Arquivo mensal: julho 2008

MAIS SEXTA

(OU: QUANDO UMA NOTA VIRA UM POST)

Não chego a chorar, mas casamento é coisa que sempre me emociona. Sábado passado fui no do amigo Anderson, que casava com Suely. Ele, na genealogia básica para o entendimento do leitor deste blogue, vem a ser irmão de Andréia, que namora Salim e por aí segue a quadrilha drummondiana, no caso, com finais (mais no caso ainda, inícios) mais felizes.

Entre cervejas, salgados, comida (ou vocês queriam ler buffet aqui?), bom papo e tudo o mais que rola num jantar de casamento, fiz umas fotos para consumo do casal e de seus familiares. E para um dia mostrarem ao guri (bruguelinho, como Anderson chamou em emocionante discurso antes de cortar o bolo), já encomendado à cegonha.

O natural, em qualquer lugar (e ocasião) onde estejamos bebendo, é este blogueiro ficar aporrinhando Salim. Minha namorada costuma contar a história de um careca amigo do pai dela, que de tanto ser aporrinhado (biscas na cabeça, entre outros “carinhos”, como os que faço em nosso personagem), um dia se vingou: desengatou o carro e o empurrou até uma rua próxima, onde meu sogro não via o veículo. Após muita procura, e já quase decidido a ligar para a polícia, o susto foi explicado e a aporrinhação continuou comendo solta.

Depois de paulinhos-da-viola, marisa-montes e outros discos que levei, Salim resolveu lembrar-se de seus tempos de dj e botou pra rodar um disco com aqueles clássicos de pista que eu nunca sei o nome nem quem canta (vá lá, um I will survive aqui, um It’s raining men acolá, além das coisas do Bee Gees d’Os embalos de sábado à noite), revelando os john-travoltas ali presentes (eles sempre estão presentes quando esse som rola). Uma música emendava na outra e eu mandava, minuto a minuto, um “Dj Salim”, carregando nas últimas sílabas, imitando a voz de djs de radiolas de reggae ou vocalistas de grupos de forró, que chateiam festas a noite inteira anunciando o “dj fulano de tal” ou “a radiola não sei das quantas” ou o “caralho de asas do forró”.

Depois, botei outra alcunha em Milas (o nome de Salim ao contrário) e anunciava para ele e quem mais estava na mesa: “dj Careca!” E nos fotografávamos fazendo caras e bocas e caretas e… epa!… e o papo continuava, divertido.

A semana em que já anunciei várias coisas para amanhã (aqui e no Rio, vide posts abaixo) começou e Salim me ligou: “dá um toque na galera que sou o dj convidado de uma festa sexta-feira [dia 18, amanhã, galera!] na Flamingo (Rio Poty Hotel) e vou botar uns sons good-times, anos 70 e 80. 23h“.

Fiz uma notinha e encaminhei aos amigos, imprensa e mais uma pá de e-mails. Então, o blá-blá-blá todo aí em cima, é só para avisá-los disso. Detalhes: 9969-6984.

TIÃO CHORÃO


[Tião incorporará João e outras facetas, sábado]

[…]

O capitalismo, principalmente quando se trata da relação da música, da arte, ele sai destruindo com muita força, com muita arrogância, é isso que eu sinto, quando tratamos do lado musical, social, cultural. É algo pesado. Por exemplo: é muito comum, esse ano eu não sei, mas eu já observei muitas vezes, por exemplo, em Cururupu, um [grupo de bumba-meu-]boi tradicional fazendo a festa dele, e ao lado, uma “radiola” de reggae com o som altíssimo. E o pessoal do boi cantando, fazendo um som sem microfone e a “vitrola” ali do lado. E as pessoas já não têm mais sensibilidade de pensar “ah!, hoje é dia de São Pedro, dia de São João, dia de São Marçal, dia de Santo Antonio…”, uma festa religiosa que as pessoas têm ali. Se não quisermos entrar no contexto religioso, poderíamos pensar que ainda assim, há ali uma manifestação cultural que deve ser respeitada.

[…]

Cantar João do Vale já é uma denúncia social. É uma coisa muito comum do brasileiro e do nordestino que tende a se perder também com a globalização. O pai Francisco, ele é isso aí, o quê que é o pai Francisco? É uma tragédia, né? É o cara que pega toda essa coisa trágica e traz alegria, brinca com a perda do filho, trapaceia daqui, trapaceia dali e faz a gente rir, mas no fundo o cara tá perdendo um filho.

[…]

*

Sobre capitalismo x arte/cultura e João do Vale, trechos de entrevista que fiz com Tião Carvalho em setembro de 2006. Você lê a íntegra no Overmundo e um bonus track neste modesto blogue. Recebido pelo Urubu Malandro [Antonio Vieira (percussão), Arlindo Carvalho (percussão), Domingos Santos (violão sete cordas), João Neto (flauta), Juca do Cavaco e Osmar do Trombone], o cantor e compositor, autor de Nós [já gravada por nomes como Ná Ozzetti e Cássia Eller] é o convidado da 41ª. edição do Projeto Clube do Choro Recebe, este sábado.

CANCELADO

Eduardo: mano o show foi cancelado ok?
eu: putamerda
bom, vou deixar o cartaz lá e dar um toque na turma
Eduardo: é foda
eu: o q houve?
Eduardo: o nélson alugou o bar para uma outra festa
sacanagem
eu: ahah, posso botar isso no blogue?
Eduardo: e o bar já estava arrendado para a festa que iríamos tocar
foda mesmo
rapaz só confirma a história toda com pedro
pq ele sabe a parada toda
ele tá online
cutuca ele aí
eu: num tá não
Eduardo: tá sim
eu: rapá, fui ao msn, tá não
Eduardo: só tá amarelo o link dele
no gtalk
eu: não o vejo
Eduardo: eu to vendo link amarelo
eu: eu não tou
diz pra ele me chamar então
Eduardo: de qualqer forma manda um email que ele responde
ok
já mandei o recado mano
daqui a pouco ele responde
vou indo agora
eu: mandei um e-mail pra ele também
Eduardo: beijunda e valeu pela força

Enviado às 12:35 de quarta-feira

Eduardo está off-line. As mensagens enviadas serão entregues quando Eduardo estiver on-line.

*

Bate-papo via gtalk com Eduardo Monteiro, baixista da Pedra Polida, sobre o cancelamento do show que a banda faria sexta-feira no Bar do Nélson. Não aguardei resposta do guitarrista e vocalista Pedro Venâncio. Não tentei contato com o baterista André Grolli, nem com o proprietário do bar. Pedro, Grolli, Nélson e quem mais quiser dizer algo sobre, a caixa de comentários é vossa.

Comentário infame deste blogueiro: a Pedra Polida entra na galeria de ilustres bandas como, entre outras, a Nação Zumbi, que já teve diversos shows cancelados em São Luís, capital brasileira que deve ser recordista nisso.

SAIBA, RAPAZ

Eu já não sonho com demônios. Melhor trilhar outros caminhos, trilha sanfoneira, por vezes tortuosos, por vezes com espinhos, circo dos horrores. Se a cidade fosse belo, amor, nascia flor no meio do calçadão. Não vou tirar meu chapéu pra qualquer vagabundo, tiro para saudar quem merece, bato palmas enquanto canto parabéns: abraço aqui Josias Sobrinho, irmão de copo e alma, que hoje (15), celebra mais uma primavera.

Aproveito o presente espaço, pois, para prestar-lhe pequena homenagem, certamente menor do que ele merece, que às vezes o corre-corre diário não nos permite dizer o que também é importante, imersos que estamos nos sempre muitos afazeres, o tempo da cultura, sempre apressado, chamando pra trabalhar.

Um de nossos grandes criadores, na constelação de gênios maranhenses. De Cajari pra capital, o Brasil conheceu o talento e tem reconhecido a importância de seu Engenho de flores, engenho e arte, de nossas mais representativas maranhensidades: um estado de alegria, mote que ele cravou para o nosso mais recente carnaval, que suas criações não se limitam às belas composições de seus discos e de discos alheios.

À frente da Superintendência de Ação e Difusão Cultural da Secretaria de Estado da Cultura do Maranhão, o aniversariante tem feito um belo trabalho, vide o São João 2008, que ainda não acabou, prorrogado com o Raízes da Maranhensidade, projeto bem sucedido que tem ocupado belamente a Casa do Maranhão e seguirá até o dia 2 de agosto, sempre às quintas-feiras, sextas e sábados, às 19h, gratuito.

Mas voltemos à Josias, embora não nos tenhamos distanciado dele neste texto que é tão somente para homenageá-lo, merecidamente. É preciso preparar o dia de findar a nossa dor. Se a dor não finda, certamente os dias ficam mais leves com sua poesia, o cheiro da pimenta de cheiro e a flor do maracujá. Som do Mará, autêntico, sem se preocupar com purismos ou rótulos: tradicional sem soar ultrapassado, moderno sem ser “só” da moda, atemporal como as grandes obras, estas se confundindo com seus mestres criadores.

A propósito, com as obras deste grande mestre criador ilustrei a paisagem deste artigo. Os trechos em itálico acima são pequenos pedaços do universo de Josias Sobrinho, verdadeiras pérolas de um artista e tanto. O título é de música minha, gravada por ele. Saiba, rapaz, de minha admiração, carinho e eterna amizade. Saúde, sucesso e tudo o que você merece. Um fraterno abraço e um brinde!

[Texto de Joãozinho Ribeiro, publicado ontem no Jornal Pequeno. Mexi no trecho em negrito para efeito de publicação neste blogue. É como também presto homenagem a este grande amigo. Um abraço, Josias! E um brinde!]

SEM FRESCURA

[…]

CINTHIA PASCUETO Como você encara o fato de ser artista, celebridade? Artista é uma coisa, celebridade é outra. Celebridade era uma coisa diferente antigamente. Acho que ser uma celebridade é um pouco além do nada. Não precisa ter nada, talento para nada. Imagino que uma pessoa que desenvolve alguma coisa dentro do espectro cultural de um país tem o que oferecer. Vejo essa síndrome de BBB [Big Brother Brasil], não oferecem nada, nem como pessoas. Mas se exige muito pouco delas também. É um princípio que me desagrada profundamente, tanto que não vejo. Não me interessa esse conceito de “tenho que me juntar com você pra fazer uma coisinha pra derrubar o outro”, não quero derrubar ninguém, não me interessa isso na vida. Viver dessa maneira, derrubando alguém.

[…]

THIAGO DOMENICI E o que você aprendeu com a leitura? Principalmente que estamos num mau caminho, jogando todo o futuro numas tecnologiazinhas sem importância e sem ligar para o nosso planeta. Outro dia, estava vendo um programa sobre o Sol. Em 1800 e tal, houve determinada explosão solar que botou fogo na tecnologia mais avançada que existia no planeta, o telégrafo. Todos os fios telegráficos pegaram fogo, é uma coisa que acontece de tempos em tempos com o Sol. Há uma previsão de que deve acontecer novamente, essa explosão em nossa direção. Estão prevendo para até 2012 essa nova tempestade solar que faria toda essa grande tecnologia ruir. Nós voltaríamos à estaca zero. E aí? Que se diz disso?

ROBERTO MANERA Isso não é catastrofismo? Isso é uma informação científica, não é um papo de louco.

SÉRGIO KALILI Mas o que você quer dizer com isso? É que a gente está achando que, tendo alcançado essa tecnologia, demos um salto. A evolução tem que ser humana, e essa não foi alcançada. Temos uma evolução tecnológica que uma explosão solar pode desativar e nós voltaremos a ter que plantar com as mãos. Então não estamos seguros de nada. Só estaríamos seguros se houvesse acontecido uma evolução humana, todos em prol de todos. Aí sim, estaríamos seguros, respeitando nosso planeta, a natureza que é nossa possibilidade de vida no planeta Terra. Enquanto não existir isso, não estaremos seguros de nada e nossa tecnologia, diante dessa possibilidade, uma possibilidade científica… não é coisa de louco. Quando li, fiquei chocado. E 2012 está aí.

THIAGO DOMENICI Por que você acha que não se avançou nesse sentido? Porque tomamos outro rumo.

THIAGO DOMENICI O capitalismo? É, o capitalismo. A preocupação humana é a economia, é o dinheiro, não é o bem-estar humano. O dinheiro está em primeiro plano, os seres humanos estão em terceiro ou quarto plano. É isso que digo: a evolução nos levaria a isso, uma evolução individual para eu me preocupar por vocês, vocês se preocuparem comigo. Não poluindo nosso planeta, não vivendo na loucura que a gente vive de ignorância total do rumo da vida, sabe?

[…]

@

Acima, trechos da entrevista “sem frescura” (conforme anuncia a capa da edição nº. 135, de junho/2008) de Ney Matogrosso à revista Caros Amigos. Vale muito a pena conferir a íntegra. O cantor “abre armários que nunca abriu em público: política, sexo, amor entre homens, drogas, velhas brigas, tratamento com a mídia — o artista que figura entre os maiores e mais queridos show-men do país não se recusou a falar de nada para nós”, anuncia a cabeça da entrevista. Vou voltar a assinar a revista, por essas e outras.

BALANÇOU NO CONGÁ

Um certo nervosismo, desespero, ou coisa que o valha, tomou conta da galera que tornou pequena a Rua de Nazaré, instantes antes do lançamento de Balançou no congá, disco póstumo de Lopes Bogéa produzido por Zeca Baleiro e lançado por seu selo Saravá Discos. O motivo: os meios de comunicação maranhenses, este blogue inclusive, noticiaram que a roda informal, onde alguns amigos se reuniriam para tocar canções do disco, teria entrada franca. Na verdade, houve a distribuição de convites para um seleto público. No fim das contas, a produção acabou liberando a entrada de todos os que perambulavam por ali e tomavam uma cerveja, antes, no 31, em frente ao pátio da Casa de Nhozinho.

Nesta primeira foto, parte do público e o cenário de céu e casario ludovicense, bonita soma.

Na foto acima, escura, Vandico do conforto de seu camarote. O homem-sorriso (Vandico é só alegria!) assistiu a tudo da janela de sua casa, vizinha à de Nhozinho.

Aqui, Josias Sobrinho e Cesar Teixeira dividem os vocais em Balaio de Guarimã, acompanhados por Luiz Jr. (violão), Robertinho Chinês (bandolim) e, ao fundo, e meio encobertos, Erivaldo Gomes e Luiz Cláudio (percussões).

Aqui, um dos grandes momentos da noite: dona Marieta, sobrinha do saudoso Lopes Bogéa, explica a origem dos versos de Marieta, vinheta que ele canta no disco, uma bela marcha: “vocês conhecem a dona Marieta?/ que sai de casa pra dar volta de lambreta/ a Marieta tem passeio diferente/ que faz coçar a língua dessa gente/ quando ela passa, a turma faz fiu-fiu/ lá vai a Marieta de lambreta pro Anil…” “Na década de 50, mulher não andava nem de bicicleta e eu, guerreira, já me mandava pro Anil de lambreta e titio ficava preocupado”, ela disse. Zeca Baleiro, às gargalhadas, como todo o público presente, mandou: “Mas a reputação de dona Marieta continua intacta”. Na foto, Luiz Jr., dona Marieta, Zeca Baleiro e o casal Criolina, Alê Muniz e Luciana Simões.

Ao final, o blogueiro convida Alê Muniz para o Clube do Choro Recebe. O Criolina subirá ao palco do Canhoto em breve. Hoje tem tributo a Cartola.

As fotos deste post são de Francisco Colombo, que operou o milagre com minha pessimáquina.

O BALAIO DE BOGÉA

Parceiro menos conhecido – mas não menos importante – de Antonio Vieira, o compositor maranhense Lopes Bogéa tem parte do reconhecimento merecido quase quatro anos após seu falecimento, em 13 de dezembro de 2004, quando já estava em curso o projeto de registrar suas composições em disco. Zeca Baleiro, Chico Saldanha, Joãozinho Ribeiro, Celson Mendes e João Pedro Borges fizeram diversas gravações na casa do compositor, antes de sua subida. Balançou no congá (2007) finalmente ficou pronto e foi lançado pelo Saravá Discos, que tem posto nas prateleiras, em pequenas tiragens, discos importantes, como o póstumo Cruel, de Sérgio Sampaio, e Ode descontínua e remota para flauta e oboé – De Ariana para Dionísio, onde o autor de Vô Imbolá musicou poemas da falecida poeta paulista Hilda Hilst, com a participação de dez cantoras brasileiras. O selo de Zeca Baleiro também devolveu às prateleiras o esgotado O samba é bom, “estréia” ao vivo de Mestre Vieira, de 2001.


[Reprodução capa Balançou no congá]

Balançou no congá, o disco, traz 17 faixas, pequena amostra dum universo de mais de 300, em sua maioria inéditas. Artista multimídia quando a expressão sequer existia, Lopes Bogéa foi jornalista, radialista, poeta e compositor. Autor de vários livros, entre eles o clássico Pedras da rua (1988), onde contava pequenas histórias de loucos que andavam por ruas, becos e ladeiras ludovicenses, o vimarense já havia soltado a voz em ocasiões anteriores: em 1986 participou do compacto Velhos Moleques, com Antonio Vieira, Cristóvão Alô Brasil e Agostinho Reis. Dois anos depois, lançou, com seu parceiro em Balaio de Guarimã (no disco interpretada por Cesar Teixeira e Josias Sobrinho), o livro e o vinil Pregões de São Luís e Pregoeiros, reeditado em cd dez anos depois.

Em Balançou no congá, Alcione, Beth Carvalho, Cesar Teixeira, Chico Saldanha, Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões), Genival Lacerda, Germano Mathias, Josias Sobrinho, Rita Ribeiro, Tião Carvalho e o próprio Zeca Baleiro embebem-se e embebedam-nos da poesia de Lopes Bogéa, de uma beleza e simplicidade que não se contradizem: o simples é o belo. O próprio Bogéa solta a voz em sete faixas, sendo três vinhetas. É ele quem convida, em Balaiei, sim, faixa de abertura do disco: “Vamo balaiar, menino! Oxente!”. Segue-se um desfile de importantes nomes da música brasileira por sambas, baiões, carimbós e toadas que bem poderiam ser clássicos dessa tal MPB, tivessem sido compostas nalgum lugar que não o Maranhão.

Aliás, de Maranhão, o homem tinha muito: coincidência ou não, João Batista Lopes Bogéa nasceu em 1926, no dia do santo que lhe deu nome, no povoado Jericó, município de Guimarães, interior do estado. A festa corria solta na terra do boi de zabumba. Figura plural, o tempo dedicado à música foi o mesmo dedicado, por exemplo, à caridade: durante meio século foi Diretor de Patrimônio do Asilo de Mendicidade. Em 1954, compôs sua primeira música, Manchete de jornal. Era um exímio cronista e suas composições não fogem disso. Bons exemplos são Eu sou do apartamento aqui de baixo (no disco interpretada por Germano Mathias), que narra uma briga de vizinhos, Papai Noel do rico e do pobre (por Chico Saldanha), que a seu modo trata da segregação social, e Produto de gafieira (por Criolina, no disco antecedida de vinheta na voz do próprio compositor), sobre namoricos em festas, mais uma vez o velho moleque se antecipando, o “fica”, quando ele ainda não era falado.

Certos artistas talvez não sejam seres humanos “normais”: ou são anjos ou são loucos. Bogéa devia ser um anjo louco. Como os que ele pintou nas páginas do citado Pedras da rua, ele mesmo um deles. Uma pedra rara, como bem disse Cesar Teixeira no texto de apresentação de Balançou no congá.


[Lopes Bogéa com o parceiro Antonio Vieira, Tereza Cantu e Joãozinho Ribeiro na edição de 15 de outubro de 2004 da Serenata dos Amores, quando o primeiro foi homenageado com o Troféu Zé Pequeno. Foto: Gilson Teixeira]

Serviço

Logo mais, às 19h, na Casa de Nhozinho (no pátio da entrada pela Rua de Nazaré), acontecerá o lançamento de Balançou no congá, com entrada franca. Estão confirmadas as presenças de Antonio Vieira, Cesar Teixeira, Criolina (Alê Muniz e Luciana Simões), Erivaldo Gomes, Josias Sobrinho, Luiz Cláudio, Luiz Jr., Patativa e Zeca Baleiro. Outras figuras devem aparecer. Não se trata de um show. Será uma roda informal, como bem gostava de fazer em vida o saudoso Lopes Bogéa: um encontro de amigos para cantar e tocar descompromissadamente. Certamente algo quase tão gostoso quanto levar a menina ao pomar para comer Sapoti.

ATENTEM, TURMA!

Depois da Lei Seca (ver posts abaixo), era só o que me faltava! Já pensou? Em breve eu poder ser preso por blogar?

Penduro abaixo, na íntegra, um e-mail que recebi da querida professoramiga Larissa Leda, que trata de um Projeto de Lei que acaba com o uso livre da internet. Diminuí a freqüência cá no blogue, né? Tempo, meus caros. Não li a íntegra do PL, mas a carta que Larissa me passou vem assinada por gente séria (e é endossada por gente como ela). Leiam-na toda e participem, assinando a petição online para onde ela aponta (eu já assinei). Quem for blogueiro, multiplique. Quem não for, também, do jeito que der.

E, meus caros, estamos em ano de eleições. Municipais, mas eleições. É bom pensar bem, mas muito bem mesmo, antes de ir às urnas.

*

———- Forwarded message ———-
From: Larissa Leda Rocha
Date: 2008/7/7
Subject: Movimento contra o Projeto de lei contra uso livre da Internet.

Movimento contra o Projeto de lei do senador Eduardo Azeredo que, se aprovado, no próximo dia 9 de julho, vai acabar com o uso livre da Internet. Existe uma petição online, para quem quiser assinar, disponível em http://www.petitiononline.com/veto2008/petition.html

Quem puder, por favor, divulgue.

EM DEFESA DA LIBERDADE E DO PROGRESSO DO CONHECIMENTO NA INTERNET BRASILEIRA

A Internet ampliou de forma inédita a comunicação humana, permitindo um avanço planetário na maneira de produzir, distribuir e consumir conhecimento, seja ele escrito, imagético ou sonoro. Construída colaborativamente, a rede é uma das maiores expressões da diversidade cultural e da criatividade social do século XX. Descentralizada, a Internet baseia-se na interatividade e na possibilidade de todos tornarem-se produtores e não apenas consumidores de informação, como impera ainda na era das mídias de massa. Na Internet, a liberdade de criação de conteúdos alimenta, e é alimentada, pela liberdade de criação de novos formatos midiáticos, de novos programas, de novas tecnologias, de novas redes sociais. A liberdade é a base da criação do conhecimento. E ela está na base do desenvolvimento e da sobrevivência da Internet.

A Internet é uma rede de redes, sempre em construção e coletiva. Ela é o palco de uma nova cultura humanista que coloca, pela primeira vez, a humanidade perante ela mesma ao oferecer oportunidades reais de comunicação entre os povos. E não falamos do futuro. Estamos falando do presente. Uma realidade com desigualdades regionais, mas planetária em seu crescimento.

O uso dos computadores e das redes são hoje incontornáveis, oferecendo oportunidades de trabalho, de educação e de lazer a milhares de brasileiros. Vejam o impacto das redes sociais, dos software livres, do e-mail, da Web, dos fóruns de discussão, dos telefones celulares cada vez mais integrados à Internet. O que vemos na rede é, efetivamente, troca, colaboração, sociabilidade, produção de informação, ebulição cultural. A Internet requalificou as práticas colaborativas, reunificou as artes e as ciências, superando uma divisão erguida no mundo mecânico da era industrial. A Internet representa, ainda que sempre em potência, a mais nova expressão da liberdade humana.

E nós brasileiros sabemos muito bem disso. A Internet oferece uma oportunidade ímpar a países periféricos e emergentes na nova sociedade da informação. Mesmo com todas as desigualdades sociais, nós, brasileiros, somo usuários criativos e expressivos na rede. Basta ver os números (IBOPE/NetRatikng): somos mais de 22 milhões de usuários, em crescimento a cada mês; somos os usuários que mais ficam on-line no mundo: mais de 22h em média por mês. E notem que as categorias que mais crescem são, justamente, “Educação e Carreira”, ou seja, acesso à sites educacionais e profissionais. Devemos assim, estimular o uso e a democratização da Internet no Brasil. Necessitamos fazer crescer a rede, e não travá-la. Precisamos dar acesso a todos os brasileiros e estimulá-los a produzir conhecimento, cultura, e com isso poder melhorar suas condições de existência.

Um projeto de Lei do Senado brasileiro quer bloquear as práticas criativas e atacar a Internet, enrijecendo todas as convenções do direito autoral. O Substitutivo do Senador Eduardo Azeredo quer bloquear o uso de redes P2P, quer liquidar com o avanço das redes de conexão abertas (Wi-Fi) e quer exigir que todos os provedores de acesso à Internet se tornem delatores de seus usuários, colocando cada um como provável criminoso. É o reino da suspeita, do medo e da quebra da neutralidade da rede. Caso o projeto Substitutivo do Senador Azeredo seja aprovado, milhares de internautas serão transformados, de um dia para outro, em criminosos. Dezenas de atividades criativas serão consideradas criminosas pelo artigo 285-B do projeto em questão. Esse projeto é uma séria ameaça à diversidade da rede, às possibilidades recombinantes, além de instaurar o medo e a vigilância.

Se, como diz o projeto de lei, é crime “obter ou transferir dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização ou em desconformidade à autorização, do legítimo titular, quando exigida”, não podemos mais fazer nada na rede. O simples ato de acessar um site já seria um crime por “cópia sem pedir autorização” na memória “viva” (RAM) temporária do computador. Deveríamos considerar todos os browsers ilegais por criarem caches de páginas sem pedir autorização, e sem mesmo avisar aos mais comum dos usuários que eles estão copiando. Citar um trecho de uma matéria de um jornal ou outra publicação on-line em um blog, também seria crime. O projeto, se aprovado, colocaria a prática do “blogging” na ilegalidade, bem como as máquinas de busca, já que elas copiam trechos de sites e blogs sem pedir autorização de ninguém!

Se formos aplicar uma lei como essa as universidades, teríamos que considerar a ciência como uma atividade criminosa já que ela progride ao “transferir dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado”, “sem pedir a autorização dos autores” (citamos, mas não pedimos autorização aos autores para citá-los). Se levarmos o projeto de lei a sério, devemos nos perguntar como poderíamos pensar, criar e difundir conhecimento sem sermos criminosos.

O conhecimento só se dá de forma coletiva e compartilhada. Todo conhecimento se produz coletivamente: estimulado pelos livros que lemos, pelas palestras que assistimos, pelas idéias que nos foram dadas por nossos professores e amigos… Como podemos criar algo que não tenha, de uma forma ou de outra, surgido ou sido transferido por algum “dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização ou em desconformidade à autorização, do legítimo titular”?

Defendemos a liberdade, a inteligência e a troca livre e responsável. Não defendemos o plágio, a cópia indevida ou o roubo de obras. Defendemos a necessidade de garantir a liberdade de troca, o crescimento da criatividade e a expansão do conhecimento no Brasil. Experiências com Software Livres e Creative Commons já demonstraram que isso é possível. Devemos estimular a colaboração e enriquecimento cultural, não o plágio, o roubo e a cópia improdutiva e estagnante. E a Internet é um importante instrumento nesse sentido. Mas esse projeto coloca tudo no mesmo saco. Uso criativo, com respeito ao outro, passa, na Internet, a ser considerado crime. Projetos como esses prestam um desserviço à sociedade e à cultura brasileiras, travam o desenvolvimento humano e colocam o país definitivamente para debaixo do tapete da história da sociedade da informação no século XXI.

Por estas razões nós, abaixo assinados, pesquisadores e professores universitários apelamos aos congressistas brasileiros que rejeitem o projeto Substitutivo do Senador Eduardo Azeredo ao projeto de Lei da Câmara 89/2003, e Projetos de Lei do Senado n. 137/2000, e n. 76/2000, pois atenta contra a liberdade, a criatividade, a privacidade e a disseminação de conhecimento na Internet brasileira.

André Lemos, Prof. Associado da Faculdade de Comunicação da UFBA, Pesquisador 1 do CNPq.

Sérgio Amadeu da Silveira, Prof. do Mestrado da Faculdade Cásper Líbero, ativista do software livre.

João Carlos Rebello Caribé, Publicitário e Consultor de Negócios em Midias Sociais

QUER ALHO?

Receita

Pão de alho

Ingredientes: pães franceses, entre meio e um dente de alho para cada pão, a depender do gosto do freguês; aproximadamente 10g de manteiga por pão; queijo ralado e orégano a gosto.

Modo de preparo: socar o alho e misturar à manteiga, queijo ralado e orégano, mexendo bem até obter uma pasta homogênea. Cortar os pães ao meio (conforme a figura) e passar a pasta no lado interno. Levar ao forno até dourar.

OFICINAS

A edição 2009 do Programa BNB de Cultura, com inscrições abertas desde 1º. de julho, destinará 3 milhões de reais para patrocínio a projetos culturais na área de atuação do Banco: região Nordeste, além de norte de Minas Gerais e Espírito Santo.

Para prestar maiores esclarecimentos, tirar dúvidas etc., realizará diversas oficinas sobre o prêmio. Na capital maranhense, a oficina acontece nesta segunda-feira (7), às 8h, no Auditório da Faculdade São Luís (Rua Osvaldo Cruz, 1455, Canto da Fabril, Centro).

Interessados em participar devem confirmar presença pelos telefones (98) 3218-9962, 3218-9672 e/ou e-mail rosaline@bnb.gov.br

Mais detalhes e informações sobre o edital na página do Banco na internet. Sobre as oficinas no Maranhão (serão quatro: além de São Luís, acontecerão em Barra do Corda, Chapadinha e Zé Doca), no convite abaixo.

TIROS CERTEIROS

“Se eu conseguisse ir até o banheiro pegaria uma toalha para pendurar na frente desta TV desgraçada, pelo cheiro posso sentir que está passando o noticiário”.

Hunter S. Thompson, Screw Jack

*

“Precisamos de mais mestres discretos e menos astros exibidos. Jornalismo e gramática não são show. A cobertura do caso da menina esborrachada, aqui, nos nauseia tanto quanto a do menino ralado, lá no Rio, e também estou enjoado de ouvir aquelas bobagens do “risco de morte” ou da “presidenta” na tevê”.

Glauco Mattoso, em sua Porca Miséria na Caros Amigos de junho (nº.135, com Ney Matogrosso na capa)