maranhão: o músico simplesmente negou-se a atender todos os insistentes pedidos de entrevista dos chororrepórteres – o que não lhe diminui o brilho, o talento e a importância para a cena choro local. O convite anuncia a “participação de instrumentistas, grupos de choro da cidade e artistas convidados”, destacando os grupos Instrumental Pixinguinha, Regional Tira-Teima, Chorando Callado e Os Cinco Companheiros.

No São Luís Shopping a comemoração acontece sábado (23), em dois turnos. A “Jornada Chorística do Maranhão”, como foi batizado o evento, terá o primeiro tempo ao meio dia, com Trio Feitiço da Ilha e Chico Nô, Suellen Almeida (flauta), Regional Deu Branco, Urubu Malandro e Instrumental Pixinguinha. O segundo tempo, que começa às 18h, contará com Os Cinco Companheiros, Quinteto Bom Tom e Anna Cláudia, Regional Camisa de Bolso, Trítono Trio, Danuzio Lima (flauta) e Regional Tira-Teima.

Do quintal ao municipal, como no título do livro de Henrique Cazes, e agora à praça de alimentação, o choro se renova e conquista novos espaços e público. Vida longa, com as bênçãos de São Pixinguinha.

Confira o encontro do Instrumental Pixinguinha com o Regional Tira-Teima em Cochichando [Pixinguinha/ João de Barro/ Alberto Ribeiro], durante a 8ª. Aldeia Sesc Guajajara de Artes em 2013.

Joãozinho Ribeiro encerra temporada na Feira da Tralha

[release]

Apresentação do compositor marca encerramento da temporada Milhões de Uns, de lançamento do cd homônimo

Joãozinho Ribeiro durante apresentação da temporada Milhões de Uns. Foto: Ton Bezerra
Joãozinho Ribeiro durante apresentação da temporada Milhões de Uns. Foto: Ton Bezerra

 

O compositor Joãozinho Ribeiro encerra a temporada Milhões de Uns, de lançamento de seu disco de estreia, homônimo, com show amanhã (27), às 19h30min, na Praça dos Catraieiros (Praia Grande). A apresentação integra a programação cultural da Feira da Tralha, evento organizado pelos Sebos Nas Canelas e Educare. A entrada é franca.

A ocupação cultural da praça ao lado da Casa do Maranhão tem como objetivos, segundo seus organizadores, contribuir para a revitalização da Praia Grande, prolongar a vida útil de uma série de objetos, gerar trabalho e renda para trabalhadores do segmento da economia criativa, além do comércio em si, de cds, dvds, vinis, livros usados, objetos de antiquário, artesanato, artigos de coleções, instrumentos musicais e equipamentos eletrônicos, entre outros.

A Feira da Tralha acontece todas as quintas e sextas, das 16h às 21h. As sextas, conta com a apresentação do Regional Deu Branco, um dos mais jovens grupamentos de choro de São Luís, formado por Bernardino Júnior (bandolim), Cleiton Canhoto (violão sete cordas), Dudu Lima (cavaquinho solo), Erivan Nery (flauta), Jamil Cartágenes (cavaquinho centro) e Valderson de Abreu (percussão).

Nesta sexta (27), o grupo abrirá o show Milhões de Uns, de Joãozinho Ribeiro, com a participação especial do duo Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões). Ele e os convidados serão acompanhados por Arlindo Carvalho (percussão), Arlindo Pipiu (contrabaixo), Danilo Santos (saxofone e flauta), Hugo Carafunim (trompete e flugel), Luiz Jr. (violão sete cordas), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Wanderson (percussão).

“É um prazer e um luxo poder contar com a participação do Criolina. Alê Muniz é um parceiro de longa data, e ao lado da Luciana forma um dos maiores acontecimentos da música produzida no Maranhão recentemente. Interessante também é poder contar com a presença da rapaziada do Deu Branco, valorosos garotos levando adiante o estandarte do choro”, afirmou o compositor.

Ele antecipa um balanço de 2015 e alguns projetos para 2016. “Este ano busquei conciliar a agenda de trabalho profissional com a profissão de fé da criação artística, dedicando-o a diversas apresentações, em vários palcos da cidade, ao lançamento do cd, registro que já era bastante cobrado por amigos e admiradores de nosso trabalho. Para ano que vem pretendo trabalhar no lançamento do segundo volume, além de lançar um segundo livro”, afirmou Joãozinho, que é funcionário público federal e professor universitário.

Autor de mais de 100 músicas, Joãozinho Ribeiro é um dos compositores mais gravados do Maranhão, tendo o nome em discos de artistas como Alê Muniz, Anna Cláudia, Célia Maria, Glad, Josias Sobrinho, Lena Machado e Rosa Reis. Em 2006 publicou Paisagem feita de tempo, livro-poema escrito em 1985. Milhões de Uns – vol. 1 é seu primeiro disco. Gravado ao vivo em duas noites no Teatro Arthur Azevedo, conta com as participações especiais de Alê Muniz, Célia Maria, Chico César, Chico Saldanha, Lena Machado, Milla Camões e Zeca Baleiro. Para o volume, Elba Ramalho gravou Asas da paixão em estúdio.

%d blogueiros gostam disto: