(QUASE) DIÁLOGOS IMPROVÁVEIS

[QUE EU (OU)VI AO VIVO]

Manhã de sol, uma senhora caminha pela estreita calçada da Rua de São Pantaleão. Na esquina com a Rua da Misericórdia, já pisando a aprazível praça do boteco, cujo nome não sei, onde em frente há uma funerária (e assim chamávamos o restaurante onde íamos almoçar, “funerária”, eu à época trabalhando no Sindicato dos Ferroviários), ela avista o simpático senhor funcionário da funerária, que lavava um veículo, desses que transportam caixões e cujo nome (do carro) me foge à memória.

Ela diz, cumprimentando-o:

“Lavando aí nosso transporte, hein?”

Ele solta uma sonora gargalhada, como a responder-lhe um bom dia.

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: