Arquivo mensal: junho 2020

O silêncio do boi e a voz do poeta

Boi. Capa. Reprodução
Boi. Capa. Reprodução

O jornalista e poeta Celso Borges é autor de pelo menos um clássico da música popular produzida no Maranhão, sobretudo no período junino. Muitos cantam e assobiam, mas poucos se ligam que ele é parceiro de Zeca Baleiro e do saudoso percussionista argentino Ramiro Musotto em A serpente (Outra lenda), de versos como “eu quero ver/ quero ver a serpente acordar/ pra nunca mais a cidade dormir”, gravada por Baleiro em seu álbum Pet shop mundo cão (2002).

Seus poemas-toadas, registrados nas páginas de seus livros, ou gravados por vozes como a de Cláudio Lima (Boi tarja preta, parceria com Alê Muniz, gravada em Rosa dos ventos, de 2017), vez por outra trazem ácidas críticas ao sistema político ou mesmo à degeneração de grupos de bumba meu boi, que veem a originalidade diluída, transformando-se em “boizinhos de butique” para “turistas de pacote”, conversa pra boi dormir pra inglês ver.

Se A serpente (Outra lenda) não figura na coletânea Boi (Editora Passagens, 2020, 56 p.; disponível para download gratuito no site da editora, bem como todos os títulos por ela editados) não faltam bons motivos para baixar o volume e lê-lo. A obra integra a coleção “Livrinho também é livro”, coordenada por ele e a editora Isis Rost, que já publicou os títulos Rua morta, de Luís Inácio Oliveira, e O declínio da narrativa, dela, todos em 2020, todos durante o período de isolamento social imposto pela pandemia de covid-19.

Em Boi, Celso Borges revê poemas e letras de música que têm o bumba meu boi como mote, escritos por ele ao longo dos últimos 25 anos, “tempos depois do compositor Giordano Mochel me dizer que o nosso coração pulsava no ritmo do boi. Eu já sentia isso naquela época, mas a certeza dessa verdade cresceu mais e mais nos anos seguintes”, anota o autor em “O silêncio do boi não é do boi”, à guisa de prefácio. Ele abre o texto: “Não ouvimos as toadas, matracas e zabumbas dos bois do Maranhão em 2020. Esta é a primeira vez na história, desde quando o boi se apresenta em quintais, terreiros, largos ou arraiais da cidade, que ouvimos apenas o silêncio ensurdecedor de nossa representação mítica mais potente. Este livrinho nasce dessa não voz, ou da poesia dessa voz na memória, ou do afeto que vislumbro a partir da falta do boi e suas zoadas essenciais”.

Com projeto gráfico e diagramação de Isis Rost, Boi é também uma coleção de representações do bumba meu boi, entre pinturas e fotografias, de nomes que vão de Pablo Picasso a Cícero Dias e Ribamar Rocha, passando pela xilogravura de J. Borges, entre outros. A capa apresenta o detalhe de uma pintura de Ciro Falcão sobre o São João do Maranhão.

[texto originalmente publicado no JP Turismo, Jornal Pequeno, de hoje (19)]

Dois contistas no bar após a pandemia

O escritor Rubem Fonseca. Foto: Zeca Fonseca. Divulgação
O escritor Rubem Fonseca. Foto: Zeca Fonseca. Divulgação
O escritor Sérgio Sant'Anna. Foto: Daniel Ramalho. Jornal Cândido. Biblioteca Pública do Paraná/ Reprodução
O escritor Sérgio Sant’Anna. Foto: Daniel Ramalho. Jornal Cândido. Biblioteca Pública do Paraná/ Reprodução

Sérgio passou em frente ao bar e notou a careca literalmente brilhante de Rubem, chope gelado recém-servido. Fazia calor e só com os olhares se convidaram e se permitiram a dividir a mesa. “Há tempos não vinha aqui. Não suporto bar com tevê. Mesmo se transmitem jogos. Se quero ver o Fluminense, vou ao Maracanã, mesas redondas, pra casa”, disse Sérgio, com intimidade que dispensava boa tarde e como vai. “Parei pela sede, calor. Também não gosto. Por isso não entrei”, respondeu Rubem. “Coisa que me tira do sério é essa turma que vem pra bar, teatro, show e não larga celular. A pandemia acabou, mas continuam levando o isolamento muito a sério. Ninguém mais conversa pra gente captar algo e escrever um novo conto”, continuou. “Piorou. Vivemos algo que nem nossas ficções foram capazes de criar”.

[Microconto que escrevi para concorrer a um edital do Itaú Cultural. Não ganhei. Como não sou de deixar nada na gaveta, publico aqui, aproveitando o ensejo para parabenizar os maranhenses Adriana Gama de Araújo, Celso Borges, Gustavo Marques da Silva Castro e Ícaro Novais, pela seleção no citado certame]

O caçador de groove e seu cacuriá eletrônico

[escrevi o release a convite de Thierry Castelo]

“Saudades do São João, né, minha filha?”. A pergunta virou meme. E memes, hoje em dia, ditam nossos humores – ou dizem respeito sobre eles. A pandemia de coronavírus legará à humanidade – ou ao menos à nação que se aglomerava pelos arraiais Maranhão afora – o primeiro mês de junho sem eles, os arraiais. Será uma experiência inédita ver artistas solo e grupos de bumba meu boi e tambor de crioula, entre outras manifestações típicas (não apenas do) período nas lives que viraram moda durante o isolamento social.

Sem se apresentar em palcos há três meses, o baterista Thierry Castelo (Criolina, Grupo Afrôs, Baré de Casco e Tiago Máci, entre outros) dedicou ao cacuriá, e particularmente ao Cacuriá de Dona Teté, o mais famoso do mundo, sua nova música. Administrado pelo Laboratório de Expressões Artísticas do Maranhão (Laborarte) desde o falecimento de sua frontwoman, a dança tem origem no cruzamento entre sacro e profano dos cantos e batuques tocados a caixa das festas do Divino Espírito Santo e é uma paixão de infância do músico, que apresenta igual desenvoltura entre as baquetas no palco e o gingado e a malemolência do cordão nos terreiros e arraiais.

Do encontro e reencontro com o cacuriá, Thierry se pergunta, desde sempre, como duas caixas do Divino e melodias simples têm tanto poder. “O cacuriá transformou a minha vida e principalmente a minha forma de ver a música e seu poder sobre o corpo e a mente das pessoas”, declara. Seu trabalho de pesquisa com os ritmos da cultura popular do Maranhão resultaram em um pseudônimo, o “Caçador de groove”, que ele assumiu para mergulhar numa música que atravessa os séculos e com que apresenta este seu Baticuriá.

O baterista Thierry, que assina letra, música e arranjos, também toca guitarras (com João Simas), teclados (com João Vitor Carvalho) e programações. O single foi gravado, mixado e masterizado no Deu na Telha Audiolab pelo músico João Simas e será disponibilizado nas plataformas de streaming neste sábado, 13 de junho, dia de Santo Antonio, não à toa o santo casamenteiro: ao ritmo ancestral do cacuriá, com samples da voz de dona Almeirice (nome de batismo da lendária e saudosa Teté), casa-se a eletrônica do baticu, sonoridade moderna de festas do tipo rave, que evoca a pegada das festas de aparelhagem do tecnobrega do vizinho Pará. O resultado é uma experiência sonora única, que alia tradição e modernidade sem forçar a barra.