Arquivo da tag: cinema francês

As elipses

Jovem mulher. Frame. Reprodução

 

Jovem mulher [Jeune femme, drama, França, 2017; em cartaz no Cine Lume], da estreante Léonor Serraille, vencedor da Câmera de Ouro em Cannes, é um filme que se explica pelas elipses: é no não dito que os espectadores têm que prestar atenção. Por exemplo: Paula [Laetitia Dosch] engravida, mas não há sequer uma cena de sexo explícito na película. Tampouco há a certeza se ela e Ousmane [Souleymane Seye Ndiaye], colega segurança da loja de calcinhas em que trabalha, transam.

Se nas primeiras cenas a protagonista parece uma fracassada, obcecada que rasteja em busca do homem que supostamente ama, aos poucos vamos nos afeiçoando à personagem de olhos bicolores e percebendo que ela é senhora de si, dona da situação.

Abandonada pelo namorado após uma década de relacionamento, Paula, sem dinheiro, abriga-se na casa de amigos, em hotéis baratos, até “fixar residência” num “buraco de rato”, como ela mesmo dirá. Zanza por Paris, com quem tem uma relação de ódio. Em Paris ou qualquer lugar temos que viver, é mais ou menos o que invariavelmente responde a quem pergunta por que então ficar na cidade.

O filme é carregado de bom humor, em tiradas sutis. Num encontro no metrô, por exemplo, ela finge ser quem não é; noutro, responde com certa agressividade a um passageiro que lhe alerta que o celular está tocando e que ela se esqueceu de tirar o crachá: “e você se esqueceu de tirar a gravata. A gravata é o crachá dos idiotas”.

Jovem mulher perpassa diversas situações e relacionamentos. As conturbadas relações de Paula com Joachim Deloche [Grégoire Monsaingeon], o professor e fotógrafo de quem engravida, e com sua mãe [Nathalie Richard], com Lila [Lila-Rose Gilberti], de quem se torna babá, e com a mãe da menina [Erika Sainte], que a contrata, numa inversão de sentimentos: quando a garota se afeiçoa à babá, a mãe perde a confiança, diante de deveres de casa mal corrigidos, serviços domésticos pendentes, horários não cumpridos e, sobretudo, guloseimas oferecidas à criança.

No meio disso tudo há uma bela gata, peluda e graúda, e uma cicatriz que acompanhará Paula por todo o filme, talvez simbolizando outras cicatrizes colecionadas em sua vida de jovem mulher.

Festival de cinema francês ganha mais uma semana em São Luís

Charlotte Gainsbourg e Omar Sy em cena de "Samba", um dos destaques da programação. Reprodução
Charlotte Gainsbourg e Omar Sy em cena de “Samba”, um dos destaques da programação. Reprodução

 

O gerente do Cine Lume (Edifício Office Tower, Renascença) já havia anunciado a possibilidade de prorrogar a programação do Festival Varilux de Cinema Francês em São Luís. A chance tornou-se realidade e a partir de hoje (18), às 14h, quem não viu, ou quer rever os filmes exibidos, ganha novas oportunidades.

Confira a seguir, a programação.

Hoje (18)
14h: Na próxima, eu acerto no coração
16h: O diário de uma camareira
17h50: Sobre amigos, amor e vinho
19h50: De cabeça erguida
22h: Hipócrates

Amanhã (19)
14h: Os olhos amarelos dos crocodilos
16h15: Hipócrates
18h10: O que as mulheres querem
20h20: Papa ou maman
22h: O preço da fama

Sábado (20)
14h: Asterix e o domínio dos deuses
15h40: Beijei uma garota
17h30: Que mal eu fiz a Deus?
19h20: Sobre amigos, amor e vinho
21h20: Na próxima, eu acerto no coração

Domingo (21)
14h: Papa ou maman
15h40: Asterix e o domínio dos deuses
17h30: De cabeça erguida
19h50: Samba
22h: Sexo, amor e terapia

Segunda (22)
14h: O preço da fama
16h05: Sexo, amor e terapia
17h45: Beijei uma garota
19h30: Gemma Bovery – a vida imita a arte
21h20: Os olhos amarelos dos crocodilos

Terça (23)
14h: O diário de uma camareira
15h50: Samba
18h05: Sobre amigos, amor e vinho
20h: Que mal eu fiz a Deus?
21h55: Hipócrates

Quarta (24)
14h: De cabeça erguida
16h15: Que mal eu fiz a Deus?
18h10: Gemma Bovery – a vida imita a arte
20h: O que as mulheres querem
22h: Samba

Fichas técnicas, sinopses e trailers, aqui. Os ingressos custam R$ 20,00 (meia entrada para os casos previstos em lei).

Enchanté, Samba

Reprodução
Reprodução

 

Não à toa Samba [2014, comédia dramática, 120 min.] é um dos destaques do Festival Varilux de Cinema Francês – em cartaz em 80 salas do Brasil até amanhã (17); em São Luís, no Cine Lume (Edifício Office Tower, Renascença).

O filme é o aguardado sucessor de Intocáveis [Intouchables, 2011, comédia, 112 min.], sucesso de público e crítica, de Eric Toledano e Olivier Nakache.

A música brasileira está presente na trilha, com Gilberto Gil (Palco) e Jorge Benjor (Take it easy, my brother Charles), mas Samba não é sobre o gênero musical nacional difundido internacionalmente.

O personagem-título (Omar Sy) é um imigrante senegalês ilegal que vive fugindo da polícia e se pendurando – literalmente – em empregos os mais diversos: lavador de pratos e vidraças, segurança, separador de material reciclável em uma usina, cozinheiro.

Uma vez apanhado pela polícia, até poder pedir novo visto, Samba tem que escapar como pode, usando documentos falsos, evitando lugares movimentados e até mesmo se equilibrando em telhados. Ele vive com um tio, que há mais tempo em Paris, possui visto legal e trabalha como cozinheiro em um restaurante chique.

Preso pela condição de clandestino, conhece Alice (Charlotte Gainsbourg), uma executiva que presta serviço voluntário para uma organização não governamental que luta pelos direitos dos imigrantes na França. No primeiro atendimento, entre barra de cereal, remédios para dormir e números de telefone, ela não dá ouvidos à recomendação de distanciamento feito por uma colega (Izia Higelin) no trabalho voluntário. Outro personagem que merece destaque é o de Tahar Rahim, imigrante árabe que se passa por brasileiro – segundo ele é mais fácil conseguir trabalho e mulheres –, que vira parceiro de aventuras de Samba Cissé.

Com muitos momentos divertidos – não foram poucas as vezes em que a plateia gargalhou – o filme é engraçado e, para além do riso fácil, discute problemas sociais contemporâneos, não exclusivamente franceses. Um trunfo do par de diretores, aliás: encher salas com pessoas que certamente não iriam ao cinema para ver (apenas) realidades nuas e cruas.

Samba é duro demais para ser comédia e divertido demais para drama.

Cine Lume recebe festival de cinema francês, de hoje a 17 de junho

Divulgação
Divulgação

 

Teve início hoje (11), às 14h, no Cine Lume (Edifício Office Tower, Renascença), a Mostra Varilux de Cinema Francês, pela abrangência territorial, maior mostra cinematográfica do país, ao lado da Mostra Cinema e Direitos Humanos no Hemisfério Sul. Na sessão de abertura foi exibido Gemma Bovery (veja mais informações abaixo). A sala fica dedicada exclusivamente à programação da mostra até o próximo dia 17.

É a quarta vez que o evento acontece em São Luís, a primeira no Lume. No Brasil inteiro a Varilux, em sua 12ª. edição, chegará a 80 salas, com 16 filmes na programação, a maioria inéditos – na capital maranhense serão exibidos 14.

Um dos destaques da programação é De cabeça erguida, com Catherine Deneuve e Benoît Magimel, filme que abriu o festival de Cannes, considerado o maior evento dedicado à sétima arte do mundo.

O cineasta Frederico Machado, proprietário do Cine Lume, comemora: “somos privilegiados, são grandes produções, que fazem sua pré-estreia no Brasil durante o festival. Alguns filmes só serão exibidos em outras salas, fora da programação do Varilux, em dezembro”.

Outro destaque do festival é Samba, produção mais recente de Olivier Nakache e Eric Toledano, que levaram 40 milhões de espectadores (1,1 milhão no Brasil) a salas do mundo inteiro com o comovente Intocáveis.

Confiram a seguir a programação do Festival Varilux de Cinema Francês em São Luís (Títulos, fichas técnicas, sinopses, datas e horários das sessões fornecidos pela assessoria).

Gemma Bovery – A vida imita a arte [De Anne Fontaine, com Gemma Arterton, Fabrice Luchini, Jason Flemyng; 2014, comédia dramática, 1h39]

Sessões: quinta (11) às 14h; sábado (13) às 21h55; e terça (16) às 18h05.

Sinopse: A inglesa Gemma Bovery se muda com o marido para uma pequena cidade francesa. A vida de casada a entedia. Martin Joubert e sua esposa, uma mulher com uma vida muito sofrida, acabam de chegar na cidade. Eles procuram fugir do caos de Paris. Martin fica totalmente encantado com a beleza e o jeito de Gemma, o que os leva ao adultério.

Sexo, Amor e Terapia (Tu veux ou tu veux pas) [De Tonie Marshall, com Sophie Marceau, Patrick Bruel, André Wilms; 2015, comédia romântica, 1h28]

Sessões: quinta (11) às 15h55; e domingo (14) às 22h.

Sinopse: Esta comédia mostra um encontro inesperado: Judith é uma mulher que vive abertamente a sua sexualidade, mantendo casos com diversos homens; já Lambert é um viciado em sexo que tenta justamente pensar em outra coisa e conter os seus desejos. Mas quando Judith passa a trabalhar como assistente no consultório de Lambert, a situação não vai ficar muito fácil para nenhum dos dois.

Os Olhos Amarelos dos Crocodilos (Les Yeux Jaunes Des Crocodiles) [De Cécile Telerman, com Julie Depardieu, Emmanuelle Béart, Patrick Bruel; 2014, comédia dramática, 2h02]

Sessões: quinta (11) às 17h40; e segunda (15) às 21h40.

Sinopse: Duas irmãs têm uma relação conflituosa: Iris leva uma vida fútil e luxuosa, sem trabalhar; Joséphine trabalha como pesquisadora da Idade Média, mas não tem o reconhecimento da família, e acaba de passar por uma ruptura amorosa. Um dia, para impressionar a família, Iris diz que está escrevendo um livro, justamente sobre uma pesquisadora da Idade Média. Para sustentar a mentira, ela pede que Joséphine escreva um livro de verdade e a deixe levar o mérito em troca de dinheiro. Quando o livro inesperadamente obtém sucesso, as duas irmãs entram em rota de colisão.

Beijei uma Garota (Toute Première Fois) [De Noémie Saglio e Maxime Govare, com Pio Marmai, Frank Gastambide, Camille Cottin; 2015, comédia, 1h30]

Sessões: quinta (11) às 19h55; e segunda (15) às 16h15.

Sinopse: Jéremie, 34 anos, surge em um apartamento desconhecido ao lado de Adna, uma adorável sueca. O início de um conto de fadas? Parece improvável, pois Jérémie está prestes a se casar… com Antoine.

De Cabeça Erguida (La Tête Haute) [De Emmanuelle Bercot, com Rod Paradot, Catherine Deneuve, Benoît Magimel; 2015, comédia dramática, 2h]

Sessões: quinta (11) às 21h40; sábado (13) às 19h40; e quarta (17) às 14h.

Sinopse: Desde os seis anos de idade, Malony comete pequenos delitos e tem problemas com a polícia. Durante toda a sua adolescência, um educador e uma juíza especializada na infância tentam salvá-lo.

