Arquivo da tag: livro-disco

Cerol é com c ou com s?

Foi a pergunta que fiz, até em tom de brincadeira, ao poeta Celso Borges, por telefone, na manhã quente desta quinta-feira-feriado. Recebi dele, por e-mail, com a singela intimação “eu quero é ver tu não ir. Te vira!”, fina ironia por tantos furos recentes, a imagem que ilustra este post, e-flyer que divulga sua próxima subida ao palco, acompanhado do poeta-músico-dj Beto Ehongue (eles já apresentaram juntos A palavra voando).

À leitura do título do espetáculo, me veio à cabeça o martelar da dúvida de quem tem uma razoável coleção de discos: pergunto à minha esposa se ela lembra de alguma música que fala em cerol (serol?). Ela diz que não e eu retruco um “mas eu tenho” e fico em dúvida sobre em que disco encontrá-la, já olhando para uma das estantes.

Cerol (serol?), cerol (serol?), cerol (serol?)… A palavra-dúvida ecoava em minha cabeça. “Cerol (serol?) foi feito pra cortar”, me veio o verso, matei a charada: era Pedra de cantarei, poemúsica de XXI (2000), primeiro livro-disco de Celso Borges.

Há palavras que de tanto falarmos (desde a infância), nunca escrevemos. “Cerol é com c ou com s?” “Com c, de cera”, me responde o poeta ao telefone. “Mas no XXI tá com s, ‘serol foi feito pra cortar'”, retruco, lendo o verso. “Lá ‘tá errado. Cerol é com c, não é, galera?”, ele responde, perguntando ao bando com que andava.

“pedra de cantarei/ o futuro ao deus dará o futuro sem deus/ serei serás/ serol foi feito pra cortar/ matei e cortei o passado papagaio presente/ lá vai!// pedra de cantarei/ meu futuro a mim pertence/ iris arco do non sense/ vídeo-rei/ eu não errei/ meu coração de charlie brown/ ninguém sabe onde foi dar/ só eu sei/ pedra de cantarei”, a voz de Zeca Baleiro no poema de Celso Borges com música assinada por ambos, a 42ª. faixa de XXI.

Não fui ao Aurélio matar a dúvida. Entre o C e o S cabe Celso BorgeS e sua Poesia com P maiúsculo.