Um choro abolerado

[release]

Identificados com o universo brega, Marcos Magah e Walfredo Jair são os convidados do último sarau da temporada 2021 de RicoChoro ComVida; as outras atrações são o Quarteto Crivador e a dj Vanessa Serra

O cantor e compositor Marcos Magah. Foto: divulgação
O cantor Walfredo Jair, ídolo seresteiro. Foto: divulgação
A dj Vanessa Serra. Foto: divulgação

O constante estímulo ao diálogo entre diferentes gêneros musicais e gerações distintas é uma premissa do sarau RicoChoro ComVida desde sua origem – e até antes, em outros projetos idealizados e desenvolvidos por Ricarte Almeida Santos.

Puristas sempre torceram os narizes, mas essa estranheza e esse atrito acabam sendo vitamina para a cena musical, que se fortalece com estes encontros, às vezes inusitados.

Se Raul Seixas é hoje considerado um dos maiores nomes do rock nacional e, por que não dizer, da música popular brasileira, pouca gente sabe ou se lembra de que ele foi um dos inventores do brega como o conhecemos hoje, tendo sido guitarrista do disco de estreia de Odair José e fornecedor de sucessos para os repertórios de Diana e Jerry Adriani, entre outros.

Quem for ao sarau RicoChoro ComVida desta sexta-feira (26) vai entender do que se está falando. Marcos Magah e Walfredo Jair são os artistas convidados, ambos nomes identificados com a música brega, cada qual a seu modo. O segundo foi integrante de Os Fantoches, uma das maiores bandas de baile já surgidas em São Luís, e é nome de destaque na noite ludovicense, animando bares, restaurantes e casas noturnas com seu dançante repertório de boleros. O primeiro ajudou a consolidar a cena punk na capital maranhense, como integrante da banda Amnésia, tendo retomado à música alçando voo solo com o lançamento de “Z de vingança” em 2012, disco com pitadas de brega, rock e psicodelia.

Originalmente programado para acontecer no Largo da Igreja do Desterro, em reverência a Walfredo Jair, artista oriundo da região, o sarau RicoChoro ComVida de sexta-feira (26), às 18h, que encerra a temporada 2021 do projeto, terá como palco o mesmo cenário de suas duas edições anteriores: o jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro). O evento é gratuito e aberto ao público.

Walfredo Jair e Marcos Magah serão acompanhados pelo Quarteto Crivador, formado por Fleming Bastos (bateria), Rui Mário (sanfona e direção musical), Tiago Fernandes (violão sete cordas) e Wendell de la Salles (bandolim). O grupo, formado por virtuoses em seus respectivos instrumentos, leva o nome de um dos três tambores da parelha do tambor de crioula, revelando em seu batismo a influência da diversidade rítmica da cultura popular maranhense, em um estreito diálogo entre choro e tambor de crioula, bumba meu boi, lelê, tambor de mina, cacuriá, tribo de índio e coco, entre muitos outros.

Vanessa Serra é a dj convidada desta edição do sarau, que fecha com chave de ouro a temporada 2021 de RicoChoro ComVida. Jornalista de formação, produtora por vocação e pesquisadora musical por hobby transformado em profissão, sua presença tem tudo a ver com o espírito deste sarau, em particular: boleros e sambas-canções, além de temas desbragadamente bregas costumam figurar em suas inspiradas playlists, sem falar, é claro, no choro.

As três edições de RicoChoro ComVida em 2021 foram garantidas por meio da emenda parlamentar 39210011 OGU 2021, destinada pelo deputado federal Bira do Pindaré à Prefeitura Municipal de São Luís, através da Secretaria Municipal de Cultura (Secult). O sarau musical tem produção de RicoChoro Produções Culturais, Girassol Produções e Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt, e conta com tradução simultânea em Libras, a língua brasileira de sinais, banheiros acessíveis e assentos preferenciais próximo ao palco.

Divulgação

Serviço

O quê: sarau RicoChoro ComVida
Quem: DJ Vanessa Serra, Quarteto Crivador e os cantores Marcos Magah e Walfredo Jair
Quando: dia 26 de novembro (sexta-feira), às 18h
Onde: Jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro)
Quanto: grátis
Apoio cultural: emenda parlamentar nº. 39210011 OGU 2021, do Deputado Bira do Pindaré à Prefeitura de São Luís
Informações: facebook: ricochorocomvida; instagram: @ricochoro

Era de ouro do rádio será lembrada em transmissão online

[release]

Cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro passearão por clássicos do cancioneiro brasileiro; gravação acontece neste domingo (21) e terá participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra

O cantor Almeida Marcus. Foto: divulgação

Uma homenagem à era de ouro do rádio é a proposta do espetáculo musical apresentado pelo cantor Almeida Marcus, acompanhado pelo supergrupo Era de Ouro, com as participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra. O show, que terá transmissão online, será gravado neste domingo (21), no estúdio Pró Áudio. A gravação acontece com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, no Maranhão administrados pela Secretaria de Estado da Cultura.

Almeida Marcus conta como surgiu a ideia, uma homenagem à sua avó, de quem herdou o bom gosto musical. “A era de ouro do rádio me acompanha desde criança. Foi por meio da minha avó, Benedita, que a gente chamava de vovó Bibi, e, como meus pais moravam no interior, trabalhando, eu morava aqui na capital onde nasci, com ela. Ali eu sempre fui embalado, sempre escutava as músicas dos anos 1920, 30, 40, aquelas músicas na época que o rádio conquistou a sua máxima, vamos dizer assim, apesar de até hoje ele estar aí entre os meios de comunicação. Entre os cantores que eu ouvia estavam Ângela Maria, Herivelto Martins, Lupicínio Rodrigues e assim por diante. Eu sempre gostei de cantar, quando criança eu participei de festivais, participei de escola de samba, na adolescência e na juventude cheguei a cantar em banda, fiz carnavais, e acabei enveredando para a área do samba, onde eu vez ou outra sempre participava em algum momento, mas nada profissionalmente. Até que essa minha avó veio a falecer e eu resolvi homenageá-la e fiz um show no Lítero da Praça João Lisboa. Foi sucesso de público e crítica e desde então eu já realizei duas lives beneficentes, com uma boa arrecadação, já fui contratado para alguns eventos particulares e surgiu essa oportunidade, pela Lei Aldir Blanc”, conta.

“Eu estava no estúdio de Luiz Jr. Maranhão, quando eu pensei em realizar esse show no Lítero de que falei, e a gente conversando, lá estavam Ricarte e Luiz Jr., que por coincidência estava gravando um álbum de Dona Célia. E surgiu o nome dela, em razão de que ele foi comentar sobre o álbum e a gente procurava uma voz feminina e encontrou Dona Célia e desde então ela está presente em todos os eventos da era do rádio, é a nossa dama maior”, revela sobre o convite e a participação da cantora Célia Maria, com a reverência devida.

O supergrupo Era de Ouro. Da esquerda para a direita: Fleming Bastos, Cleuton Silva, Daniel Cavalcante, Rui Mário, Tiago Fernandes e Marquinhos Carcará. Foto: divulgação

Almeida Marcus será acompanhado pelo grupo Era de Ouro, formado por Tiago Fernandes (violão de sete cordas), Daniel Cavalcante (trompete), Cleuton Silva (contrabaixo), Rui Mário (acordeom, teclado e direção musical), Marquinhos Carcará (percussão) e Fleming Bastos (bateria).

A apresentação contará também com a participação da dj Vanessa Serra. “Além de jornalista é uma pesquisadora musical, e Vanessa gosta muito desse tipo de música e tem até uma live dominical chamada “Alvorada”, então o convite foi algo muito natural, tem tudo a ver com o propósito”, elogia Almeida Marcus.

Ele revela as expectativas e agradece novamente a saudosa e querida avó: “É uma mistura de ansiedade, medo, vontade de fazer, e que dê tudo certo. Pena que não pode ser presencial. ainda, por que eu curto mais o lance do show, do público, da presença, mas realizar essa apresentação por meio da Lei Aldir Blanc, ajudar tanta gente, tantos profissionais que estão aí envolvidos em todo esse projeto da era do rádio, que deu certo e que eu agradeço a vovó Bibi”, finaliza.

Serviço

O quê: gravação do espetáculo “A era de ouro do rádio”
Quem: o cantor Almeida Marcus e o grupo Era de Ouro, com participações especiais da cantora Célia Maria e da dj Vanessa Serra
Quando: a gravação acontecerá dia 21, às 19h (a veiculação pelo youtube e redes sociais será divulgada em momento oportuno)
Onde: Estúdio Pró Áudio
Patrocínio: Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc, cujos recursos, no Maranhão, são administrados pela Secretaria de Estado da Cultura

Meu paizinho, meu professor

Seu olhar iluminado é meu farol. Foto: acervo pessoal.

Depois de me apanhar na oficina, no trajeto a caminho de casa o motorista indagou algo sobre o conserto do carro, o que respondi entre elogiar o lanterneiro – a quem talvez eu tenha arrumado um cliente, pois meu interlocutor ficou de passar lá para fazer um orçamento: a qualidade do serviço, a agilidade, o preço. E emendei: aproveitei que ele estaria trabalhando hoje, feriado, já que é mais complicado ficar sem carro em dias úteis.

O motorista retrucou que hoje não é bem um feriado, que é um dia tão triste que ele mesmo, prefere trabalhar para não ter que lembrar de todos os que já partiram e estão lá em cima nos esperando, que um dia chegaremos todos lá. Retruquei apenas que era a nossa única certeza e, como a corrida era curta, a conversa ficou por aí.

Depois me peguei pensando em meus avós maternos, ambos já falecidos, do hábito deles, que não cultivo, mas muito acompanhei durante a infância, de visitar seus mortos a cada 2 de novembro, dia de finados. E lembrei do poeta Nauro Machado, que todos os sábados visitava os pais no Gavião.

A data passou a ter outro significado para mim desde que, em 2015, nasceu José Antonio, meu filho. Hoje me peguei pensando no milagre da vida em geral e da vida dele em particular: um parto difícil e prematuro que fez com que eu mesmo fosse o primeiro a imaginar o bullying que ele sofreria ao chegar à escola, uma troça que fiz comigo mesmo, ainda no hospital, talvez numa tentativa de aliviar a tensão, especialista que sou em tirar sarro de mim mesmo.

Até hoje não havia comentado isto com ninguém, mas não conseguia parar de imaginar meu filho sendo chamado de “finadinho”, em razão do dia em que nasceu e num trocadilho, ao menos na minha cabeça, com o simpático Penadinho, um fantasma criado por Maurício de Sousa, um dos responsáveis pela alfabetização de milhões de brasileiros, não o jogador de vôlei homofóbico.

O menino é pai do homem, como ensinou o bruxo do Cosme Velho. José Antonio veio ao mundo para ensinar e tenho me esforçado para ser um bom aluno. Com ele, por exemplo, aprendi a escrever por partes. Explico: antes dele, quando eu ia escrever um texto (em geral jornalístico), eu precisava fazê-lo de uma vez e só levantar quando o trabalho estivesse pronto, independentemente do tamanho do texto. Com ele aprendi a fazer isso por partes, revezando-me entre a escrita e os cuidados com ele.

Não à toa, por exemplo, meu trabalho de conclusão do curso de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, na Estácio (ainda Faculdade São Luís, quando ingressei), só saiu depois de seu nascimento. Estudantes de jornalismo (e estudantes em geral): pulem este parágrafo! Demorei nove anos entre o fim das disciplinas e a defesa da monografia.

Não à toa também, na monografia e em meu livro “Penúltima página: Cultura no Vias de Fato” (Passagens, 2019) – e noutros que porventura vier a publicar – a expressão “A José Antonio Nunes Ribeiro, consagro” aparece às primeiras páginas, algo aprendido com João Antonio, mestre que consagrava seus livros a Lima Barreto. Cada um tem o professor que carece e merece.

Obrigado por tudo, filho! Feliz aniversário!

Jhoie Araújo celebra retorno aos palcos

[release]

O cantor é uma das atrações do sarau RicoChoro ComVida, que acontece neste sábado (6), no Museu Histórico e Artístico do Maranhão. As outras atrações são a cantora Lena Garcia, o Regional Caçoeira e o dj Victor Hugo

O cantor Jhoie Araújo. Foto: divulgação

“Estou muito feliz pelo convite. O RicoChoro ComVida, além de ter se tornado um evento necessário para o calendário de São Luís, é um importante marco como difusor de cultura e artistas maranhenses. O projeto está me permitindo cantar um repertório que gosto muito e quase não tenho oportunidade de apresentar, por conta das proposições dos locais e eventos que me disponho a cantar pra ganhar a vida”.

O depoimento é do cantor Jhoie Araújo, um dos convidados do sarau RicoChoro ComVida que acontece neste sábado (6), às 17h30, no jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro). Ele divide o palco com a cantora e compositora Lena Garcia e os dois terão como anfitrião o Regional Caçoeira, formado por Wendell Cosme (cavaquinho e bandolim), Tiago Fernandes (violão sete cordas), Wanderson Silva (percussão) e Vitor Monteiro (flauta). O dj da noite é Victor Hugo. O evento tem entrada franca, devendo ser observadas as normas de segurança sanitária vigentes. O uso de máscara é obrigatório.

“O projeto está me possibilitando dividir o palco com a Lena, que além de ser minha amiga, me embalou quase toda manhã no programa Santo de Casa. Quando a conheci, por volta de 2015, fiquei emocionado em saber de quem era a voz por trás da música “Nenhuma estrela”, fora a memória afetiva de vê-la interpretando a canção que ficou em primeiro lugar no festival João do Vale. Estou falando tudo isso pra provar o quanto são incríveis os encontros que RicoChoro ComVida proporciona”, continua Jhoie Araújo.

Ele adianta, mas sem entregar completamente, o que está preparando em termos de repertório, para a apresentação: “reuni cações que gosto de cantar e me levam pra lugares e cenas diversas, um panorama que vai de Cesar Teixeira, passa por Cartola e desemboca em “Kumbaya”, que é uma música do meu amigo Sfanio que tive uma grande felicidade em gravar com a minha banda Baré de Casco”.

O cantor, que como todos os trabalhadores e trabalhadoras da cadeia produtiva da cultura, teve que paralisar as atividades em razão do isolamento social imposto pela pandemia de covid-19, comenta a atual realidade brasileira, a importância da arte para atravessar a crise sanitária, e o retorno aos palcos, no projeto RicoChoro ComVida: “acredito que a maior riqueza que a gente pode ter é a arte, não de uma maneira romântica; passamos por uma treva e a possibilidade, mesmo com restrições, de nos apresentarmos, com responsabilidade, é impagável, afinal, fizemos frente a toda essa desgraça que aconteceu; com certeza contribuímos para manter a sanidade mental nesse período e tentamos desde sempre levar alimento a alma”.

As três edições do sarau RicoChoro ComVida em 2021 foram garantidas por meio da emenda parlamentar 39210011 OGU 2021, destinada pelo deputado federal Bira do Pindaré à Prefeitura Municipal de São Luís, através da Secretaria Municipal de Cultura (Secult). O evento tem produção de RicoChoro Produções Culturais, Girassol Produções e Sociedade Artística e Cultural Beto Bittencourt, e conta com tradução simultânea em Libras, a língua brasileira de sinais, banheiros acessíveis e assentos preferenciais próximo ao palco.

Serviço

O quê: sarau RicoChoro ComVida
Quem: DJ Victor Hugo, Regional Caçoeira, os cantores Jhoie Araújo e Lena Garcia
Quando: dia 6 de novembro (sábado), pontualmente às 17h30
Onde: Jardim do Museu Histórico e Artístico do Maranhão (MHAM, Rua do Sol, 302, Centro)
Quanto: grátis
Apoio cultural: emenda parlamentar nº. 39210011 OGU 2021, do Deputado Bira do Pindaré à Prefeitura de São Luís
Informações: facebook: ricochorocomvida; instagram: @ricochoro

“Andarilho Parador” e o reencontro de Djalma Chaves e Nosly com o público

[release]

Artistas se apresentam na Concha Acústica Reinaldo Faray (Lagoa da Jansen), dia 7 de novembro (domingo), às 19h

Nosly e Djalma Chaves voltam a se encontrar com o público no próximo dia 7. Foto: Zema Ribeiro

O show “Andarilho Parador”, de Djalma Chaves e Nosly, realizou duas temporadas, entre 2015 e 2018, percorrendo cidades do interior do Maranhão, e capitais brasileiras, como Teresina/PI, Belém/PA e Brasília/DF.

Já havia algum tempo que os amigos não subiam juntos ao palco – situação agravada pela infelizmente ainda vigente pandemia de covid-19 –, mas obedecendo todos os protocolos de segurança sanitária, Djalma Chaves e Nosly voltam a se apresentar neste domingo, 7 de novembro, às 19h, na Concha Acústica Reinaldo Faray (Lagoa da Jansen), em São Luís.

O show tem entrada franca, graças ao patrocínio da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc.

“Tivemos todos que parar de trabalhar durante a pandemia. Isso aconteceu com toda a cadeia produtiva da cultura e também fazemos parte disso. Agora, seguindo todos os protocolos recomendados, voltaremos a desfrutar do calor da plateia”, entusiasma-se Nosly.

“Djalma Chaves é uma das minhas referências e tocar ao lado dele, pra mim, é uma honra muito grande. São muitos anos de amizade fraterna e andanças musicais. Então, resolvemos juntar, levar tudo isso pro palco”, continua.

O nome do show surge a partir da junção do título de dois discos dos artistas: “Andarilho”, de Djalma Chaves, e “Parador”, de Nosly, que depois deste já lançou “Sambas”, inteiramente dedicado a este gênero musical.

““Andarilho Parador” é nosso moto contínuo, nossa engrenagem, amor, afeto e música no palco. Estamos acompanhados, nesse show, de grandes amigos, músicos de altíssimo nível”, elogia Nosly (voz e violão), referindo-se a, além de Djalma Chaves (voz e violão) e ele próprio, Murilo Rêgo (teclados e direção musical), Rui Mário (sanfona), Sued (guitarra), Mauro Travincas (baixo) e Fleming (bateria). A produção é de Tatiana Ramos.

Para Djalma Chaves, a volta aos palcos é motivo de “uma ansiedade muito grande: o artista não vive sem a troca de energia com o seu público. No decorrer da pandemia, eu e Nosly trocamos muitas ideias, virtualmente, e vamos finalmente poder colocá-las em ação nesse reencontro presencial com o nosso público”.

“O repertório do show será composto por músicas autorais, parcerias, além de algumas pérolas do genial conterrâneo João do Vale, com uma mescla de ritmos como pop, xote, bumba meu boi, baião e reggae. Será um show pra cima, com um momento relax onde faremos duas músicas no estilo “um banquinho, um violão””, antecipa Djalma Chaves.

“Tem algumas músicas novas também. O repertório está super alinhado com nossa proposta, de proporcionar à plateia o nosso melhor”, finaliza Nosly.

Serviço

O quê: show musical “Andarilho Parador”
Quem: Djalma Chaves, Nosly e banda
Quando: dia 7 de novembro (domingo), às 19h
Onde: Concha Acústica Reinaldo Faray (Lagoa da Jansen), São Luís/MA
Quanto: grátis
Patrocínio: Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão (Secma), com recursos da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc
Informações: facebook.com/andarilhoparador

%d blogueiros gostam disto: