Sampaio/MA 4 x 0 Comercial/PI

No Nhozinho Santos, pela série D do Campeonato Brasileiro, Sampaio Correia repete o placar da final da Eurocopa, em que a Espanha bateu a Itália por 4 x 0. Time maranhense sonha com vaga na série C.

Este blogue homenageia a torcida boliviana com a foto de um brincante do Boi da Fé em Deus, captada no dia de São Pedro (29), no Canto da Cultura, Praia Grande.

Que os santos do mês de junho abençoem o Sampaio ao longo de sua caminhada!

Este post é dedicado a meu tio Susalvino Viana e toda sua família boliviana que foi ao Gigante da Vila Passos conferir de perto a goleada.

 

Aula de percussão com Zé da Chave

Figura fácil em festas, shows, vernissages e quetais, Zé da Chave batuca em qualquer coisa, em geral para desespero de artistas e plateia: de latas de cerveja a talheres em pratos vazios, sendo o mais comum seu molho de chaves, atire a primeira pedra o transeunte da Praia Grande que nunca tenha visto a cena.

Abaixo, pelas lentes do blogueiro, ele ensina um turista a percutir o chaveiro, depois tomando-o para si e acompanhando o grupo de bumba meu boi que se apresentava no Canto da Cultura, no dia de São Pedro.

Sambalanço, bumba e jazz

Aos órfãos do Clube do Choro Recebe, duas ótimas pedidas em São Luís podem fazê-los/nos relembrar o saudoso acontecimento semanal que deu uma sacudida na cena choro/musical ilhéu.

O primeiro, um show isolado. O segundo, uma temporada. Dizer, do primeiro, simplesmente isso, não é, no entanto, diminuir o acontecimento. Do segundo, basta dizer que torcemos para que a temporada dure ad infinitum, mesmo que nosso latim não dê pro gasto.

O que quero anunciar aqui são dois acontecimentos imperdíveis: o primeiro, o show Sambalanço, que Léo Capiba apresenta nesta quinta-feira (10), às 21h, no Danado de Bom (Cohajap); o segundo, o projeto Canto do Choro, as apresentações que vem realizando, já há dois sábados (e neste agora, 12), às 18h, no Bar Canto da Cultura (antigo Cia. Paulista, Praia Grande), o trio Bumba Jazz.

A elegância e o sorriso inconfundíveis de Capiba voltam ao palco

Por diversos motivos é imperdível o show de Léo Capiba: pelo raro talento do artista cearense radicado em São Luís, pelo repertório, basta lembrarmos de suas emocionadas, emocionantes, vigorosas e descontraídas interpretações para clássicos como Chiclete com banana (Almira Castilho/ Gordurinha), Espelho (Paulo César Pinheiro/ João Nogueira), Orora analfabeta (Gordurinha/ Nascimento Gomes) e Tereza da Praia (Tom Jobim/ Billy Blanco, à época do Clube do Choro cantada geralmente em duo com outro Léo, o Spirro, que acaba de lançar disco dedicado à obra de mestre Cartola, compositor da predileção de ambos), entre tantas outras que espero (re-)vê-louvi-lo cantar, além, é claro, do fino acompanhamento, que fará jus ao grande cantor e percussionista (embora ainda inédito em disco e pouco (re-)conhecido) que é Léo Capiba: o Quinteto Bom Tom, formado por Celson Mendes (violão e direção musical), Daniel Miranda (trombone), Fleming (bateria), Jeff Soares (contrabaixo) e Miranda Neto (trompete).

Desfile de talentos no Canto da Cultura, Praia Grande

Também por diversos motivos são imperdíveis (embora eu tenha perdido as duas primeiras) as apresentações que o trio Bumba Jazz vem realizando aos sábados, numa iniciativa, louvável, diga-se de passagem, também, de dar alguma qualidade às apresentações musicais e ao cenário da Praia Grande em geral. Só os talentos individuais dos virtuoses que compõem a trinca já fazem valer o ingresso: Luiz Jr. (violões de seis e sete cordas), Robertinho Chinês (bandolim e cavaquinho) e Rui Mário (sanfona). O repertório ajuda: clássicos de nomes como Antonio Vieira, Baden Powell, Cesar Teixeira, Ernesto Nazareth, Jacob do Bandolim, Josias Sobrinho, Pixinguinha e Waldir Azevedo, entre outros, recriados e virados do avesso à base de jazz, bumba meu boi e outros temperos locais, além de temas autorais dos discos solo dos dois primeiros. Vale lembrar que este trio é um excerto do Choro Pungado, grupo que além deles tinha João Neto (flauta) e Luiz Cláudio (percussão), que durou tempo suficiente para deixar saudades. Vale destacar ainda as participações especiais, a cada sábado: no passado (perdeu!), Lena Machado (voz) e Zé Carlos (percussão); neste (12, vai perder?), a diva Célia Maria (voz).

Para o show de quinta (o dia, não a categoria), os ingressos custam R$ 15,00; para o de sábado, R$ 10,00.