Na Próxima, Acerto no Coração (La Prochaine Fois Je Viserai Le Coeur) [De Cédric Anger, com Guillaume Canet, Ana Girartod, Jean-Yves Berteloot, 2014, drama policial, 1h51]

Sessões: sexta (12) às 14h; e quarta (17) às 22h.

Sinopse: Fim da década de 1970. Uma série de ataques assusta a região de Oise, na França: um maníaco que persegue jovens mulheres aleatórias. Franck (Guillaume Canet), policial tímido e de vida pacata, é designado para investigar o caso e, na verdade, sabe mais dos crimes do que qualquer um poderia imaginar.

O Diário de Uma Camareira (Journal D’une Femme De Chambre) [De Benoît Jacquot, com Léa Seydoux, Vincent Lindon, Clotilde Mollet; 2015, drama, 1h35]

Sessões: sexta (12) às 16h05; e segunda (15) às 19h40.

Sinopse: O filme se passa em 1900. Célestine, uma jovem camareira muito cobiçada por conta de sua beleza, acaba de chegar de Paris para trabalhar para a família Lanlaire. Enquanto foge dos avanços de seu senhor, ela deve lidar com a rigorosa personalidade de Madame Lanlaire, que governa o lar com punho de ferro. Ao mesmo tempo, Célestine conhece Joseph, um misterioso jardineiro que está profundamente apaixonado por ela.

Hipócrates (Hippocrate) [De Thomas Lilti, com Reda Kateb, Vincent Lacoste, Jacques Gamblin; 2014, comédia dramática, 1h42]

Sessões: sexta (12) às 17h55; e domingo (14) às 20h05.

Sinopse: Benjamin tem certeza de que vai se tornar um grande médico. Mas em sua primeira residência no hospital onde o pai trabalha, nada acontece como previsto. A prática se revela mais difícil do que a teoria. A responsabilidade é terrível, seu pai é ausente e seu parceiro residente, Abdel, é um médico estrangeiro mais experiente do que ele. Benjamin vai confrontar brutalmente a seus limites, seus medos, os dos pacientes, das famílias, dos médicos e do pessoal. Sua iniciação começa. Filme vencedor do prêmio César 2015 na categoria melhor ator coadjuvante para Reda Kateb.

Que mal eu fiz a Deus? (Qu’est Ce Qu’on A Fait Au Bon Dieu?) [De Philippe de Chauveron, com Christian Clavier, Chantal Lauby, Ary Abittan; 2014, comédia, 1h37]

Sessões: sexta (12) às 19h50; sábado (13) às 17h50; e terça (16) às 14h.

Sinopse: O casal Verneuil tem quatro filhas. Católicos, conservadores e um pouco preconceituosos, eles não ficaram muito felizes quando três de suas filhas se casaram com homens de diferentes nacionalidades e religiões. Quando a quarta anuncia o seu casamento com um católico, o casal fica nas nuvens e toda a família vai se reunir. Mas logo descobrirão que nem tudo é do jeito que eles querem.

Papa ou Maman [De Martin Bourboulon, com Marina Foïs, Laurent Lafitte, Alexandre Desrousseaux, Anna Lemarchand, Achille Potier; 2015, comédia, 1h25]

Sessões: sexta (12) às 21h40; segunda (15) às 18h; e quarta (17) às 18h10.

Sinopse: Florence e Vincent Leroy formam um casal bem-sucedido. Têm bons empregos, filhos maravilhosos e um casamento perfeito. Mas quando os dois recebem uma promoção dos sonhos no trabalho, tudo começa a mudar e a vida em conjunto se transforma em um pesadelo. Em pé de guerra, eles decidem se separar e vão fazer de tudo para não ter a guarda das crianças.

Asterix e o Domínio dos Deuses (Asterix – Le Domaine des Dieux) [De Louis Clichy, com Roger Carel, Guillaume Briat, Lorànt Deutsch; 2014, animação 3D/aventura/comédia, 1h26]

Sessões: sábado (13) às 14h; e domingo (14) às 16h10.

Sinopse: O imperador romano Júlio César sempre quis derrotar os irredutíveis gauleses, mas jamais teve sucesso em seus planos de conquista. Até que, um dia, ele resolve mudar de estratégia. Ao invés de atacá-los, passa a oferecer os prazeres da civilização aos gauleses. Desta forma, Júlio César ordena a construção da Terra dos Deuses ao redor da vila gaulesa, de forma a impressioná-los e, assim, convencê-los a se unir ao império romano. Só que a dupla Asterix e Obelix não está nem um pouco disposta a cooperar com os planos de César.

O Que as Mulheres Querem (Sous Les jupes des Filles) [De Audrey Dana, com Isabelle Adjani, Alice Belaïdi, Laetitia Casta; 2014, comédia, 1h56]

Sessões: sábado (13) às 15h40; e terça (16) às 21h55.

Sinopse: Esta comédia se passa no primeiro mês de primavera, acompanhando as histórias amorosas de 11 mulheres diferentes. Umas são esposas, outras são as melhores amigas, as amantes, as empresárias… Cada uma se envolve em um novo caso, com os homens de suas vidas, ou simplesmente com algum desconhecido encontrado por acaso.

O Preço da Fama (La Rançon De La Gloire) [De Xavier Beauvois, com Benoît Poelvoorde, Roschdy Zem, Séli Gmach; 2014, drama, 1h54]

Sessões: domingo (14) às 14h; e quarta (17) às 19h50.

Sinopse: Ao sair da prisão, Eddy é saudado por seu amigo Osman. As vésperas do Natal, a falta de dinheiro se agrava. Além disso, quando a televisão anuncia a morte do comediante Charlie Chaplin, Eddy tem uma ideia: roubar o caixão do ator e pedir um resgate a família!

Samba [De Eric Toledano e Olivier Nakache, com Omar Sy, Charlotte Gainsbourg, Tahar Rahim; 2014, comédia dramática, 2h]

Sessões: domingo (14) às 17h50; segunda (15) às 14h; e terça (16) às 15h50.

Sinopse: Samba é um imigrante do Senegal que vive há 10 anos na França e, desde então, tem se mantido no novo país a custa de bicos. Alice, por sua vez, é uma executiva experiente que tem sofrido com estafa devido ao seu trabalho estressante. Enquanto ele faz o possível para conseguir os documentos necessários para arrumar um emprego digno, ela tenta recolocar a saúde e a vida pessoal no trilho, cabendo ao destino determinar se estarão juntos nessa busca em comum.

Sobre Amigos, Amor e Vinho (Barbecue) [De Éric Lavaine, com Lambert Wilson, Franck Dubosc, Florence Foresti, Guillaume de Tonquedec, Lionel Abelanski; 2014, comédia, 1h38]

Sessões: terça (16) às 20h; e quarta (17) às 16h15.

Sinopse: Pelo seu aniversário de 50 anos, Antoine recebeu um presente bem original: um infarto! A partir de agora, ele terá que se cuidar. O problema é que Antoine sempre cuidou de tudo: da saúde, da alimentação, da família, de não magoar os amigos e concordar com tudo. Mesmo assim, ele aceita encarar um novo regime e, na tentativa de mudar de vida, acabará mudando a dos outros também.

64 anos após lançado Carrossel da esperança permanece atual

Banner Espetaculos 02

Comédia de Jacques Tati é uma crítica ao corre-corre desenfreado da sociedade contemporânea

Carrossel da esperança [Jour de fête, 1949, 77min.] inaugurou hoje a mostra Tati por inteiro, promovida pelo Sesc, no Cine Praia Grande, que recebeu um bom público para a sessão de abertura.

No filme, o próprio Jacques Tati interpreta o carteiro François, um atrapalhado de bom coração que tem em ajudar um prazer. Na praça de um vilarejo francês – alguns moradores compõem o elenco – instala-se um carrossel, a despertar o interesse, por motivos diversos, de adultos e crianças.

Nosso adorável carteiro, entre fazer o seu e bebericar em serviço, acaba assistindo, em um cine-mambembe a um filme sobre os carteiros americanos, cujo ideal de rapidez passa a perseguir. E é a partir daí que o filme torna-se ainda mais engraçado.

Muitos comediantes sem graça de hoje em dia deveriam assistir Tati e aprender com ele: é impressionante como mais de 60 anos depois de lançado, o filme continue despertando o sorriso em adultos e crianças. Carrossel da esperança não é cinema mudo, mas a fala ali é quase detalhe, o que facilita o entendimento para crianças que por vezes não conseguirão acompanhar as legendas. Ou mesmo para os que ainda não aprenderam a ler: o cineasta é recomendável para todas as idades. Sem contraindicação, sem moderação. Aproveite a mostra Tati por inteiro por inteiro.

Outro detalhe curioso sobre o filme é que durante muito tempo conheceu-se apenas sua versão em preto e branco: o colorido era uma tecnologia experimental na época e a versão em cores só veio a público em 1995, durante o restauro da obra de Tati, coordenado por sua filha. A música de Jean Yatove mereceria um comentário à parte: impecável trilha sonora de ares circenses.

Não se enganem os que pensam que a atualidade do humor de Tati está na facilidade, no fazer rir descompromissado de tropeços e quedas típicos dos pastelões. Isso está lá também. Mas não só. No fundo, a busca de François pela velocidade dos carteiros americanos em Carrossel da esperança acaba sendo uma crítica ao nosso correr desenfreado em busca de não sei o quê – dinheiro, celular último modelo, carro zero em não sei quantas prestações, casa própria, sucesso e reconhecimento profissional. Quer algo mais atual que isso?

&

A mostra Tati por inteiro continua até sábado, programação de amanhã (22) na imagem que abre o post. Abaixo, trailer de Meu tio (Oscar de melhor filme estrangeiro de 1959, 20h); o de As férias do sr. Hulot (18h), no post anterior.

Tati por inteiro será aberta hoje no Praia Grande

O cineasta francês Jacques Tati terá sua trajetória lembrada na mostra Tati por inteiro, que começa hoje, às 19h, no Cine Praia Grande. Abre o post trailer de As férias do sr. Hulot, filme que integra a programação. A promoção é do SESC, em parceria com a Embaixada da França e Cultures France, e as exibições têm entrada franca. Os ingressos devem ser retirados na bilheteria do cinema com meia hora de antecedência a cada sessão.

O filme de hoje é Carrossel da esperança (1949). A sessão tem início às 20h.

A mostra segue até sábado e inclui ainda uma palestra/diálogo (“Jacques Tati: seguindo os passos do Sr. Hulot”, com Davi Coelho e Stella Aranha, sábado, 25, às 19h) e um workshop (“Adaptações criativas para o cinema: da literatura e HQ à linguagem cinematográfica”, ministrada por Alexandre Bruno Gouveia, de 22 a 24 de maio, das 15h às 17h30min, com inscrições pelo telefone (98) 3216-3830 e/ou e-mail galeriadeartesescma@gmail.com), também gratuitos.

O blogue voltará ao assunto ao longo da semana, divulgando a programação diária de Tati por inteiro.

Cinema francês grátis em São Luís

O drama A França [La France, 2010], de Serge Bozon, abre a Mostra do Cinema Francês Contemporâneo, que o SESC/MA realiza entre os próximos dias 23 a 29 de abril, em parceria com o Cine Praia Grande, palco das exibições.

Além de oito filmes em várias sessões, a semana cinematográfica terá debates e oficinas, uma de Roteiro Documental, a ser ministrada por Beto Matuck, outra de Análise de Filmes, por Davi Coelho, cada qual com 20 vagas.

Ano passado, o SESC/MA realizou a mostra 1959: O ano mágico do cinema francês, que trouxe à Ilha obras do período mundialmente conhecido como nouvelle vague. Tudo de graça, maiores informações e programação completa aqui.