Karla Castro lança hoje “Todo o meu sentimento através dos teus olhos”

Livro marca estreia da autora na poesia; noite de autógrafos acontece às 19h, no Reviver Hostel

Todo o meu sentimento através dos teus olhos. Capa. Reprodução

Conheci Karla Castro nas mesas dispostas na calçada da Feira da Tralha, saudoso sebo-bar do casal de amigos comuns Riba e Marly, paisagem afetiva e, infelizmente hoje saudosa (no formato bar presencial; o sebo continua atendendo pelo instagram), em geral escolhida para passar a régua no dia; em algumas noites, este repórter transmutava-se num arremedo de dj e, entre um gole e outro, a amizade se estabeleceu.

Se opto por iniciar este texto com declaração tão pessoal, é apenas para revelar minha surpresa ao descobrir outra faceta da fisioterapeuta cearense e professora universitária radicada no Maranhão há mais de 21 anos: a da poesia, ouro que ela entrega a quem interessar possa, com talento e honestidade em seu livro de estreia, “Todo o meu sentimento através dos teus olhos”, ilustrado por fotografias de Sílvia Estrela, que ela lança hoje (19), às 19h, no Reviver Hostel (Rua de Nazaré, 200, Centro).

Se antes Karla Castro escrevia – publicava, melhor dizendo – apenas artigos acadêmicos em sua área, ela adentra o terreno, ao mesmo tempo sagrado e profano da poesia, sem receios. Sua poesia tem um tom confessional e é marcada por referências: os acúmulos que nos tornam aquilo que somos. Música, fé, o feminino, a boemia, o onírico, lendas e contos de fadas, a própria poesia. Nada é jogo de cena.

No fim das contas, é um livro sobre o amor: o amor realizado, de um casal; o amor platônico; o amor pela poesia em si, traduzidos em títulos como “O engenho das sensações”, “Paixão”, “Até fazer morada”, “A rima, o amor e a poesia” ou “Autorretrato”.

Em “Letras absíntias”, desnuda-se por inteiro: “Porque a profundidade do mergulho,/ para onde suas letras absíntias me arrastam,/ desemboca em cálidos oceanos de lírios de sal/ que me desnudam despudoradamente/ e me fazem mergulhar descabida,/ e, mais profundamente ainda,/ tocando, com os meus pés vorazes,/ lugares do imaginário que,/ nem em sonho,/ tua escrita mais ousada arriscaria penetrar…”.

Desde o título – e da bela fotografia escolhida para capa, em que vimos, numa janela de um casarão em ruínas, um par de bonecos de pano – Karla Castro estabelece uma relação de troca e cumplicidade com o leitor, como se este fosse seu espelho e vice-versa.

Na noite de autógrafos haverá apresentações do Quarteto Ponto de Fuga e da dj Vanessa Serra, além de vários amigos lendo poemas do livro.

Espetáculo online relembra grandeza da era de ouro do rádio

[release]

O cantor Almeida Marcus. Foto: Almir Praseres. Divulgação

O espetáculo online “A era do rádio”, do cantor Almeida Marcus, é um primor. Tudo foi pensado de modo a garantir aos amantes de um repertório consolidado no inconsciente coletivo uma espécie de viagem no tempo – mas engana-se quem pensa que o show virtual vai agradar apenas a saudosistas. É também uma tentativa de aprofundar o interesse das novas gerações por gêneros como bolero, samba-canção, valsa, choro, fox etc.

Já na abertura a voz do produtor e mestre de cerimônias Ricarte Almeida Santos soa com um efeito para parecer envelhecida, como se gravada há décadas num acetato. Figurino e cenário (de Rivânio Almeida Santos) também colaboram para que o espectador se sinta em casa – como em casa se sentiam os frequentadores de bares e boates onde esse repertório era incansavelmente praticado ali pelos arredores do surgimento da bossa nova.

São duas horas de espetáculo, conduzido com maestria por Almeida Marcus, cuja intimidade com o repertório vem de berço: com sua avó Bibi, que o criou, o cantor aprendeu a gostar da sonoridade do período que empresta o título ao show, as décadas de 1940 a 60.

A dj Vanessa Serra abre “A era do rádio” criando a ambiência necessária para Almeida Marcus adentrar o estúdio ProAudio, onde o show foi gravado (direção e fotografia de Paulo do Vale). Ela desfila seu repertório a partir de sua coleção de vinis, com a habitual desenvoltura e gingado, um convite à dança, entre números instrumentais e pérolas do repertório de Nelson Gonçalves e Altemar Dutra.

O Conjunto Era de Ouro faz jus ao nome. Almeida Marcus escalou um timaço de feras para acompanhá-lo: Rui Mário (sanfona, teclados e direção musical), Daniel Cavalcanti (trompete), Tiago Fernandes (violão sete cordas), Cleuton Silva (contrabaixo), Fleming (bateria) e Marquinho Carcará (percussão).

Almeida Marcus não se prende ao óbvio: vai de Besame mucho (Consuelo Velasquez) e Quizás, quizás, quizás (Oswaldo Farrés) a Entre espumas (Roberto Müller), A volta do boêmio (Adelino Moreira) e Caminhemos (Herivelto Martins), as duas últimas hits do repertório de Nelson Gonçalves.

A cantora Célia Maria. Foto: Almir Praseres. Divulgação

Reconhecida como uma das mais belas vozes da música popular brasileira produzida no Maranhão, Célia Maria fez praticamente um show dentro do show. Uma participação digna do adjetivo especial, um desfile de pérolas: Hino ao amor (Edith Piaf/ Marguerite Monnot. Versão: Odair Marsano), Atiraste uma pedra (David Nasser/ Herivelto Martins), Alguém me disse (Jair Amorim/ Evaldo Gouveia), Manhã de carnaval (Luiz Bonfá/ Antonio Maria) e Carinhoso (Pixinguinha/ João de Barro), cantada em dueto com o anfitrião.

Antes e depois da diva, Vanessa ainda pilotou suas pick-ups, transpondo o limite da era de ouro, ao lembrar clássicos como Fitipaldiando (Oberdan Oliveira), sucesso de Nonato e Seu Conjunto, e A raposa e as uvas (Reginaldo Rossi).

Almeida Marcus está ansioso por retornar aos palcos. Enquanto isto não é possível, caprichou: não há nada fora do lugar em “A era do rádio”. Antes de encerrar o cantor desfilou ainda sucessos como Nada além (Custódio Mesquita/ Mário Lago), Anos dourados (Tom Jobim/ Chico Buarque), Nervos de aço (Lupicínio Rodrigues) e Perfídia (Alberto Dominguez. Versão: Lamartine Babo), clássico absoluto em qualquer seresta que se preze.

“A era do rádio” tem patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, cujos recursos no Maranhão são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). O vídeo será disponibilizado hoje (15), às 18h, no canal RicoChoro ComVida no youtube.

Um choro abolerado

[release]

Identificados com o universo brega, Marcos Magah e Walfredo Jair são os convidados do último sarau da temporada 2021 de RicoChoro ComVida; as outras atrações são o Quarteto Crivador e a dj Vanessa Serra

O cantor e compositor Marcos Magah. Foto: divulgação
O cantor Walfredo Jair, ídolo seresteiro. Foto: divulgação
A dj Vanessa Serra. Foto: divulgação

O constante estímulo ao diálogo entre diferentes gêneros musicais e gerações distintas é uma premissa do sarau RicoChoro ComVida desde sua origem – e até antes, em outros projetos idealizados e desenvolvidos por Ricarte Almeida Santos.

Puristas sempre torceram os narizes, mas essa estranheza e esse atrito acabam sendo vitamina para a cena musical, que se fortalece com estes encontros, às vezes inusitados.

Se Raul Seixas é hoje considerado um dos maiores nomes do rock nacional e, por que não dizer, da música popular brasileira, pouca gente sabe ou se lembra de que ele foi um dos inventores do brega como o conhecemos hoje, tendo sido guitarrista do disco de estreia de Odair José e fornecedor de sucessos para os repertórios de Diana e Jerry Adriani, entre outros.

Quem for ao sarau RicoChoro ComVida desta sexta-feira (26) vai entender do que se está falando. Marcos Magah e Walfredo Jair são os artistas convidados, ambos nomes identificados com a música brega, cada qual a seu modo. O segundo foi integrante de Os Fantoches, uma das maiores bandas de baile já surgidas em São Luís, e é nome de destaque na noite ludovicense, animando bares, restaurantes e casas noturnas com seu dançante repertório de boleros. O primeiro ajudou a consolidar a cena punk na capital maranhense, como integrante da banda Amnésia, tendo retomado à música alçando voo solo com o lançamento de “Z de vingança” em 2012, disco com pitadas de brega, rock e psicodelia.

Originalmente programado para acontecer no Largo da Igreja do Desterro, em reverência a Walfredo Jair, artista oriundo da região, o sarau RicoChoro ComVida de sexta-feira (26), às 18h, que encerra a temporada 2021 do projeto, terá como palco o mesmo cenário de suas duas edições anteriores: o jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro). O evento é gratuito e aberto ao público.

Walfredo Jair e Marcos Magah serão acompanhados pelo Quarteto Crivador, formado por Fleming Bastos (bateria), Rui Mário (sanfona e direção musical), Tiago Fernandes (violão sete cordas) e Wendell de la Salles (bandolim). O grupo, formado por virtuoses em seus respectivos instrumentos, leva o nome de um dos três tambores da parelha do tambor de crioula, revelando em seu batismo a influência da diversidade rítmica da cultura popular maranhense, em um estreito diálogo entre choro e tambor de crioula, bumba meu boi, lelê, tambor de mina, cacuriá, tribo de índio e coco, entre muitos outros.

Vanessa Serra é a dj convidada desta edição do sarau, que fecha com chave de ouro a temporada 2021 de RicoChoro ComVida. Jornalista de formação, produtora por vocação e pesquisadora musical por hobby transformado em profissão, sua presença tem tudo a ver com o espírito deste sarau, em particular: boleros e sambas-canções, além de temas desbragadamente bregas costumam figurar em suas inspiradas playlists, sem falar, é claro, no choro.

As três edições de RicoChoro ComVida em 2021 foram garantidas por meio da emenda parlamentar 39210011 OGU 2021, destinada pelo deputado federal Bira do Pindaré à Prefeitura Municipal de São Luís, através da Secretaria Municipal de Cultura (Secult). O sarau musical tem produção de RicoChoro Produções Culturais, Girassol Produções e Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt, e conta com tradução simultânea em Libras, a língua brasileira de sinais, banheiros acessíveis e assentos preferenciais próximo ao palco.

Divulgação

Serviço

O quê: sarau RicoChoro ComVida
Quem: DJ Vanessa Serra, Quarteto Crivador e os cantores Marcos Magah e Walfredo Jair
Quando: dia 26 de novembro (sexta-feira), às 18h
Onde: Jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro)
Quanto: grátis
Apoio cultural: emenda parlamentar nº. 39210011 OGU 2021, do Deputado Bira do Pindaré à Prefeitura de São Luís
Informações: facebook: ricochorocomvida; instagram: @ricochoro

Era de ouro do rádio será lembrada em transmissão online

[release]

Cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro passearão por clássicos do cancioneiro brasileiro; gravação acontece neste domingo (21) e terá participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra

O cantor Almeida Marcus. Foto: divulgação

Uma homenagem à era de ouro do rádio é a proposta do espetáculo musical apresentado pelo cantor Almeida Marcus, acompanhado pelo supergrupo Era de Ouro, com as participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra. O show, que terá transmissão online, será gravado neste domingo (21), no estúdio Pró Áudio. A gravação acontece com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, no Maranhão administrados pela Secretaria de Estado da Cultura.

Almeida Marcus conta como surgiu a ideia, uma homenagem à sua avó, de quem herdou o bom gosto musical. “A era de ouro do rádio me acompanha desde criança. Foi por meio da minha avó, Benedita, que a gente chamava de vovó Bibi, e, como meus pais moravam no interior, trabalhando, eu morava aqui na capital onde nasci, com ela. Ali eu sempre fui embalado, sempre escutava as músicas dos anos 1920, 30, 40, aquelas músicas na época que o rádio conquistou a sua máxima, vamos dizer assim, apesar de até hoje ele estar aí entre os meios de comunicação. Entre os cantores que eu ouvia estavam Ângela Maria, Herivelto Martins, Lupicínio Rodrigues e assim por diante. Eu sempre gostei de cantar, quando criança eu participei de festivais, participei de escola de samba, na adolescência e na juventude cheguei a cantar em banda, fiz carnavais, e acabei enveredando para a área do samba, onde eu vez ou outra sempre participava em algum momento, mas nada profissionalmente. Até que essa minha avó veio a falecer e eu resolvi homenageá-la e fiz um show no Lítero da Praça João Lisboa. Foi sucesso de público e crítica e desde então eu já realizei duas lives beneficentes, com uma boa arrecadação, já fui contratado para alguns eventos particulares e surgiu essa oportunidade, pela Lei Aldir Blanc”, conta.

“Eu estava no estúdio de Luiz Jr. Maranhão, quando eu pensei em realizar esse show no Lítero de que falei, e a gente conversando, lá estavam Ricarte e Luiz Jr., que por coincidência estava gravando um álbum de Dona Célia. E surgiu o nome dela, em razão de que ele foi comentar sobre o álbum e a gente procurava uma voz feminina e encontrou Dona Célia e desde então ela está presente em todos os eventos da era do rádio, é a nossa dama maior”, revela sobre o convite e a participação da cantora Célia Maria, com a reverência devida.

O supergrupo Era de Ouro. Da esquerda para a direita: Fleming Bastos, Cleuton Silva, Daniel Cavalcante, Rui Mário, Tiago Fernandes e Marquinhos Carcará. Foto: divulgação

Almeida Marcus será acompanhado pelo grupo Era de Ouro, formado por Tiago Fernandes (violão de sete cordas), Daniel Cavalcante (trompete), Cleuton Silva (contrabaixo), Rui Mário (acordeom, teclado e direção musical), Marquinhos Carcará (percussão) e Fleming Bastos (bateria).

A apresentação contará também com a participação da dj Vanessa Serra. “Além de jornalista é uma pesquisadora musical, e Vanessa gosta muito desse tipo de música e tem até uma live dominical chamada “Alvorada”, então o convite foi algo muito natural, tem tudo a ver com o propósito”, elogia Almeida Marcus.

Ele revela as expectativas e agradece novamente a saudosa e querida avó: “É uma mistura de ansiedade, medo, vontade de fazer, e que dê tudo certo. Pena que não pode ser presencial. ainda, por que eu curto mais o lance do show, do público, da presença, mas realizar essa apresentação por meio da Lei Aldir Blanc, ajudar tanta gente, tantos profissionais que estão aí envolvidos em todo esse projeto da era do rádio, que deu certo e que eu agradeço a vovó Bibi”, finaliza.

Serviço

O quê: gravação do espetáculo “A era de ouro do rádio”
Quem: o cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro, com participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra
Quando: a gravação acontecerá dia 21, às 19h (a veiculação pelo youtube e redes sociais será divulgada em momento oportuno)
Onde: Estúdio Pró Áudio
Patrocínio: Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, cujos recursos, no Maranhão, são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura

Sarau “Vinil & Poesia” retoma encontros com audição do vinil homônimo

[release]

O endereço da tertúlia poético-musical é o Ramiro’s Gastrobar; na reestreia Vanessa Serra terá como convidados o Joaquim Zion, Eloy Melônio, Dicy e Marcos Magah

A dj coruja e seu rebento. Foto: Alberto Jr./ Divulgação

É difícil metaforizar a trajetória da dj Vanessa Serra na cena das artes, cultura e entretenimento em São Luís. Dizer meteórica é pouco, por que em geral um meteoro passa ou destrói. E ela, em pouco menos de meia década de atuação, provou que veio para ficar, que nasceu para isso.

Jornalista experimentada, com atuação no segmento cultural, incluindo produções, ela aliou a bagagem acumulada ao longo destes anos de experiência com sua nova paixão, nova é modo de dizer, sua paixão recém-descoberta ou redescoberta, melhor classificar assim. Embora classificar também não seja bem o verbo, já que em seus sets ela passeia por todas as bossas, de boleros da era de ouro do rádio a novidades quentes lançadas após o revival do vinil.

O que é necessário dizer é que Vanessa Serra tem familiaridade com o métier e aqui, sim, a palavra cabe bem: seu envolvimento com a diversidade musical brasileira, mas não só, vem de berço. Das festas nos quintais das casas de família e de suas vastas coleções de discos de vinil – parte ela acabou herdando de gente que foi se desinteressando, fruto dos processos de digitalização, com o avanço do streaming –, duma época nem tão longínqua em que todos os brasileiros esperavam pelo Natal contando também com a chegada do disco novo de Roberto Carlos.

Vanessa Serra foi cavando uns espaços e inventando outros. Havia sentado em outras praças para a tertúlia semanal, com uma premissa bastante simples: ela tocaria seus vinis, animando a noite dos presentes, que poderiam fazer uso do microfone para recitar poemas – autorais, de poetas prediletos e malditos, citados de memória ou lidos em livros que ela também levava para estimular o diálogo com a plateia.

A ideia vingou e evoluiu e logo ela passava a receber um convidado por semana, da música ou da poesia. Então veio a pandemia e o sarau passou a ser online e nisso ela se reinventou também. Sua Alvorada, nas manhãs de domingo, é um dos eventos mais bem sucedidos em termos de audiência (e fidelidade desta) ao longo do confinamento a que ainda estamos parcialmente obrigados.

A cadeia produtiva da cultura foi uma das mais atingidas pela pandemia do novo coronavírus: de repente artistas, técnicos de som, roadies e toda uma fauna de profissionais do setor se viram sem condições e oportunidades de trabalho e sem a possibilidade de contato com o público.

Após muita pressão popular e tensos debates no congresso nacional, foi aprovada a Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, cujo batismo homenageia um compositor e cronista sempre crítico deste triste estado de coisas, não à toa autor de um sem número de composições que invariavelmente comparecem aos bailes presenciais e virtuais de Vanessinha, como ela é comumente chamada pelos amigos.

Através de seleção em edital da citada lei, Vanessa Serra aprovou o projeto “Vinil & Poesia”, nome do sarau interrompido pela pandemia, e gravou o disco homônimo – também disponível nas plataformas de streaming –, produzido por ela, que reúne uma constelação de astros e estrelas da música e poesia produzidas no Maranhão.

Uma live de lançamento chegou a ser realizada no final do ano passado. Era o possível para o momento. O vinil não havia chegado, por atraso na fábrica, mais um fruto da pandemia, fazer o quê?

“Esperar não precisa mais”, como diz o compositor: é chegada a hora de uma audição presencial de “Vinil & Poesia”, na retomada do sarau que lhe emprestou o nome. Na tarde de hoje (2), haverá edição especial do sarau “Vinil & Poesia”, com os djs Vanessa Serra e Joaquim Zion, e participações do poeta Eloy Melônio e dos cantores Dicy e Marcos Magah. O reencontro acontece no charmoso Ramiro’s Gastrobar (Rua Aziz Heluy, 350, São Marcos), a partir de 16h. O áudio e técnica estão a cargo de Capella Sonorizações.

Serviço

O quê: sarau “Vinil & Poesia”, com audição do vinil homônimo
Quem: a dj Vanessa Serra e convidados
Quando: sábado (2), às 16h
Onde: Ramiro’s Gastrobar (Rua Aziz Heluy, 350, São Marcos)
Quanto: R$ 10,00 (couvert artístico individual)
Outras informações e reservas: @ramiros.gastrobar/ @vinilepoesia/ @vanessaserrah

*

Ouça “Vinil & Poesia”:

Uma DJ sem firulas: a música em estado puro

A DJ Vanessa Serra em foto de Zeqroz Neto

 

Na seara ilhéu dos disc-jóqueis, cena majoritariamente dominada por homens em São Luís do Maranhão, Vanessa Serra adentrou qual Leminski em seu conhecido poema: “com os dois pés/ no peito dos porteiros/ dizendo pro espelho/ – cala a boca/ e pro relógio/ – abaixo os ponteiros”.

Jornalista e produtora cultural, com anos de atuação na ilha, Vanessa Serra coleciona vinis desde a adolescência, tendo ao longo do tempo engordado seu acervo com aquisições e heranças da família, em que pai, mãe, tios e avós sempre foram apreciadores de boa música.

O DNA explica parte do talento, que começou a ser treinado nas festas da família: invariavelmente era Vanessa Serra quem escolhia a trilha sonora de aniversários, churrascos de fim de semana e esticas de farras em Copas do mundo, por exemplo, o que a torna uma DJ brasileiríssima de talento nato.

O que era apenas um hobby há algum tempo tornou-se uma espécie de segunda profissão de Vanessa. Em vez do aparelho de som caseiro, aprendeu a manusear a parafernália necessária para botar um som e logo prestigiar seu riscar de agulhas nos bolachões de cera deixou de ser privilégio somente de familiares e amigos mais chegados.

Começou a discotecar profissionalmente – embora seja uma “amadora”, no sentido do amor pelo ofício – em 2016. Muito rápida e merecidamente ela conquistou o respeito e o reconhecimento do público, da crítica e de seus pares. Nem ousarei citar os nomes mais frequentes a seu repertório, para não cometer injustiças. Devo dizer que alia qualidade e ginga. Música para dançar e pensar, para não fugir do clichê – cá no texto, que este não tem vez na discotecagem de Vanessa, de espírito libertário: dança quem quer, pensa quem quer, alguns fazem ambos, mas a certeza é que todo mundo se diverte, a começar pela própria DJ, esbanjando charme enquanto procura e limpa o próximo vinil que tocará, dançando com um fone no ouvido e o outro livre, atenta à música com que está presenteando o público, para não haver falhas, uma espécie de um olho no gato outro no peixe.

Vanessa Serra não é DJ de firulas: toca a música em estado puro, como se estivesse no quintal de sua casa, entre amigos, entre um gole e outro. Talvez por isto mesmo seja tão bom vê-la/ouvi-la tocar: sentimo-nos em casa, com uma amiga a mostrar, entusiasmada, os novos discos que comprou ou as raridades que conseguiu arrematar num sebo ou na coleção de alguém que se desfez por um motivo ou outro, ou ouvindo um programa de rádio com selo de qualidade total, sem a voz dos locutores ou anúncios a interromper a sequência perfeita, já que pensada.

Pelas mãos, capricho e seleção de Vanessa Serra a música volta a cumprir seu importante papel de comunhão, tornando-nos mais humanos, mais irmãos e mais felizes. Ao menos enquanto durar a festa.

*

Acompanho com entusiasmo a rápida evolução da queridamiga Vanessa Serra no universo dos DJs e, baita honra, escrevi o release acima, inspirado pela alegria de já tê-la visto/ouvido trabalhando (e se/nos divertindo) algumas vezes. Quem quiser conferir o trabalho da moça, aí está o serviço para hoje:

Divulgação

Ceumar faz show na Ponta do Bonfim

Projeto terá ainda apresentações da DJ Vanessa Serra e dos cantores Fernando de Carvalho e Mano Borges. A cantora mineira conversou com exclusividade com o blogue

Foto: divulgação

“É sempre uma alegria voltar pro Maranhão”, revela Ceumar em conversa exclusiva com Homem de vícios antigos. A cantora mineira se apresenta novamente em São Luís neste sábado (4), no projeto Ponta do Bonfim – Amizade, Música e Por do Sol, iniciativa de um grupo de amigos que se reúne e viabiliza a vinda de artistas que lhes interessam, em clima de confraria, que já chega a sua sexta edição. O evento acontece em uma casa na localidade que dá nome ao evento, os ingressos são limitados e o fundo de palco são o mar e a cidade de São Luís vista do outro lado. Pelo palco do projeto já passaram nomes como Cida Moreira, Danilo Caymmi, Paulinho Pedra Azul e Renato Braz, entre muitos outros.

“Lembro muito bem da primeira vez que eu fui [ao Maranhão]. Fui muito bem recebida, um carinho tão grande de todo mundo, com certeza por causa de Zeca [Baleiro, cantor e compositor que produziu Dindinha, álbum de estreia dela, de 2000], de Josias [Sobrinho, compositor de quem gravou As ‘perigosa’ e Rosa Maria em Dindinha], de Rita [Benneditto, cantora], que foi minha parceira de apartamento em São Paulo. Eu tinha uma curiosidade muito grande em conhecer a energia aí do Maranhão. E vocês todos, Gilberto [Mineiro, radialista, já produziu shows de Ceumar em São Luís], você, sempre gente muito querida, com paixão mesmo, fazendo tudo com paixão. A experiência o ano passado foi incrível, no festival de jazz [Ceumar se apresentou no 3º. São José de Ribamar Jazz e Blues Festival], achei muito massa participar com meu sobrinho [o contrabaixista Daniel Coelho], e este ano eu percebi mesmo o empenho dessas pessoas para que eu pudesse ir participar desse projeto”, relembra Ceumar.

Pergunto-lhe se iniciativas como a deste grupo de amigos podem ser uma alternativa, num momento de sucessivos golpes à cultura brasileira. “Acredito que é um caminho muito possível e necessário nesse momento em que os projetos estão cada vez mais escassos, que as pessoas que gostam de música, são apaixonadas e que possam contribuir, como mecenato, acho muito válido, é uma saída bastante importante para nós nesse momento”.

Em uma tarde que terá ainda apresentações da DJ Vanessa Serra – que começa a tocar seus vinis às 14h30 – e dos cantores Fernando de Carvalho e Mano Borges, Ceumar subirá ao palco da Ponta do Bonfim com seu violão, para um show intimista. Ela adianta: “Já vou soprar que vou ter um convidado especial, meu amigo Luiz Cláudio [percussionista] se prontificou a ir lá tocar algumas coisas comigo. Ele é muito importante pra minha história, trouxe muitas sonoridades incríveis pro Dindinha, o primeiro disco, Luiz Claudio chegou cheio de Maranhão na linguagem e foi muito rico, assim. Luiz vai dar uma canja. Eu quero mostrar um repertório variado, não vou fazer o show do cd novo, o Silencia [de 2014], vou passear um pouquinho pelos outros álbuns”.

Insisto no momento conturbado que o país atravessa. Ela responde com a elegância habitual. “Eu voltei da Holanda já faz quase dois anos, muito por que eu me sinto mais útil aqui no meu país, principalmente agora, num momento tão caótico. O que minha música traz, o que eu tento trazer através dela é o lugar da emoção, do contato direto com as emoções mais profundas de cada ser. Não sei se eu consigo fazer da melhor maneira, mas é o meu intuito, que as pessoas despertem para o que elas têm de melhor e através desse bem maior, assim, a gente possa, cada um possa fazer o seu papel. Acho que é essa a minha função dentro da minha música, dentro do meu país, trazer um pouco de humanidade e de alento também, para que a gente tenha força para lutar quando for necessário, se juntar e lutar pelo que a gente merece, como povo, como país, com essa riqueza toda. Eu sei que não é fácil, sou apenas uma mera cantadeira, mas acredito que o afeto ele segura muita coisa e não quero que pareça pretensioso, mas o povo brasileiro é muito afetivo, a gente não pode perder essa força que a gente tem no abraço, no sorriso, para que a gente tenha um futuro mais organizado pros nossos filhos, pras nossas famílias e essas crianças que vão vir por aí”.

Pergunta sempre inevitável: e o disco novo? “Ano que vem tem disco novo, já estou começando os trabalhos, escolha de repertório, composições novas, uma nova sonoridade também que eu estou buscando, o processo natural. Eu sou uma mineira bem [risos] caipira, faço tudo no meu tempo e assim vou indo. Mas tem um projeto para 2018 e vamos lá!”.

*

Ouça Ceumar em Rosa Maria (Josias Sobrinho), com a participação especial de Itamar Assumpção fazendo a “voz de preto velho” na introdução:

Dupla homenagem a Papete

Divulgação
Divulgação

 

O lp Bandeira de aço, lançado pela gravadora Discos Marcus Pereira em 1978, catalisava experiências sonoras iniciadas anos antes pela turma que fundou em 1972 o Laboratório de Expressões Artísticas (Laborarte), em torno do qual orbitavam os “compositores do Maranhão” (inscrição que vinha abaixo do nome do intérprete na capa do disco) gravados por Papete.

As tais experiências contribuíram para a aceitação, pelas elites, de uma estética da cultura popular do Maranhão, que transitavam entre o sacro (a religiosidade, sobretudo do período junino) e o profano (as festas regadas a álcool), como de resto as festividades juninas – várias toadas registradas por Papete são clássicos cantados até hoje a plenos pulmões, por multidões, que muitas vezes sequer sabem os nomes de seus compositores.

A partir de Bandeira de aço Papete tornou-se uma espécie de embaixador da cultura popular do Maranhão mundo afora. O (ex-)publicitário Marcus Pereira, responsável por um mapeamento musicultural do Brasil de suma importância, creditou-lhe a tarefa de interpretar o conjunto de composições de Cesar Teixeira, Josias Sobrinho, Ronaldo Mota e Sérgio Habibe, que acabou configurando-se um divisor de águas na música produzida no Maranhão.

Bandeira de aço firmou-se como um marco desta estética que estava sendo perseguida desde o início da década. A voz fraca de Papete ficou ótima, com um acento lamentoso. Ninguém cantou melhor Boi da lua e Catirina, por exemplo, para ficar nestas. Um disco histórico”, atestou Flávio Reis, professor do departamento de sociologia e antropologia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), no artigo Antes da MPM (Vias de Fato, setembro/2011).

Maranhense de Bacabal, cantor e multi-instrumentista, Papete foi reconhecido internacionalmente como um dos maiores percussionistas de todos os tempos. Deixou seu nome em fichas técnicas de discos de artistas como Almir Sater, Chico Buarque, Clementina de Jesus, Dominguinhos, Eduardo Gudin, Erasmo Dibell, João Bá, Josias Sobrinho, Marília Gabriela (sim, a entrevistadora!), Osvaldinho da Cuíca, Passoca, Paulinho da Viola, Paulinho Nogueira, Renato Teixeira, Rita Lee, Toquinho e Verônica Ferriani, entre muitos outros.

Às vésperas do período junino, Papete nos deixou há um ano. Hoje, em São Luís, receberá duas homenagens – entre o sacro e o profano, digamos: hoje (26), às 19h, na Igreja Bom Pastor (Praça da Igreja do Renascença), será celebrada a missa de um ano pelo falecimento de José de Ribamar Viana (seu nome de batismo). E a partir das 20h, na Casa de Iaiá (Rua São Conrado, 71, Olho d’Água), diversos artistas e amigos se reúnem para celebrar sua obra e memória, em Um show para Papete, que reúne Alberto Trabulsi, Marconi Rezende, Milla Camões, Tássia Campos e Tutuca Viana, além da DJ Vanessa Serra. Os ingressos custam R$ 20,00.

Divulgação
Divulgação

%d blogueiros gostam disto: