Choro em dose dupla, nesta sexta e sábado

[release]

Saraus online do projeto RicoChoro ComVida estreiam dias 29 e 30, às 18h, com os grupos Deu Branco e Tangará, e os cantores Totti Moreira, Rosa Reis, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco

O encontro de gêneros e gerações de Totti Moreira, Rosa Reis e Regional Deu Branco. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação
Choro, samba e Maranhão: diálogo e reverência no encontro de Zeca do Cavaco, Nivaldo Santos e Grupo Tangará. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação

Enquanto aguarda o fim do período chuvoso na ilha capital, a produção dos saraus RicoChoro ComVida segue trabalhando. Ano passado realizou três concorridas edições presenciais do sarau, na bela paisagem que é o jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (Rua do Sol, 302, Centro). Ainda ano passado também realizou a gravação de dois saraus online, com patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, através da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). Os saraus foram gravados no estúdio ProAudio, sem plateia – eventuais aplausos ouvidos na gravação são da própria equipe técnica dos espetáculos –, e a captação de imagens foi feita pelo cineasta Paulo do Vale e equipe.

Estes dois saraus vão ao ar dias 29 e 30 de abril, respectivamente, sempre às 18h, no canal do youtube da RicoChoro Produções Culturais, que realiza o evento. “É um evento online, gravado ainda num momento de instabilidade da pandemia, que chegou a permitir que realizássemos saraus presenciais, com todos os cuidados, mas que voltou à carga, depois, fazendo com que tornássemos a nos recolher. No entanto, preserva o autêntico clima de uma roda de choro. A gente optou inclusive por não retocar o áudio das gravações, mantendo certo clima um clima de autenticidade, apesar de eventuais imperfeições”, anuncia o produtor Ricarte Almeida Santos.

No primeiro sarau, as atrações são o Regional Deu Branco, que tem como convidados o cantor e compositor Totti Moreira e a cantora Rosa Reis. O Deu Branco é formado por Paulo Araújo (violão sete cordas), Jamil Cartágenes (cavaquinho), Valdico Monteiro (pandeiro), Erivan Nélio (flauta) e Cleiton Groove (trombone).

O repertório do grupo passeou por clássicos do choro, de autores como Tom Jobim (“Só danço samba”), Joaquim Callado (“Flor amorosa”) e Raul de Barros (“Na Glória”), além dos maranhenses Catulo da Paixão Cearense (“Ontem ao luar”), Antonio Vieira (“Tem quem queira”), Osmar do Trombone (“Saudades de Tororoma”), Nuna Gomes (“Um sorriso”), além de Didã (“Banca de honestidade”).

Seu primeiro convidado, o cantor e compositor Totti Moreira, um dos destaques da nova geração da música popular brasileira produzida no Maranhão, revelou a “alegria em estar no projeto e poder colocar sua música em diálogo com o choro, uma escola que só somou em sua produção autoral”.

De sua autoria, em seu repertório, destaques para a autobiográfica “Passe gol”, que lembra as peladas de rua disputadas na infância, “Golpe na tristeza”, com clara influência da bossa nova, e “Minha viola”.

Rosa Reis afirmou que “o samba já vem enraizado desde quando eu fazia o show “Fuzarca” [com Fátima Passarinho, Inácio Pinheiro, Cláudio Pinheiro e Roberto Brandão], onde eu tive a oportunidade de conhecer vários compositores do samba tradicional, como Cristóvão [Alô Brasil] e Patativa”. Para citar outro exemplo de sua intimidade com o samba, a cantora foi a primeira a gravar “Nós” (Tião Carvalho), antes do sucesso nacional de Cássia Eller.

Seu repertório privilegiou o samba e o choro maranhenses, em interpretações de “Meu samba choro” (Chico Maranhão), “Cachaça apanhou” (Antonio Vieira/ Lopes Bogéa) e “Santo guerreiro” (Patativa), com participação especial de Totti. A exceção foi “Fadas” (Luiz Melodia)

Segundo sarau – Com seu nome de pássaro, o Grupo Tangará sobrevoou com elegância um repertório impecável, formado por clássicos como “Receita de samba” (Jacob do Bandolim), “Sonoroso” (K-Ximbinho/ Del Loro), “Doce de coco” (Jacob do Bandolim) e “Carioquinha” (Waldir Azevedo), coisa para chorão nenhum botar defeito.

O Tangará é formado por Vitor Santana (bandolim), Suellen Almeida (flauta), Valdico Monteiro (pandeiro), Gustavo Belan (cavaquinho) e Tiago Fernandes (violão sete cordas). O grupo teve como convidados dois nomes de destaque no universo do samba e do choro do Maranhão: o sambista Nivaldo Santos e o cantor Zeca do Cavaco, cuja habilidade no instrumento lhe empresta o sobrenome artístico, embora ele tenha apenas cantado em sua apresentação.

“Já nascemos musicais, nascer nesse estado tão rico de cultura, eu vim de uma família festeira, meu pai, vivo até hoje, graças a Deus, nos ensinou o gosto pela boa música e sempre influenciou a gente. A gente começou a participar de encontros, rodas de samba, festas de família, a gente foi se identificando e gostando e aí surgiu o sambista Nivaldo Santos”, comentou o primeiro convidado sobre seu fazer do samba uma profissão de fé.

Seu repertório foi de Chico Maranhão (“Ponto de fuga”) a Ismael Silva (“Se você jurar”), passando por Sérgio Habibe (“Ponteira”) a Pixinguinha (“Yaô”) e Joãozinho Ribeiro (“Asas da paixão”). Nivaldo cantou ainda “Banca de honestidade” (Didã), executada em versão instrumental no primeiro sarau – em comum, os grupos têm também o pandeirista.

Depois era a vez de Zeca do Cavaco, não raramente apontado como uma das mais belas vozes da música popular produzida no Maranhão, com atenção especial ao choro e ao samba, filiado às escolas de Paulinho da Viola, Geraldo Pereira e Cesar Teixeira, para citar apenas uma trinca de sua predileção.

“Estou muito feliz em estar participando desse evento, desse movimento, e o prazer é maior ainda em ser acompanhado por este grupo Tangará, que eu já tive o prazer de conhecer, mas ainda não havia tido o prazer de cantar junto”, afirmou. “Eu tive a honra de conviver com alguns baluartes do samba e do choro, como Zé Hemetério, Gordo Elinaldo, toquei muito tempo e cantei também no Regional Tira-Teima, e depois me descobri intérprete, e comecei a caminhar por essa via da música”, revelou a sua filiação ao samba e ao choro.

Prestigiou repertório genuinamente maranhense e atacou de “Saiba, rapaz” (Joãozinho Ribeiro), “Mestre Orfila” (Cristóvão Alô Brasil), “Coração na voz” (Nosly/ Gerude/ Nonato Buzar), “Terra de Noel” (Josias Sobrinho), “Velho negro destemido” (Ricarte Almeida Santos/ Joãozinho Ribeiro) – homenagem a Nelson Sargento (1924-2021), sambista falecido aos 96 anos, por complicações da covid-19 – e “Cajueiro velho” (João Carlos Nazaré). Para fechar com chave de ouro, duetou com Nivaldo Santos na inédita “Sapo já foi na lua” (Cesar Teixeira).

O par de saraus que será disponibilizado nesta sexta (29) e sábado (30) se configura em um importante documento sonoro, ao realizar em sua feitura alguns dos propósitos do projeto RicoChoro ComVida, seja em formato presencial, seja em formato virtual: o encontro de gêneros e gerações, o diálogo do choro com outros ritmos da rica e diversa música popular brasileira, com especial destaque à produção maranhense, além da formação de plateia.

Ative os lembretes e não perca as estreias.

Serviço: saraus online RicoChoro ComVida. Dias 29 e 30 de abril, às 18h, no canal do youtube RicoChoro Produções Culturais (cliquem nos vídeos acima para ativar lembretes). Com Regional Deu Branco, Totti Moreira, Rosa Reis, Grupo Tangará, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco.

Divulgação
Divulgação

Sarau “Vinil & Poesia” retoma encontros com audição do vinil homônimo

[release]

O endereço da tertúlia poético-musical é o Ramiro’s Gastrobar; na reestreia Vanessa Serra terá como convidados o Joaquim Zion, Eloy Melônio, Dicy e Marcos Magah

A dj coruja e seu rebento. Foto: Alberto Jr./ Divulgação

É difícil metaforizar a trajetória da dj Vanessa Serra na cena das artes, cultura e entretenimento em São Luís. Dizer meteórica é pouco, por que em geral um meteoro passa ou destrói. E ela, em pouco menos de meia década de atuação, provou que veio para ficar, que nasceu para isso.

Jornalista experimentada, com atuação no segmento cultural, incluindo produções, ela aliou a bagagem acumulada ao longo destes anos de experiência com sua nova paixão, nova é modo de dizer, sua paixão recém-descoberta ou redescoberta, melhor classificar assim. Embora classificar também não seja bem o verbo, já que em seus sets ela passeia por todas as bossas, de boleros da era de ouro do rádio a novidades quentes lançadas após o revival do vinil.

O que é necessário dizer é que Vanessa Serra tem familiaridade com o métier e aqui, sim, a palavra cabe bem: seu envolvimento com a diversidade musical brasileira, mas não só, vem de berço. Das festas nos quintais das casas de família e de suas vastas coleções de discos de vinil – parte ela acabou herdando de gente que foi se desinteressando, fruto dos processos de digitalização, com o avanço do streaming –, duma época nem tão longínqua em que todos os brasileiros esperavam pelo Natal contando também com a chegada do disco novo de Roberto Carlos.

Vanessa Serra foi cavando uns espaços e inventando outros. Havia sentado em outras praças para a tertúlia semanal, com uma premissa bastante simples: ela tocaria seus vinis, animando a noite dos presentes, que poderiam fazer uso do microfone para recitar poemas – autorais, de poetas prediletos e malditos, citados de memória ou lidos em livros que ela também levava para estimular o diálogo com a plateia.

A ideia vingou e evoluiu e logo ela passava a receber um convidado por semana, da música ou da poesia. Então veio a pandemia e o sarau passou a ser online e nisso ela se reinventou também. Sua Alvorada, nas manhãs de domingo, é um dos eventos mais bem sucedidos em termos de audiência (e fidelidade desta) ao longo do confinamento a que ainda estamos parcialmente obrigados.

A cadeia produtiva da cultura foi uma das mais atingidas pela pandemia do novo coronavírus: de repente artistas, técnicos de som, roadies e toda uma fauna de profissionais do setor se viram sem condições e oportunidades de trabalho e sem a possibilidade de contato com o público.

Após muita pressão popular e tensos debates no congresso nacional, foi aprovada a Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, cujo batismo homenageia um compositor e cronista sempre crítico deste triste estado de coisas, não à toa autor de um sem número de composições que invariavelmente comparecem aos bailes presenciais e virtuais de Vanessinha, como ela é comumente chamada pelos amigos.

Através de seleção em edital da citada lei, Vanessa Serra aprovou o projeto “Vinil & Poesia”, nome do sarau interrompido pela pandemia, e gravou o disco homônimo – também disponível nas plataformas de streaming –, produzido por ela, que reúne uma constelação de astros e estrelas da música e poesia produzidas no Maranhão.

Uma live de lançamento chegou a ser realizada no final do ano passado. Era o possível para o momento. O vinil não havia chegado, por atraso na fábrica, mais um fruto da pandemia, fazer o quê?

“Esperar não precisa mais”, como diz o compositor: é chegada a hora de uma audição presencial de “Vinil & Poesia”, na retomada do sarau que lhe emprestou o nome. Na tarde de hoje (2), haverá edição especial do sarau “Vinil & Poesia”, com os djs Vanessa Serra e Joaquim Zion, e participações do poeta Eloy Melônio e dos cantores Dicy e Marcos Magah. O reencontro acontece no charmoso Ramiro’s Gastrobar (Rua Aziz Heluy, 350, São Marcos), a partir de 16h. O áudio e técnica estão a cargo de Capella Sonorizações.

Serviço

O quê: sarau “Vinil & Poesia”, com audição do vinil homônimo
Quem: a dj Vanessa Serra e convidados
Quando: sábado (2), às 16h
Onde: Ramiro’s Gastrobar (Rua Aziz Heluy, 350, São Marcos)
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual)
Outras informações e reservas: @ramiros.gastrobar/ @vinilepoesia/ @vanessaserrah

*

Ouça “Vinil & Poesia”:

TV Guará veiculará Tributo a Raul Seixas nesta sexta-feira (22)

[release]

Live de Wilson Zara e banda teve transmissão em dezembro pelo youtube e redes sociais

Tributo a Raul Seixas. Frames. Reprodução

Para deleite do fã clube raulseixista, em 2020 o Maluco Beleza não deixou de receber sua homenagem, com o tributo anual que Wilson Zara tradicionalmente lhe presta. Apesar de 2020 entrar pra história como o ano em que a Terra parou, aumentando a profecia do roqueiro baiano, um show em formato live, realizado e transmitido ao vivo a partir dos estúdios da TV Guará saciou a sede daqueles que sempre ousam gritar “toca Raul!”.

Em quase três horas de live, veiculada pelo canal da TV Guará no youtube e pelas redes sociais do cantor, Wilson Zara passeou pelas diversas fases da curta mas profícua carreira de Raulzito, que nasceu em 28 de junho de 1945 e faleceu, em decorrência de pancreatite, em 21 de agosto de 1989 – dois dias antes, lançara “A panela do diabo”, seu último disco, dividido com Marcelo Nova (vocalista, guitarrista e compositor da banda Camisa de Vênus), com quem fez também sua última turnê pelo Brasil.

Na ocasião, Wilson Zara (voz e violão), se fez acompanhar de Moisés Profeta (guitarra e efeitos), Mauro Izzy (contrabaixo), Marjone (bateria), Dicy e Heline (vocais). No repertório, clássicos de Raul Seixas, a exemplo de “Cowboy fora da lei”, “Medo da chuva”, “Sapato 36”, “Tu és o MDC da minha vida”, “Sessão das 10” e “O dia em que a Terra parou”, entre muitos outros.

Patrocinada com recursos da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), a live teve apresentação de Danilo Quixaba, que, em meio ao repertório, bateu um papo descontraído com Wilson Zara, destacando aspectos da vida e obra de Raul Seixas.

O público, acostumado, nos últimos anos, a lotar praças públicas por onde Zara apresentou o tributo, este ano teve que se contentar com a apresentação em formato online. “Fiquei muito satisfeito com o engajamento do público. O vídeo foi muito visualizado, curtido, compartilhado, comentado, o que fez a gente se sentir diante de uma praça cheia, mesmo sem poder ouvir os aplausos”, comentou Wilson Zara.

Serviço – O Tributo a Raul Seixas será veiculado nesta sexta-feira (22), às 22h30, pela TV Guará (canal 23.1 na tevê aberta; 21 na TVN; 323 na Sky HD; e 23 na Net).

Assista à íntegra do Tributo a Raul Seixas no youtube:

%d blogueiros gostam disto: