A adolescência da Aldeia numa noite de reencontros

Enme Paixão
Dicy
Tássia Campos
Beto Ehong
Vinaa
Afrôs

TEXTO: ZEMA RIBEIRO
FOTOS: ADETA HOLANDA

O baile de debutante da Aldeia Sesc Guajajara de Artes tomou forma no Teatro Sesc Napoleão Ewerton, com o show de cinco artistas e um grupo representativos da música autoral produzida por no Maranhão.

O festival do Sesc Maranhão consolidou-se, ao longo de 15 anos, como o evento mais importante realizado anualmente pela instituição no estado e como um dos mais importantes do calendário cultural maranhense.

Um festival dentro do festival, é como podemos nos referir à noite de ontem, “Uma aldeia nunca é só”, como dizia o título do evento e ainda bem. A única reclamação do público, além de algumas falhas na veiculação de um vídeo com a memória da Aldeia, certamente foi cada artista ter cantado somente duas músicas.

O público estava ávido por algo como aquilo. Aos poucos as coisas tornam à normalidade, ainda que dentro do possível – diante da irresponsabilidade e perversidade de gestores públicos – e ainda que mais lentamente do que gostaríamos.

Tudo era um luxo, da “Armadilha”, de Marcos Ferreira, um painel de crochê, o cenário, à banda base, que acompanhou os cinco primeiros artistas a se apresentarem: Israel Dantas (violão e direção musical), Pedro Henrique (trompete), Lionel Almeida (contrabaixo), Dark Brandão (percussão), Oliveira Neto (bateria) e Rui Mário (teclado e sanfona).

A primeira a subir ao palco foi a rapper Enme Paixão, artista queer empoderada, representando a população LGBTQIA+. Recebida pelo público com imenso carinho, foi a primeira da noite a ouvir pedidos de bis. A plateia gritava “Juçara” repetidas vezes clamando por mais um – não foi atendida. Mas ela levou o público ao delírio ao cantar “Batidão”, lançada ano passado, que estreou hoje na Netflix, na trilha de “Valentina” (2020), de Cássio Pereira dos Santos. Enme é a primeira artista maranhense a ter uma música na plataforma de streaming.

Dicy, com sua habitual elegância, reapresentou ao público seu canto delicado e ao mesmo tempo potente. Cantou “Não há nada em seu lugar” (Ain’t no sunshine when she’s gone) (Bill Withers, versão de André Gabeh) e “Oferenda”, da cearense Cyda Olímpio (um talento que o Brasil precisa conhecer), e eu vi Maria, filha de Thierry Castelo, baterista das Afrôs, e Quilana Viegas, assistindo e dançando entre a beira do palco e os bastidores. O público dançava nos corredores do teatro e marcava com as palmas.

Tudo tinha sabor de saudade e reencontro. Artistas e plateia pareciam parentes em saguões de aeroportos. Pinto no lixo que se diz, não é? Tássia Campos, que lembrou os tempos em que o produtor e guitarrista João Simas acompanhava-a na noite ludovicense, atacou de “Sayonara” (Luís Lima) e troçou de si mesma, “a minha memória já não é tão boa” (e eu espremo a minha para dar conta de tentar traduzir o que aconteceu ontem), pedindo antecipadas desculpas ao público caso errasse a letra de “Flor do mal” (Cesar Teixeira), durante a qual se envergou umas poucas vezes para ler trechos na tela de um celular postado no chão em frente ao retorno por um baixista e roadie que eu sei que vai ler este texto e dizer isso aqui é uma forma de homenageá-lo, seu talento e competência onipresentes aos grandes eventos musicais da cidade de São Luís. Altas doses, Fernando Aquino!

Na sequência era a vez de Beto Ehong, um dos grandes nomes de sua geração, nosso mais representativo elo com o manguebit de Chico Science e seus malungos. Com a cara pintada de vermelho urucum e trajando chapéu de palha, óculos escuros e uma rede de saia com os punhos ao pescoço e peito, entre um traje mangueboy e uma citação ao miolo do bumba meu boi, cantou suas “Na fita”, lançada ano passado, já durante a pandemia, com participação especial de Flávia Bittencourt e seu diálogo entre boi e trap, ontem com o bônus da citação a “Little Johnny” (Chico César/ Jah Marcus), obra-prima cantada em dueto pelos autores em “Bambas dois” (2011), e a antirracista e antifascista “Tribo futurista”, que veio à luz este ano, ainda durante a pandemia, com a poderosa presença de Rita Benneditto.

Vinaa esbanjou o talento habitual: senhor de si é o dono absoluto do palco. Curiosamente desceu dele para cantar e dançar entre a plateia e fazê-la levantar-se das cadeiras. Um rei de verdade faz os súditos aplaudirem-no de pé e não se ajoelhar. Depois de “Três lençóis” (Vinaa), dedicou sua apresentação às famílias que perderam membros para a covid-19 – a plateia irrompeu em gritos de “Fora Bolsonaro!”.

Outro feito raro em “Minha melhor versão”, inédita de Betto Pereira e Gilberto Mineiro que ele gravou em “Fé de Alimária”, sobre o que tínhamos conversado na tarde de ontem (16) no Balaio Cultural da Rádio Timbira AM: botou a plateia para cantar junto, mesmo sendo a primeira apresentação da música em público (o novo disco de Vinaa só chega às plataformas no fim de novembro).

Sei que já me torno repetitivo de tanto falar em saudade. E também saudoso, de tanto insistir nessa repetição. Mas as Afrôs, após o intervalo em que foram exibidos vídeos institucionais do Sesc, tempo necessário para rearrumar o palco, com a saída da banda base e a entrada do sexteto: Fernanda Preta (voz e percussão), Cris Campos (voz e percussão), Jânia Lindoso (percussão e vocal), Melannie Carolina (voz e contrabaixo), Hugo César (guitarra) e Thierry Castelo (bateria e vocal). O grupo contou com a performance da dançarina Tieta Macau, que se encontrou com um bumba meu boi no palco, como a – saudades mais uma vez, dessa vez do futuro – antecipar o próximo São João.

Foram de Mestra Caixeira (Cris Campos), a “Entre o chão e a encantaria” (Afrôs). Antes de, como disseram, serem autorizadas por Isoneth Almeida, coordenadora de cultura do Sesc/MA, a cantarem mais uma, Cris Campos mandou o recado: destacou a importância do Sesc no Brasil, cumprindo o papel que deveria ser do Ministério da Cultura que o país não tem mais. Fecharam a noite com “Maguinha cajuína” (Talita Cavalcante, ex-Afrôs), dividindo em cada presente a alma, satisfeita com o reencontro, do corpo, com um travo de quero mais atravessado na garganta.

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: