Arquivo da tag: neto myller

Pedra que rola não cria limo

[Íntegra da matéria publicada ontem no jornal O Imparcial]

A cena reggae do Maranhão em diálogo com três especialistas no assunto: Joaquim Zion, Neto Myller e Otávio Rodrigues. Os três concordam: o reggae aqui é único no mundo

A partir da década de 1970 o reggae popularizou-se no Maranhão, configurando-se importante fenômeno de massas, apesar da indústria, da crítica e da língua jogarem contra. Algumas possibilidades são apontadas, mas ninguém sabe ao certo como um ritmo estrangeiro, cantado em língua idem, quase nunca entendido pelos que, na origem, lotavam os salões, ganhou a preferência local da rapaziada que buscava diversão barata, sobretudo nos fins de semana.

No recém-relançado Da terra das primaveras à ilha do amor: reggae, lazer e identidade cultural [Edufma, 1995; Pitomba, 2016], Carlos Benedito Rodrigues da Silva, mais conhecido pelas alcunhas de Professor Carlão ou Carlão Rastafari, conta histórias que beiram o anedótico, embora frutos de pesquisa séria. Por exemplo, colecionadores que compravam todos os exemplares de um único disco ou mesmo um artista que, em visita à Jamaica, riscou todos os seus discos tendo em vista garantir a exclusividade de um dono de radiola nos salões da ilha.

Muitas lendas envolvem a expansão do fenômeno reggae no Maranhão, o que levou a capital, São Luís, a receber o epíteto de Jamaica brasileira, para alegria da massa regueira e desgosto daqueles cujo farol ainda mira(-se no exemplo de) Athenas.

Indagado se concorda com a alcunha, o jornalista, produtor e DJ Ademar Danilo não teme soar imodesto: “eu que botei este apelido”. Mais uma lenda ou não, o hoje apresentador do África Brasil Caribe, na Rádio Difusora, é um nome fundamental para a popularização do reggae por aqui nos últimos 30 anos.

O DJ Neto Myller. Foto: divulgação
O DJ Neto Myller. Foto: divulgação

Entre as principais mudanças na cena no período, o DJ Neto Myller, residente do Chamamaré (Ponta d’Areia), onde se apresenta aos domingos, destaca: “o público em geral há 30 anos para o que é hoje e também os locais onde são feitas as festas de reggae: ficou mais elite [risos]”, afirma, referindo-se a certo embranquecimento e aburguesamento dos ambientes onde se toca reggae.

Otávio Rodrigues, o Doctor Reggae. Foto: divulgação
Otávio Rodrigues, o Doctor Reggae. Foto: divulgação

O jornalista, pesquisador e DJ Otávio Rodrigues, não à toa conhecido como Doctor Reggae, foi o primeiro a levar o reggae às ondas do rádio no Brasil, tendo produzido e apresentado na Excelsior FM, entre 1982 e 83, o Roots, Rock, Reggae, com direção geral de Maurício Kubrusly. Morando em São Paulo, ele continua de olho na cena do Maranhão, “não como antes”, reconhece, referindo-se ao período em que morou aqui, quando produziu e apresentou programas como Rádio Reggae (Mirante FM) e Bumba Beat (Mirante e Universidade FM).

Mesmo de longe, ele também aponta mudanças. “Vou tentar desenhar uma das linhas possíveis, me apoiando na tecnologia/comunicação: 1) tape-deck, anos 1970, quando se torna possível copiar o disco do meu amigo e eu mesmo fazer uma festa; 2) rádio, anos 1980, programas bons, que divulgavam as músicas e, alguns, até a cultura por trás delas; 3) DJ de frente, anos 1990, porque implicou no desenvolvimento deles como comunicadores; e 4) computador caseiro, programas de edição, anos 2000, porque permitiu aos maranhenses produzir as músicas localmente”, enumera.

O DJ Joaquim Zion. Foto: divulgação
O DJ Joaquim Zion. Foto: divulgação

Joaquim Zion, DJ residente do Porto da Gabi, onde se apresenta há quase quatro anos, na Sexta do Vinil, destaca o fortalecimento da cena roots reggae na capital maranhense. “Um movimento contrário às grandes radiolas que tocam quase que exclusivamente reggae eletrônico, o surgimento de muitos bares de roots reggae e o aparecimento de centenas de DJs, homens e mulheres, fortalecendo assim a cena do reggae na ilha”, aponta.

O reggae também ganhou a academia. Diversos estudos têm se dedicado ao gênero jamaicano, o que acaba por contribuir para a superação de preconceitos. Livros como Onde o reggae é a lei [Edufma/Pitomba, 2013], de Karla Freire, e O reggae no Caribe brasileiro [Edufma/Pitomba, 2014], de Ramusyo Brasil – além do já citado Da terra das primaveras à ilha do amor –, deram importante contribuição para a compreensão do fenômeno – ou ao menos de parte dele.

“Bons, muito bons esse livros! Têm pegada acadêmica, portanto são seriíssimos, no sentido de pesquisa bem feita, ideias comparadas, refletidas, bem organizadas. Essas obras jamais matam a cobra sem mostrar o pau (e a pedra, no caso). Devo ao Carlão e sua obra pioneira e prima boa parte do que aprendi sobre o reggae e a cultura maranhense – eu e todo mundo”, elogia Otávio Rodrigues.

Obras que certamente contribuíram para a diminuição do preconceito contra o reggae e os regueiros. “O preconceito ainda existe, mas diminuiu bastante”, avalia Neto Myller. Joaquim Zion aprofunda a questão. “O preconceito com o reggae acho que nunca vai acabar, aqui principalmente. O Brasil é um país profundamente racista, e a imensa maioria que frequenta o reggae, principalmente aqui na nossa ilha, é de negros e negras. Historicamente a polícia sempre viu esses agrupamentos de pessoas ouvindo reggae com preconceito. É claro que já melhorou bastante, mas ainda somos perseguidos”, aponta.

Para Otávio Rodrigues o preconceito não foi superado. “Apoiada no comércio de cervejas, alimentada por rixa entre torcidas de radiolas, exposta à falta de segurança, entre outros aspectos, a cena maranhense acaba associada ao que há de pior, a despeito de ser uma conquista – e um legado. Também percebo preconceito interno, que separa a “turma do vinil” da “turma da radiola”, um fenômeno que, paradoxalmente também une. Precisa é fortalecer esse último verbo”, conclama.

Uma coisa não é lenda nem ufanismo: o reggae praticado por aqui é único no mundo. “Aqui no Maranhão desenvolvemos um jeito diferente na forma de dançar e também no estilo das músicas que tocam no salão. Aqui gostamos de um estilo que chamamos de reggae roots, pra dançar agarradinho; os jamaicanos chamam essa batida de one drop, que foi o estilo que marcou e marca a nossa ilha”, afirma Joaquim Zion. A particularidade do “dançar agarradinho” também é apontada por Neto Myller.

Otávio Rodrigues arremata: “é original e único, no Brasil e no mundo, especialmente quando falamos daquele feito por produtores e artistas emergentes locais (eventualmente jamaicanos da antiga entre eles) com o propósito primordial de tocar em radiolas. Eu chamo de breggae, elogiosamente, por perceber aí traços do outro gênero dançante no que diz respeito a sua difusão entre as massas, o apelo romântico, a simplicidade nos arranjos, entre outros aspectos importantes. Tomando-se a variedade da música jamaicana, observa-se que foi exatamente um tipo de reggae mais rural, por vezes até rústico, natural entre artistas que vinham do interior do país em busca de oportunidades na capital, que mais colaborou na formação estética do gosto maranhense ao longo dos anos 1980 e 1990. Não admira que os meninos das periferias de São Luís, tão logo colocaram as mãos nas ferramentas certas, tenham desenvolvido um reggae diferente de qualquer outro, ainda que buscando fazer igual. Essa percepção da originalidade do reggae maranhense – o breggae – não é unicamente minha. Meus amigos gringos, grandes conhecedores do assunto, confirmam (e ficam de cara): não tem igual no mundo!”.

Profissão: cantora

ALBERTO JR.*
ESPECIAL PARA ESTE BLOGUE

Dicy Rocha: "ser cantora é um exercício profissional e uma missão espiritual a ser cumprida"

Numa repartição pública como outra qualquer de São Luís, em meio a papéis e burocracias institucionais, o funcionário fez-lhe a pergunta de praxe: “Profissão?”. A resposta soou como novidade e espanto para ele que estava acostumado em carimbar documentos de profissionais dos mais diversos. Nunca tinha lhe aparecido uma cantora. E a cantora, no caso, era Dicy Rocha.

No imaginário daquele funcionário as cantoras são como sereias midiáticas que só se manifestam no palco, no rádio ou na televisão. Quem diria que uma jovem negra, de olhos graúdos e voz doce chegasse num dia de semana qualquer requerendo o reconhecimento de sua atividade profissional, como se fosse uma operária ou artesã no ofício de cantar.

Para ela, ser cantora é um exercício profissional e uma missão espiritual a ser cumprida. Não há grandes sonhos ou fantasias almejadas. O que existe de fato é uma força muito grande e a responsabilidade de que seu canto e sua música promovam encontros e afetos. Sua arte não está a serviço do mercado, passa por ele e o transcende.

Projeto Sexta do Vinil – Para a apresentação de amanhã (6), no Porto da Gabi, Dicy Rocha preparou um repertório pelo Dia de Santos Reis. Além das canções já conhecidas do público, algumas novidades e encontros musicais darão o tom especial da noite. Acompanhando a cantora estarão os músicos João Simas (violão), Davi Oliveira (baixo), Isaías Alves (bateria) e João Neto (flauta e cavaquinho).

Além deles, duas participações especiais: o percussionista moçambicano Jorge Paco, que está de passagem por São Luís, e que apresentará no palco os timbres e ritmos africanos, e também o mestre Josemar Ribeiro, percussionista maranhense dos mais renomados e um dos pioneiros da Companhia Barrica, que volta aos palcos após um hiato de alguns anos sem tocar. Ele é marido da Gabi proprietária da casa.

O show faz parte do projeto Sexta do Vinil, que acontece todas as sextas no Bar Porto da Gabi, localizado no Aterro do Bacanga, sempre com discotecagem da equipe de som da Rádio Zion e Radiola Reggae, na presença dos djs Joaquim Zion, Marcus Vinícius e Neto Myller, e com participação de artistas convidados.

Carreira – No ano que findou, o nome de Dicy provocou muita curiosidade nos ouvidos mais atentos e sensíveis da cidade. Alguns ainda teimam em confundir sua pronúncia inserindo um ‘erre’ ou alterando o som da sílaba tônica. Outros falam no nome como se fosse verbo, sinônimo de quem tem o que dizer (cantar).

Do aparecimento de sua voz para o público, junto com o grupo vocal Flor de Cactos, em festivais de música organizados pelo cantor Wilson Zara, até o seu mais recente projeto, Negra Melodia, nas noites do bar Odeon Sabor e Arte, a cantora vem experimentando um repertório de canções brasileiras que ressaltam a identidade negra e a música do campo, buscando o diálogo entre gerações diferentes de músicos e compositores.

Recentemente, a cantora recebeu o troféu de “talento da noite” pelo Prêmio Universidade FM. Um reconhecimento dado por um público que já é cativo e renovado a cada apresentação. Ela agradeceu dizendo: “Chegou um momento da minha vida que eu tive que fazer duas opções: cantar ou cantar”, reforçando a canção de Caetano que diz: “o certo é ser gente linda e cantar. O certo é fazendo música”.

Dicy está em processo de gravação do seu primeiro álbum, com produção do músico espanhol Javier Sirera León. Contemplada com os editais de 2011 da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (SECMA) e do Banco do Nordeste (BNB), a previsão para que o disco seja finalizado e lançado é até julho deste ano.

Quem tiver ouvidos que ouça o som de Dicy Rocha, amanhã à noite, no Bar Porto da Gabi.

*Alberto Jr. é radialista

SERVIÇO

Projeto Sexta do Vinil | Show de Dicy Rocha e Banda | Discotecagem da Rádio Zion e Radiola Reggae | Dia 6 de janeiro (sexta), 22h | Bar Porto da Gabi, Aterro do Bacanga | Entrada: R$ 10,00 | Maiores informações: (98) 8849-9016.