NAS NEGRAS

[…]

Será nosso caráter cordial? Não, não. É burrice empresarial. Pra mim é muito claro, porque o público quer ousadia. Tem outro componente que a gente não pode se esquecer: a maior parte das concessões de TV no Brasil, especialmente fora da matriz das emissoras principais, está nas mãos de políticos. Você sai de São Paulo, Rio e Rio Grande do Sul, tudo nas mãos de políticos. Na Bahia, no Maranhão, a TV e o principal jornal estão nas mãos da mesma família há 40 anos. Pra que o cara quer ousadia naquela vida mansa?

[…]

Nessa onda do atrito do real com o ficcional, o jornalismo virou uma coisa novelizada, né? Pega esse caso Isabella, por exemplo, a grande comoção nacional… Mas não é privilégio brasileiro. Essa comoção diante de um ato violento é porque a gente fica tentando entender a morte. A gente tenta adiar a morte, com silicone, photoshop [risos]… No mundo limpinho não pode morrer, vai ficar um cheiro ruim… E é uma luta inglória [risos]. A gente vive de uma maneira blindada, usa camisinha pra sair de casa, mas não está protegido nunca. A vida que vale a pena ser vivida é a vida com riscos. Se sua vida não tiver alguma ousadia, não tem a menor chance de você ser feliz. Recebo milhões de e-mails de estudantes que me procuram para saber como ter uma vida sem risco: já querem um estágio para fazer algo que vai dar certo, dar uma aposentadoria legal, um plano de saúde e o décimo quinto salário…

Já com 16 anos? Respondo: você quer o quê? Um plano pra ser infeliz? Pra ser traído pela sua mulher quando ficar rico? É uma loucura! Já estraguei muitas carreiras de mauricinhos [risos], porque não adianta: é evidente que você vai ser infeliz se colocar como meta ficar rico. Coisa que aliás é muito fácil – você pode ser traficante, gigolô, deputado federal ou vereador ou, enfim, se você resolver… Sem desmerecer os parlamentares nem os traficantes [risos]… Agora, o que há de divertido nisso?

[…]

Você é procurado pelos jovens para falar sobre vocação? Muito! “Tas, entendo tudo isso que você fala no seu blog, gosto do programa, mas estou aqui em Tocantins, meu velho, como vou fazer isso aí?” Aí você tem que falar pra essa molecada que a vida é igual a uma cebola: você arranca uma casca e depois outra. Eu descobri que deveria fazer o CQC lá em Ituverava, quando me juntei a certo tipo de amigos… Aqueles amigos me levaram a outra coisa, que me levou pra outra. Tem gente que quer dar saltos triplos: “Você não pode me apresentar alguém na Bandeirantes ou no UOL?”. Não é assim. Sua vida vai mudar de acordo com a pessoa que está sentada em sua frente ou ao seu lado, sua namorada, seu amigo, alguém que você esbarra na rua, não é um telefonema pra Nova York que vai ajudar. Você tem de estar ligado no presente – coisa que a gente não consegue. O mundo hoje nos impede de viver o presente, a gente está sempre muito acelerado.

[…]

*

Trechos da entrevista de Marcelo Tas a Ronaldo Bressane nas Páginas Negras da Trip de maio, já nas bancas, que pode ser lida aqui.

Autor: Zema Ribeiro

Homem de vícios antigos, ainda compra livros, discos e jornais. Pai do José Antonio. Apresenta o Balaio Cultural (com Gisa Franco, aos sábados, das 13h às 15h, na Rádio Timbira AM). Coautor de "Chorografia do Maranhão" (Pitomba!, 2018) e autor de "Penúltima página: Cultura no Vias de Fato" (Passagens, 2020). Antifascista.

2 comentários em “NAS NEGRAS”

  1. Este Texto do TAS, lembra o comentário do Rogério Skylab, que a geração 2000, prefere a segurança e a certeza de uma vida medíocre, do que a incerteza de uma vida ousada. É o mal do nosso tempo.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s