DIET JUNK FOOD

não tenho ofício
poema pra mim
é vício

***

O EXORCISTA INFORMAL

mil vezes maldito
no meu milagre
eu mesmo acredito

***

NOCAUTE JACK

O poeta é fútil
a coisa é boa
o poema ba(s)te

***

MISHIMA

poeta samurai
fez hara-kiri
em vez de hai-kai

***

O QUE POUND DISSE
A ZÉ LIMEIRA NO PURGATÓRIO

– Arre égua!

Teu Paideuma
é paidégua.

***

48 HS NOIR

a menos que seja tarde
é só uma noite a mais
trama banal em preto e branco
dessa produção classe b

saxofones desamparados
na hora do prejuízo final

a menos que a manhã tarde
será só mais um lero
último elo escle/rosado
entre a fala morrendo na boca
e a cor do dia nascendo
entre o oco do copo
e o de quem está bebendo
breve
mente
mais
ou
menos

a menos que eu esteja
enganado
ainda é cedo
e nada mais arde

***

Poemas de Fernando Abreu, de sua estréia Relatos do Escambau (Exodus, 1998). Quarta-feira baixo com ele em Capinzal do Norte dentro do projeto Conversas Literárias, a convite da queridamiga Marla Silveira (BPBL), que organiza/coordena a parada.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s