Espetáculo online relembra grandeza da era de ouro do rádio

[release]

O cantor Almeida Marcus. Foto: Almir Praseres. Divulgação

O espetáculo online “A era do rádio”, do cantor Almeida Marcus, é um primor. Tudo foi pensado de modo a garantir aos amantes de um repertório consolidado no inconsciente coletivo uma espécie de viagem no tempo – mas engana-se quem pensa que o show virtual vai agradar apenas a saudosistas. É também uma tentativa de aprofundar o interesse das novas gerações por gêneros como bolero, samba-canção, valsa, choro, fox etc.

Já na abertura a voz do produtor e mestre de cerimônias Ricarte Almeida Santos soa com um efeito para parecer envelhecida, como se gravada há décadas num acetato. Figurino e cenário (de Rivânio Almeida Santos) também colaboram para que o espectador se sinta em casa – como em casa se sentiam os frequentadores de bares e boates onde esse repertório era incansavelmente praticado ali pelos arredores do surgimento da bossa nova.

São duas horas de espetáculo, conduzido com maestria por Almeida Marcus, cuja intimidade com o repertório vem de berço: com sua avó Bibi, que o criou, o cantor aprendeu a gostar da sonoridade do período que empresta o título ao show, as décadas de 1940 a 60.

A dj Vanessa Serra abre “A era do rádio” criando a ambiência necessária para Almeida Marcus adentrar o estúdio ProAudio, onde o show foi gravado (direção e fotografia de Paulo do Vale). Ela desfila seu repertório a partir de sua coleção de vinis, com a habitual desenvoltura e gingado, um convite à dança, entre números instrumentais e pérolas do repertório de Nelson Gonçalves e Altemar Dutra.

O Conjunto Era de Ouro faz jus ao nome. Almeida Marcus escalou um timaço de feras para acompanhá-lo: Rui Mário (sanfona, teclados e direção musical), Daniel Cavalcanti (trompete), Tiago Fernandes (violão sete cordas), Cleuton Silva (contrabaixo), Fleming (bateria) e Marquinho Carcará (percussão).

Almeida Marcus não se prende ao óbvio: vai de Besame mucho (Consuelo Velasquez) e Quizás, quizás, quizás (Oswaldo Farrés) a Entre espumas (Roberto Müller), A volta do boêmio (Adelino Moreira) e Caminhemos (Herivelto Martins), as duas últimas hits do repertório de Nelson Gonçalves.

A cantora Célia Maria. Foto: Almir Praseres. Divulgação

Reconhecida como uma das mais belas vozes da música popular brasileira produzida no Maranhão, Célia Maria fez praticamente um show dentro do show. Uma participação digna do adjetivo especial, um desfile de pérolas: Hino ao amor (Edith Piaf/ Marguerite Monnot. Versão: Odair Marsano), Atiraste uma pedra (David Nasser/ Herivelto Martins), Alguém me disse (Jair Amorim/ Evaldo Gouveia), Manhã de carnaval (Luiz Bonfá/ Antonio Maria) e Carinhoso (Pixinguinha/ João de Barro), cantada em dueto com o anfitrião.

Antes e depois da diva, Vanessa ainda pilotou suas pick-ups, transpondo o limite da era de ouro, ao lembrar clássicos como Fitipaldiando (Oberdan Oliveira), sucesso de Nonato e Seu Conjunto, e A raposa e as uvas (Reginaldo Rossi).

Almeida Marcus está ansioso por retornar aos palcos. Enquanto isto não é possível, caprichou: não há nada fora do lugar em “A era do rádio”. Antes de encerrar o cantor desfilou ainda sucessos como Nada além (Custódio Mesquita/ Mário Lago), Anos dourados (Tom Jobim/ Chico Buarque), Nervos de aço (Lupicínio Rodrigues) e Perfídia (Alberto Dominguez. Versão: Lamartine Babo), clássico absoluto em qualquer seresta que se preze.

“A era do rádio” tem patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, cujos recursos no Maranhão são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). O vídeo será disponibilizado hoje (15), às 18h, no canal RicoChoro ComVida no youtube.

Flávia Bittencourt é a convidada da penúltima edição de RicoChoro ComVida

[release]

Quinta edição do projeto terá ainda Quarteto Instrumental e Paulo do Vale

O talento e o carisma de Flávia Bittencourt. Foto: João Rocha
O talento e o carisma de Flávia Bittencourt. Foto: João Rocha

 

A penúltima edição do projeto RicoChoro ComVida em 2015 acontece amanhã (21), às 18h, no Bar e Restaurante Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande). A noite terá como atrações o pesquisador Paulo do Vale – que prefere não ser chamado de dj –, o Quarteto Instrumental e a cantora Flávia Bittencourt.

“Para nós é uma honra poder contar com a presença de Flávia Bittencourt no palco do RicoChoro ComVida, ela que é hoje uma cantora nacionalmente reconhecida, mas que nunca esqueceu de suas raízes, sempre reverenciando os mestres da música popular produzida no Maranhão”, declarou Ricarte Almeida Santos, produtor do projeto.

A cantora tem três discos lançados: Sentido (2005), Todo Domingos (2009) e No Movimento (2014). O primeiro reuniu, entre os compositores gravados por ela, Josias Sobrinho [Terra de Noel, incluída na trilha sonora da novela global América], Cesar Teixeira [Dolores e Flor do Mal, com participação especial de Renato Braz], Chico Maranhão [Ponto de Fuga e Vassourinha Meaçaba], Zeca Baleiro [Berê] e Martinho da Vila [Ex-amor, com trecho em castelhano vertido por Natalia Mallo], entre outros; o segundo é dedicado ao repertório de Dominguinhos, que havia feito uma participação especial com sua sanfona no disco de estreia da artista; no mais recente, ela deixou aflorar sua veia de compositora, além de registrar gravações para projetos especiais, caso da versão voz e violão para Mar de rosas [versão de Rossini Pinto para Rose Garden, de Joe South], hit dos Fevers, e a gravação de Parangolé (Cesar Teixeira) com participação especial de Zeca Baleiro.

O Quarteto Instrumental reuniu-se especialmente para recebê-la no palco do Barulhinho Bom. João Neto (flauta), Luiz Cláudio (percussão), Luiz Jr. (violão sete cordas) e Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) prometem um repertório de choro com uma pegada vibrante, mesclando clássicos do gênero a células da cultura popular do Maranhão, além de números autorais. No primeiro time, nomes como Severino Araújo, Ernesto Nazareth, Pixinguinha e Jacob do Bandolim, entre outros.

“São quatro dos mais requisitados músicos da cena musical maranhense, não apenas a chorística. Luiz Jr., por exemplo, esteve recentemente acompanhando a compositora Patativa, no lançamento de seu disco no Sesc Pompeia, em São Paulo”, atesta Ricarte.

Com atuação profissional em fotografia e cinema, campos em que seu talento é largamente reconhecido, não é comum ver Paulo do Vale atuar como dj, título que ele rejeita, em respeito aos profissionais da área. Ao projeto RicoChoro ComVida ele abre uma exceção e, antes e depois das apresentações do Quarteto Instrumental e Flávia Bittencourt, mostrará ao público o fruto de suas pesquisas e coleção.

Produção de RicoMar Produções Artísticas, RicoChoro ComVida tem patrocínio da Fundação Municipal de Cultura (Func), Gabinete do Deputado Bira do Pindaré, TVN e Galeteria Ilha Super, e apoio do Restaurante Barulhinho Bom, Calado e Corrêa Advogados Associados, Sonora Studio, Clube do Choro do Maranhão, Gráfica Dunas, Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt e Musika S.A. Produções Artísticas.

Serviço

O quê: RicoChoro ComVida – 5ª. Edição.
Quem: Quarteto Instrumental, Flávia Bittencourt e Paulo do Vale.
Quando: dia 21 de novembro (sábado), às 18h.
Onde: Barulhinho Bom (Rua da Palma, 217, Praia Grande).
Quanto: R$ 30,00 (reserva de mesas pelo telefone (98) 988265617).

%d blogueiros gostam disto: