Tensões e obsessões

Cena de Para minha amada morta. Frame. Reprodução
Cena de Para minha amada morta. Frame. Reprodução

 

Viúvo que cria sozinho o filho pequeno, Fernando (Fernando Alves Pinto) é um advogado que ganha a vida num emprego que detesta: fotógrafo da polícia, fazendo os clássicos retratos de frente e perfil de detidos portando seu número de identificação ou cadáveres frescos na cena do crime.

Ele tem uma estranha obsessão por objetos de sua esposa morta: vive a lustrar joias, engomar vestidos (com que dorme abraçado), limpar sapatos e pô-los para pegar sol. Ao ir até o antigo escritório dela, também advogada, traz consigo mais uma pilha de pertences da mulher, incluindo uma sacola de fitas VHS.

Em meio a elas o fumante inveterado descobre ter sido traído e resolve investigar o passado da esposa, trocando uma estranha obsessão por outra, perigosa. A partir daí instala-se um clima de tensão permanente.

O labirinto de incertezas em que o espectador é jogado em Para minha amada morta [drama, Brasil, 2015, 105 min.] é tão bem urdido que em várias cenas somos pegos tentando adivinhar – e errando – qual será o próximo passo dado pelo protagonista.

Fernando se vale de sua função na polícia para obter dados sobre o amante de sua falecida esposa, anda armado e a cada esquina do filme esperamos um crime motivado por vingança – o que não acontece. Não é vingança o que Fernando quer, mas tentar entender o passado.

É a busca por esta espécie de acerto de contas que o leva ao convívio de Salvador (Lourinelson Vladmir), o amante da esposa morta, um ex-presidiário que buscou remissão em uma igreja evangélica na periferia em que vive com a mulher, duas filhas e um cachorro, onde Fernando vai parar.

Estreia do diretor Aly Muritiba em longa-metragem, Para minha amada morta é um drama com altas doses de suspense que foge de clichês. O filme foi premiado com sete candangos no 48º. Festival de Brasília, ano passado, incluindo os de melhor ator coadjuvante (Lourinelson Vladmir) e melhor direção.

Para minha amada morta pré-estreia no Maranhão na Tela, dia 24 de março, às 20h30, no Cine Praia Grande, em sessão gratuita e aberta ao público.

Homem de vícios antigos assistiu ao filme a convite da produção do festival.

%d blogueiros gostam disto: