Choro em dose dupla, nesta sexta e sábado

[release]

Saraus online do projeto RicoChoro ComVida estreiam dias 29 e 30, às 18h, com os grupos Deu Branco e Tangará, e os cantores Totti Moreira, Rosa Reis, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco

O encontro de gêneros e gerações de Totti Moreira, Rosa Reis e Regional Deu Branco. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação
Choro, samba e Maranhão: diálogo e reverência no encontro de Zeca do Cavaco, Nivaldo Santos e Grupo Tangará. Foto: Zeqroz Neto. Divulgação

Enquanto aguarda o fim do período chuvoso na ilha capital, a produção dos saraus RicoChoro ComVida segue trabalhando. Ano passado realizou três concorridas edições presenciais do sarau, na bela paisagem que é o jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (Rua do Sol, 302, Centro). Ainda ano passado também realizou a gravação de dois saraus online, com patrocínio da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural, através da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma). Os saraus foram gravados no estúdio ProAudio, sem plateia – eventuais aplausos ouvidos na gravação são da própria equipe técnica dos espetáculos –, e a captação de imagens foi feita pelo cineasta Paulo do Vale e equipe.

Estes dois saraus vão ao ar dias 29 e 30 de abril, respectivamente, sempre às 18h, no canal do youtube da RicoChoro Produções Culturais, que realiza o evento. “É um evento online, gravado ainda num momento de instabilidade da pandemia, que chegou a permitir que realizássemos saraus presenciais, com todos os cuidados, mas que voltou à carga, depois, fazendo com que tornássemos a nos recolher. No entanto, preserva o autêntico clima de uma roda de choro. A gente optou inclusive por não retocar o áudio das gravações, mantendo certo clima um clima de autenticidade, apesar de eventuais imperfeições”, anuncia o produtor Ricarte Almeida Santos.

No primeiro sarau, as atrações são o Regional Deu Branco, que tem como convidados o cantor e compositor Totti Moreira e a cantora Rosa Reis. O Deu Branco é formado por Paulo Araújo (violão sete cordas), Jamil Cartágenes (cavaquinho), Valdico Monteiro (pandeiro), Erivan Nélio (flauta) e Cleiton Groove (trombone).

O repertório do grupo passeou por clássicos do choro, de autores como Tom Jobim (“Só danço samba”), Joaquim Callado (“Flor amorosa”) e Raul de Barros (“Na Glória”), além dos maranhenses Catulo da Paixão Cearense (“Ontem ao luar”), Antonio Vieira (“Tem quem queira”), Osmar do Trombone (“Saudades de Tororoma”), Nuna Gomes (“Um sorriso”), além de Didã (“Banca de honestidade”).

Seu primeiro convidado, o cantor e compositor Totti Moreira, um dos destaques da nova geração da música popular brasileira produzida no Maranhão, revelou a “alegria em estar no projeto e poder colocar sua música em diálogo com o choro, uma escola que só somou em sua produção autoral”.

De sua autoria, em seu repertório, destaques para a autobiográfica “Passe gol”, que lembra as peladas de rua disputadas na infância, “Golpe na tristeza”, com clara influência da bossa nova, e “Minha viola”.

Rosa Reis afirmou que “o samba já vem enraizado desde quando eu fazia o show “Fuzarca” [com Fátima Passarinho, Inácio Pinheiro, Cláudio Pinheiro e Roberto Brandão], onde eu tive a oportunidade de conhecer vários compositores do samba tradicional, como Cristóvão [Alô Brasil] e Patativa”. Para citar outro exemplo de sua intimidade com o samba, a cantora foi a primeira a gravar “Nós” (Tião Carvalho), antes do sucesso nacional de Cássia Eller.

Seu repertório privilegiou o samba e o choro maranhenses, em interpretações de “Meu samba choro” (Chico Maranhão), “Cachaça apanhou” (Antonio Vieira/ Lopes Bogéa) e “Santo guerreiro” (Patativa), com participação especial de Totti. A exceção foi “Fadas” (Luiz Melodia)

Segundo sarau – Com seu nome de pássaro, o Grupo Tangará sobrevoou com elegância um repertório impecável, formado por clássicos como “Receita de samba” (Jacob do Bandolim), “Sonoroso” (K-Ximbinho/ Del Loro), “Doce de coco” (Jacob do Bandolim) e “Carioquinha” (Waldir Azevedo), coisa para chorão nenhum botar defeito.

O Tangará é formado por Vitor Santana (bandolim), Suellen Almeida (flauta), Valdico Monteiro (pandeiro), Gustavo Belan (cavaquinho) e Tiago Fernandes (violão sete cordas). O grupo teve como convidados dois nomes de destaque no universo do samba e do choro do Maranhão: o sambista Nivaldo Santos e o cantor Zeca do Cavaco, cuja habilidade no instrumento lhe empresta o sobrenome artístico, embora ele tenha apenas cantado em sua apresentação.

“Já nascemos musicais, nascer nesse estado tão rico de cultura, eu vim de uma família festeira, meu pai, vivo até hoje, graças a Deus, nos ensinou o gosto pela boa música e sempre influenciou a gente. A gente começou a participar de encontros, rodas de samba, festas de família, a gente foi se identificando e gostando e aí surgiu o sambista Nivaldo Santos”, comentou o primeiro convidado sobre seu fazer do samba uma profissão de fé.

Seu repertório foi de Chico Maranhão (“Ponto de fuga”) a Ismael Silva (“Se você jurar”), passando por Sérgio Habibe (“Ponteira”) a Pixinguinha (“Yaô”) e Joãozinho Ribeiro (“Asas da paixão”). Nivaldo cantou ainda “Banca de honestidade” (Didã), executada em versão instrumental no primeiro sarau – em comum, os grupos têm também o pandeirista.

Depois era a vez de Zeca do Cavaco, não raramente apontado como uma das mais belas vozes da música popular produzida no Maranhão, com atenção especial ao choro e ao samba, filiado às escolas de Paulinho da Viola, Geraldo Pereira e Cesar Teixeira, para citar apenas uma trinca de sua predileção.

“Estou muito feliz em estar participando desse evento, desse movimento, e o prazer é maior ainda em ser acompanhado por este grupo Tangará, que eu já tive o prazer de conhecer, mas ainda não havia tido o prazer de cantar junto”, afirmou. “Eu tive a honra de conviver com alguns baluartes do samba e do choro, como Zé Hemetério, Gordo Elinaldo, toquei muito tempo e cantei também no Regional Tira-Teima, e depois me descobri intérprete, e comecei a caminhar por essa via da música”, revelou a sua filiação ao samba e ao choro.

Prestigiou repertório genuinamente maranhense e atacou de “Saiba, rapaz” (Joãozinho Ribeiro), “Mestre Orfila” (Cristóvão Alô Brasil), “Coração na voz” (Nosly/ Gerude/ Nonato Buzar), “Terra de Noel” (Josias Sobrinho), “Velho negro destemido” (Ricarte Almeida Santos/ Joãozinho Ribeiro) – homenagem a Nelson Sargento (1924-2021), sambista falecido aos 96 anos, por complicações da covid-19 – e “Cajueiro velho” (João Carlos Nazaré). Para fechar com chave de ouro, duetou com Nivaldo Santos na inédita “Sapo já foi na lua” (Cesar Teixeira).

O par de saraus que será disponibilizado nesta sexta (29) e sábado (30) se configura em um importante documento sonoro, ao realizar em sua feitura alguns dos propósitos do projeto RicoChoro ComVida, seja em formato presencial, seja em formato virtual: o encontro de gêneros e gerações, o diálogo do choro com outros ritmos da rica e diversa música popular brasileira, com especial destaque à produção maranhense, além da formação de plateia.

Ative os lembretes e não perca as estreias.

Serviço: saraus online RicoChoro ComVida. Dias 29 e 30 de abril, às 18h, no canal do youtube RicoChoro Produções Culturais (cliquem nos vídeos acima para ativar lembretes). Com Regional Deu Branco, Totti Moreira, Rosa Reis, Grupo Tangará, Nivaldo Santos e Zeca do Cavaco.

Divulgação
Divulgação

“Violivoz”: Chico César e Geraldo Azevedo para êxtase da plateia

Fotos: Hebert Alves. Divulgação

Foi uma noite de fartura.

O cearense Lucas Ló, radicado há cinco anos em São Luís, desfiou um repertório inteiramente nordestino, com especial destaque para o ídolo conterrâneo Belchior, com bastante personalidade.

Acompanhado por Jessé Fonseca, num teclado cheio de balanço e personalidade, passeou ainda por nomes como Fagner, Djavan, Carlinhos Veloz, César Nascimento, Sérgio Habibe e Josias Sobrinho.

Aos pedidos insistentes de “Barco de papel”, joia de sua autoria, respondeu com um educado “já rolou”; o pedido partia dos que adentraram a sala atrasados. Um dos nomes mais sofisticados da noite ludovicense, Ló se apresentou por cerca de hora e meia preparando o terreno para a noite inesquecível que viria, ao mesmo tempo sendo parte dela.

Não faltaram clássicos como “Apenas um rapaz latino-americano”, “Pequeno mapa do tempo”, “Alucinação”, “Fotografia 3×4”, “A palo seco” e “Mucuripe”, da lavra de Belchior, esta última em parceria com Fagner, “Noturno” (Graco/ Caio Silvio), “Serrado” (Djavan), “Ilha bela” (Carlinhos Veloz), “Ilha magnética” (César Nascimento), “Eulália” (Sérgio Habibe) e “Engenho de flores” (Josias Sobrinho).

“Se alguém me dissesse, há cinco anos, quando saí do meu Ceará, que hoje eu estaria aqui, abrindo o show dessas duas figuras centrais na minha formação, nesse teatro lotado, eu não acreditaria. É um momento muito importante para mim”, revelou Ló, agradecendo a presença do público, em cujo repertório se destaca ainda a também autoral “Ode a São Luís”, inédita, em que ele, de certo modo canta sua rota e a receptividade com que foi acolhido na ilha do amor. Uma avant-première aos atentos que chegaram cedo.

Quando Chico César e Geraldo Azevedo subiram ao palco, a cama estava pronta.

“Violivoz” é um show vigoroso e sincero. Sobem ao palco sem firulas, dizendo logo a que vieram: atacam a introdução de “Táxi lunar” (Alceu Valença/ Geraldo Azevedo/ Zé Ramalho), mas antes de cantarem, emendam a “Cantiga (Caicó)”, das Bachianas Brasileiras, de Heitor Villa-Lobos, sucesso de Teca Calazans, com alterações na letra, a homenagear suas terras natais e reafirmar a admiração mútua: “oh, mana, deixa eu ir/ oh, mana, eu vou a pé/ oh, mana, deixa eu ir/ para o sertão de Catolé”, começa Chico, referindo-se a Catolé do Rocha, na Paraíba, seguido por Geraldo: “oh, mana, deixa eu ir/ andar é minha sina/ oh, mana, deixa eu ir/ para o sertão de Petrolina”, e depois: “oh, mana, deixa eu ir/ oh, mana, eu vou cedo/ oh, mana, deixa eu/ cantar com Geraldo Azevedo” e “oh, mana, deixa eu ir/ andar com quem me preza/ oh, mana, deixa eu/ cantar com Chico César”. A determinada altura de “Táxi lunar”, Geraldo Azevedo solta um “vai, Zé!” e Chico César imita a voz de Zé Ramalho. E era apenas o primeiro número.

O vigor a que me referi diz respeito ao fato de a dupla cantar e tocar – e por vezes dançar – por duas horas e 15 minutos de espetáculo, de pé. A sinceridade é percebida na admiração mútua várias vezes declarada. Um é fã do outro, os dois se tornaram amigos e parceiros. Geraldo Azevedo, ao lembrar de como se conheceram, convidado a gravar uma música de Chico César em um disco produzido por Totonho, que homenageava as vítimas da chacina da Candelária, no Rio de Janeiro, nunca lançado, já percebeu ali suas qualidades. Depois, quando Chico lançou “Aos vivos” (1995), seu disco de estreia, revelou ter comprado 50 exemplares e distribuído a amigos, produtores, em suas turnês pelo Brasil e Europa. “O Belchior, que é da minha geração, dizia que “nossos ídolos ainda são os mesmos” e Chico César era um ídolo novo e eu queria apresentá-lo pra todo mundo”, disse Geraldo. Chico completou: “Belchior também dizia que “o novo sempre vem”” e revelou a influência exercida sobre o então adolescente pelo disco “Cantoria 1” (1984), que registrou o encontro de Geraldo com Elomar, Vital Farias e Xangai.

“Para mim é uma alegria muito grande dividir o palco com Geraldo Azevedo, é uma baita honra vê-lo cantando uma música minha”, declarou Chico, depois de cantarem juntos “Estado de poesia” (Chico César).

É um show de entrega. Não há momentos solo de um e outro artista. Eles cantam juntos o tempo inteiro o repertório um do outro e de artistas admirados, casos de Geraldo Vandré (“Pra não dizer que não falei das flores (Caminhando)” é emendada a “Mama África”, de Chico), Milton Nascimento e Caetano Veloso (“Paula e Bebeto”, gravada por Geraldo em 1979) e Paul Anka (a versão de Fred Jorge para “Diana”). Ninguém se cansa: nem os artistas no palco, nem a plateia. Todo mundo em comunhão. Ou quase.

Quando Chico César anunciou que cantaria “outra canção de amor, de nosso amor pela Terra, pelos pequenos agricultores, uma parceria minha com Carlos Rennó”, e atacou de “Reis do agronegócio”, um coro de “Fora Bolsonaro!” se ouviu no Centro de Convenções. Uma tentativa de vaia, raquítica, foi encoberta, e prevaleceu a vontade da maioria. Outros gritos de “Fora Bolsonaro!” vieram e Chico César, numa sequência demolidora, mandou, sempre acompanhado por Geraldo Azevedo, “Pedrada” (Chico César), cujo refrão diz: “fogo nos fascistas, fogo Jah!”. “Essa música, a primeira vez que eu cantei, foi em cima dum trio elétrico, num carnaval, aqui em São Luís, para 100 mil pessoas, e eu fiquei muito contente com a receptividade”, lembrou.

Em “Bicho de sete cabeças” (Geraldo Azevedo/ Renato Rocha/ Zé Ramalho), passaram perto de 10 minutos solando seus violões, até cada um cantar uma parte da letra, sem as sobreposições que a tornaram um clássico. Comentaram a pandemia, o isolamento social, a gênese do show, após Chico ter assistido a um show de Geraldo em São Paulo e terem ido para a casa do primeiro, depois do espetáculo, tocar violão na cozinha. Tocaram duas parcerias, uma inédita e o single “Nem na rodoviária”, já disponível nas plataformas de streaming.

São duas gerações de artistas, convivendo harmoniosa e respeitosamente, Geraldo aos 77 anos, Chico aos 58. Têm a mesma grandeza e importância. Nenhum se sobressai ao outro e o equilíbrio é também uma característica de destaque do show. São dois artistas que, cada um a seu tempo, souberam cativar o público de São Luís – suas apresentações por aqui são sempre marcadas por casas cheias e intensa interação das plateias. Ontem não foi diferente.

Perto do fim do show, Geraldo apenas ameaçou cantar “Terra à vista” (Carlos Fernando). Puxou o “San, san, san, São Luís do Mará” do refrão, que a plateia imediatamente repetiu em coro, mas deixou apenas a vontade no público. Alguém na plateia, insistentemente pedia “Pétala”, não o sucesso de Djavan, mas abreviando o título de “Pétala por pétala” (Chico César/ Vanessa Bumagny). “A gente vê muito homem ansioso, mulher é menos. A mulher goza melhor por que ela goza depois, goza mais e melhor; o homem é sempre aquela pressa, de querer gozar logo”, contou para gargalhadas da plateia e o não-atendimento ao pedido renitente.

Chico César citou vários amigos, maranhense ilustres, afirmando ser uma honra estar mais uma vez em sua terra: Papete, Rita Benneditto, Josias Sobrinho, Chico Saldanha, Flávia Bittencourt, Alcione. E Celso Borges, a quem fez especial deferência: “foi quem me apresentou a Zeca Baleiro. A gente já morava em São Paulo e ele um dia me disse: olha, tem um amigo meu, do Maranhão, vindo morar aqui, é meio doidinho assim que nem tu, não é bem compreendido em nossa terra; isso naquela época, e eu entendi de cara o que ele queria dizer”, contou, para risadas da plateia. Em seguida ofereceu-lhe “Você se lembra” (Geraldo Azevedo/ Pippo Spera/ Fausto Nilo).

Também cantaram juntos “Pedra de responsa” (Chico César/ Zeca Baleiro) e na sequência Geraldo puxou, a capella, o refrão de “Cadê meu carnaval” (Geraldo Azevedo), que ele cantou, modificando a letra: “Olê lê lê/ cadê meu carnaval?/ olê lê lê/ cadê meu carnaval?/ carnaval está chegando/ cadê meu carnaval?” – a letra original diz “carnaval está morrendo”. O público ficou cantando enquanto eles se retiraram do palco.

Aos gritos de mais um, retornaram, para delírio dos presentes, mandando o clássico “Dona da minha cabeça” (Geraldo Azevedo/Fausto Nilo), em arranjo de reggae. Já não havia mais ninguém sentado, praticamente todo mundo cantava junto e alguns casais arriscavam uns passos.

Um final apoteótico de um show antológico, de uma turnê adiada e interrompida pela pandemia de covid-19, indefinidamente prorrogada pela irresponsabilidade de uns poucos que insistem em querer um Brasil feio e triste, justamente o contrário do colorido das roupas dos artistas e da diversidade que sua música representa, afinal de contas o Brasil alegre e festeiro, que haverá de prevalecer. Espero que este dueto, esta cantoria, este grande encontro, vire disco. Oxalá!

Minicurso aborda design para artistas e festivais de música

Estão abertas até domingo (10) as inscrições para o minicurso Design Que Marca para Artistas e Festivais, cujas aulas serão ministradas pela pernambucana Noelle Marão, designer, publicitária e artista visual pernambucana.

Com oito horas de duração, o curso será realizado em modo online, pela plataforma Zoom. As vagas são limitadas e destinam-se prioritariamente a artistas, músicos, empresários, designers, estudantes e demais entusiastas do mercado da música. As inscrições são gratuitas e o evento é realizado com recursos da Lei Aldir Blanc de Emergência Cultural.

“Percebo que muitos artistas e músicos são carentes de informações sobre como funciona a construção de imagem, o que é branding, design e identidade visual e como cada coisa se relaciona. Há também uma crença muito forte de que apenas a música torna o artista reconhecido, e não é bem assim. Existe todo um trabalho por trás, vários processos importantes que precisam ser pensados e executados para que este artista mostre seu diferencial e se torne reconhecido pelo público. Neste minicurso, pretendo mostrar por que o design é um fator essencial nessa construção de imagem e marca artística”, comenta Noelle Marão no material de divulgação distribuído aos meios de comunicação.

O minicurso é dividido em quatro aulas, que serão realizadas de segunda (11) a quinta-feira (14) da semana que vem. Entre os conteúdos abordados estão história do design, impacto do design gráfico no mercado fonográfico, conceitos do branding, identidade visual, estratégias de marketing e assessoria de comunicação.

Além de Noelle Marão, o curso contará com as presenças e contribuições de Marah Rúbia (produtora de eventos e assessora de comunicação da Soplar Produções), Marcilio Moura (produtor de eventos e A&R do Fábrica Music) e Fábio Cavalcante (Articulação Musical Pernambucana).

Divulgação

Música de brincante

Fotos: Guta Amabile

“Todo brasileiro deveria ter um pandeiro”.

A manchete nunca me saiu da cabeça, uma fala de Antonio Nóbrega quando capa da revista Caros amigos, uma entrevista há quase 20 anos. Foi a frase de que me lembrei quando fui avisar minha esposa e enteada do concerto que ele e a Orquestra Ouro Preto deram ontem (3), no Teatro Arthur Azevedo.

“Tirando a casaca” é um desses espetáculos que não se deve perder por nada.

De certa forma, o encontro de Nóbrega, ex-Quinteto Armorial (que Ariano Suassuna inventou há mais de 50 anos), com a orquestra regida pelo maestro Rodrigo Toffolo, é uma conexão (nunca de todo perdida) com as ideias do dramaturgo, defensor de uma arte genuinamente nacional, que deram origem ao Movimento Armorial, de que o quinteto foi um dos maiores expoentes: a realização de uma música de concerto com raízes profundas nas tradições e na cultura popular brasileira, particularmente do Nordeste.

Não faltam fôlego e disposição ao quase setentão Nóbrega – ele completa 70 anos no próximo dia 2 de maio: canta, toca violino, dança e se diverte enquanto diverte e deleita a plateia. Sentada a meu lado, minha esposa puxou-me a mão para sentir-lhe o arrepio quando ele cantou sua “Excelência”, título que bem poderia referir-se à qualidade do repertório levado ao palco, quase completamente autoral.

São Luís foi a segunda cidade a receber o espetáculo. A temporada 2022 da formação foi aberta na capital mineira, após dois anos de eventos sem plateia, em decorrência da prolongada pandemia de covid-19. Os ingressos a preços populares (R$ 30,00 para qualquer setor do teatro) certamente colaboraram para que o público lotasse a casa – antes do espetáculo, parte dos presentes se deparou com uma espécie de “overbooking”, com alguns lugares tendo sido vendidos em duplicata pelo sistema digital que operava a venda de ingressos, mas logo o problema foi resolvido; este repórter, com ingressos para uma frisa, acabou na plateia. A turnê tem patrocínio do Instituto Cultural Vale, através da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

O que se viu foi uma verdadeira comunhão entre público e plateia: a alegria estampada nos rostos, duas violinistas cantarolando o repertório enquanto cumpriam suas funções, o público cantando os refrões quando provocado por Nóbrega, que chegou a se deitar no palco, tão à vontade estava, e mesmo a descer dele para cantar à altura do público. Quando solou uma peça acompanhado apenas de pandeiro e zabumba, chegou a desamarrar o cadarço do tênis do pandeirista e atirá-lo à plateia.

Tudo era literalmente brinquedo.

Nóbrega dedicou a apresentação a Mestre Zumbi Bahia, capoeirista, e ao antropólogo gaúcho Norton Correa, ambos adotados por São Luís. Foi comovente também ouvi-lo cantar “O trenzinho do caipira”, tema de Heitor Villa-Lobos que ganhou letra no “Poema sujo” do maranhense Ferreira Gullar.

O artista esbanjou versatilidade e aqui e acolá arriscou uns passos de frevo e maracatu, ritmos que dominam o repertório do concerto, passeando por várias fases de sua carreira, desde o Quinteto Armorial até temas quase inéditos, executados também na apresentação inaugural da turnê.

Todo brasileiro deveria ter um pandeiro. E poder ir, ao menos uma vez, a uma apresentação de Antonio Nóbrega.

Amores, im/permanência e maturidade

[release]

Inspirada estreia solo de Carolinaa Sanches (vocalista dos grupos Caburé Canela e Pisada da Jurema), “Curva de rio” chega às plataformas de streaming dia 8 de abril (sexta-feira)

Curva de rio. Capa. Reprodução

Após disponibilizar dois singles, a cantora Carolinaa Sanches lança no próximo dia 8 de abril (sexta-feira), o álbum “Curva de rio”, sua estreia solo – ela integra os grupos Caburé Canela e Pisada da Jurema, além de ser artista visual e uma das gestoras da editora artesanal Grafatório, cujas obras-primas lançadas garantem a felicidade de quem ama livros.

O trabalho reafirma seu talento e maturidade artística. “Curva de rio” abre com “Cantar” (Carolinaa Sanches), o segundo single apresentado ao público, que conta sobre o mágico, difícil e sagrado ofício do verbo que lhe empresta o título. Ela se acerca de gerações distintas de cantores, nas presenças da veterana Alzira E., além de Gustavo Galo (da Trupe Chá de Boldo) e Isabela Lorena, também da Pisada da Jurema.

“Quando você chegou/ eu quis comemorar/ eu quis dançar até o amanhecer/ eu quis beijar você”, segue “Instante” (Carolinaa Sanches/ Layse Moraes), segunda faixa do álbum. A esta altura o ouvinte já está envolvido e bem poderia ser ele, ela, qualquer um de nós, devolvendo à Carolinaa a declaração. Cantada a seis vozes – além de Carolinaa e a parceira, Caruh Spisla, Francesco Mugnari, Guilherme Kirchheim e Mariana Franco –, um clima samba-jazzy se instala, no diálogo entre contrabaixo (Mariana Franco), teclado (Lucas Oliveira) e bateria (João Bolognini).

“Curva de rio” é delicado, bonito, gostoso de ouvir. Um alento nestes tempos trevosos. Letras inteligentes dialogam com melodias que convidam à dança. Carolinaa Sanches literalmente põe o coração na voz. “Cartas claras sobre a mesa/ desfrutar dos nossos sóis/ e a gente de peito aberto/ cada vez chega mais perto/ de entender o que é nós”, como diz na letra de “Nós” (Carolinaa Sanches), canção de amor que se equilibra entre o xote e o jazz, pontuada pelos contrabaixos de Mariana Franco (que também canta na faixa), a bateria de Paulo Moraes e o clarinete de Pedro José – os três, seus colegas de  Caburé Canela.

Ao longo do disco, Carolinaa revela-se, desnuda-se, derrama-se, entrega-se por completo. “Entre uma palavra e outra/ entra uma palavra noutra/ nenhuma boca chama assim meu nome/ nenhuma boca deixa em chama assim”, começa a letra de “Primeira primavera” (Carolinaa Sanches/ Barbara Blanco), cantada em dueto com Fernanda Branco Polse. Sim, o amor (e suas declarações) permeia(m) “Curva de rio” – um rio que transborda amores –, mas aqui o mais universal (e manjado) dos temas de música e poesia é cantado de forma extremamente original.

Se “amar é um elo entre o azul e amarelo”, como diria o conterrâneo Paulo Leminski – ele curitibano, ela londrinense –, a cantora e compositora dialoga com o universo do poeta em “Profundo amarelo” (Carolinaa Sanches), outra faixa em que baixo e clarinete se destacam. Versos como “não fosse tanto era quase/ não fosse isso era menos” invertem o título do famoso livro do artista multimídia (antes de o termo ser inventado), o que ela também é, mantendo o diálogo, o respeito e fazendo merecida reverência.

Em “Órbita” (Carolinaa Sanches), a canção mais experimental do disco, ela canta, em quarteto com Pedro José, Mariana Leon e Mariana Franco: “sentir seu coração/ faz-me entrar em outra constelação / e mesmo sem entrar em órbita/ eu já consigo tirar meus pés do chão/”. O ouvinte é tripulante da nave musical, viagem sem volta tanto a quem já conhecia a artista dos grupos que ela integra quanto àqueles a quem será apresentada por este lançamento.

Primeiro single lançado, em fevereiro passado, e primeira faixa a ganhar videoclipe, “Petricor” (Maria Thomé), literalmente o cheiro da chuva, é canção ensolarada – e não reside aí nenhuma contradição –, espécie de arco-íris do disco. O baião, de autoria da percussionista da Caburé Canela, reafirma a estreita ligação de Carolinaa Sanches com a cultura popular nordestina, algo percebido ao longo de todo “Curva de rio”.

O inspirado disco termina com “É” (Carolinaa Sanches), canção de despedida com os dois pés nos terreiros das religiões de matriz africana, infelizmente ainda alvos de tanta discriminação e violência. A faixa reflete sobre o individual e o coletivo, reivindicando o respeito aos seres humanos, mais que independentemente de suas diferenças, mas para além e também por causa delas. É faixa quase exclusivamente feminina, a que comparecem Thais Hamer (alfaia e voz), Maria Thomé (tambor de mão e voz), Edna Aguiar (voz), Guilherme Kirchheim (voz), Isabela Lorena (voz), Naná Souza (voz), Thunay Tartari (voz) e Mariana Franco (voz). “Junto ser único”, palavra de ordem.

Carolinaa Sanches não anda só; além de aqui e acolá seus colegas de bandas comparecerem, ao álbum plural se fazem presentes mais de 20 artistas, entre autores, intérpretes e instrumentistas. Artista de raro talento, em seu solo ela está muito bem acompanhada, como a subverter o dito popular: Gabriel Kruczeveski (flauta transversal, efeitos, violão e voz), João Bolognini (bateria), Lara Moratto (flauta transversal), Lucas Oliveira (teclado), Maria Thomé (tambor de mão, caxixi, zabumba, triângulo e voz), Mariana Franco (contrabaixos, violão e voz), Paulo Moraes (bateria) e Pedro José (clarinete, viola caipira e voz) formam sua banda base.

Essa soma de talentos e a entrega de cada um/a a cada nota, garantem uma diversidade de timbres que mantém o disco distante de qualquer sintoma de monotonia. “Curva de rio” foi gravado em Londrina, no Toqô Estúdio, por Gabriel Kruczeveski, que assina também sua mixagem e masterização. A direção musical é de Mariana Franco. A capa é assinada pela própria Carolinaa Sanches, sobre foto de Paula Viana.

Carolinaa Sanches resume o conceito por trás do título do disco: “A princípio pensava na curva de rio como um espaço onde as “coisas” param. No meio do processo fui entendendo que as coisas param por um tempo, pois o rio está sempre em movimento e as leva para outros lugares. Então as coisas passam pela curva. As “coisas”, nesse trabalho, dizem respeito mais às “pessoas” mesmo. Como é um trabalho que envolve muitos anos, envolve diferentes amores em que me inspirei para as músicas, e também, foi um álbum construído a muitas mãos. Tenho pensado que a curva sou eu. O espaço que permitiu que outras acessassem e conhecessem essa parte do rio. Aceitando a impermanência e também a permanência das relações. A curva de rio pode ser vista de cima e também de dentro, mergulhada nos amores profundos, que mesmo que findem, ficam”.

“Curva de rio” tem patrocínio do Promic (Programa Municipal de Incentivo à Cultura da Prefeitura de Londrina). Ouça sem moderação!

A cantora, compositora e artista visual Carolinaa Sanches. Foto: Paula Viana

Serviço: “Curva de rio”, álbum de Carolinaa Sanches. Disponível nas plataformas de streaming na próxima sexta-feira (8). Siga a cantora nas redes sociais e plataformas digitais: instagram, spotify, youtube, deezer e apple music. Faça a pré-save:

%d blogueiros gostam disto: