Arquivo mensal: maio 2007

roteiro

não lembro a data, mas o episódio me vem facilmente à memória: eu e rogério tomaz jr. tomávamos umas cervejas no mirante da ilha, bar-restaurante madredivino de bela visão, em um sábado tranqüilo.

o jornalista cosmopolita iniciava ali uma pesquisa: procurar o máximo de referências musicais contidas na letra de “todas elas juntas num só ser“. encontrou e gravou em um cd de mp3, mais de oitenta citações.

no carnaval, em recife, o homem topou com lenine. e noutro momento, com carlos rennó. a este, contou da pesquisa e anotou contato para passar-lhe o resultado.

abaixo, (mais ou menos a) minha fala de estréia no programa “etc. e tal“, comandado por zina nicácio na rádio univima. o primeiro foi ao ar no dia internacional da mulher; amanhã gravo minha segunda participação. e mais eu conto por aqui, depois.

vantagem do blogue: você não ouve minha voz; desvantagem: não ouve a belíssima música de que tratamos na(s) ocasião(ões).

*

bom dia, ouvintes da rádio univima! eu sou zema ribeiro e é um prazer estar com vocês aqui no etc. e tal. obrigado, zina, pelo convite, obrigado ouvintes pela atenção.

então, enquanto a gente toma esse cafezinho aqui, com a zina, coube-nos falar sobre música dentro de um tema escolhido pelo programa.

o tema escolhido para hoje foram as mulheres, em merecidíssima homenagem pelo seu dia internacional. parabéns, pois, a todas as nossas ouvintes por mais este oito de março.

bom, o dia internacional da mulher é data que ano após ano suscita debates acerca dos mais variados temas: o papel da mulher na sociedade, relação feminismo versus machismo, protagonismo feminino, enfim, as mais variadas temáticas envolvendo as mulheres.

a homenagem deste que vos fala vai, assim, noutro sentido. num mundo atualmente tão violento, infelizmente, parecemos nos esquecer do amor e quando dele nos lembramos, parecemos, por vezes, ser piegas. pois bem, as mulheres são, desde sempre, as grandes musas de nossa música popular.

a música que a gente vai ouvir agora é uma parceria do lenine e do carlos rennó e está no “in cité”, disco ao vivo de lenine gravado na frança, em 2004. o registro conta com o brasileiro lenine, voz e violão, a cubana yusa, no contrabaixo e o argentino ramiro mussoto na percussão.

a letra da música, vocês irão perceber, celebra as mulheres através da citação de mais de oitenta mulheres, hoje famosas nos repertórios dos mais variados intérpretes da música popular, brasileira ou não.

a gente dedica então, “todas elas juntas num só ser” a todas as mulheres, e em especial a minha mãe, solange, que está aniversariando hoje, parabéns, mamãe!, e a graziela, minha namorada, um beijo, grazi!

obrigado, zina! obrigado, ouvintes! taí, “todas elas juntas num só ser”.

sambatatinha

Adriana Moreira estréia em disco tributando o compositor baiano Batatinha.

por Zema Ribeiro*

As composições de Batatinha (o sambista baiano Oscar da Penha, falecido há dez anos) – cuja música mais famosa talvez seja “O circo” (gravada por Maria Bethânia em “Drama”, 1972) – têm uma semelhança temática com a obra de Nelson Cavaquinho. A tristeza está presente, mesmo no carnaval, mas sem comprometer a beleza.

Desta rima, Adriana Moreira formata sua estréia: 14 músicas de Batatinha estão selecionadas em “Direito de sambar[CPC-UMES, 2006, R$ 15,90]. Ao contrário do que se possa pensar, o compositor não é um representante do samba-de-roda baiano: músicas como “Sorte do Benedito” trazem um quê de Cristóvão Alô Brasil.

Acompanhando a bela voz de Adriana Moreira no fino repertório, destacamos as presenças dos músicos Wilson das Neves (bateria), Toninho Carrasqueira (flauta), Jorge Helder (contrabaixo), Edmilson Capelupi e Eduardo Gudin (violões), entre outros.

Abrindo o disco, a letra da faixa-título diz “é proibido sonhar / então me deixe o direito de sambar”. Adriana garante o direito de Batatinha – e nosso – e fica com o ofício de cantar. Muito bem, diga-se.

*Para ler mais Zema Ribeiro, acesse http://zemaribeiro.blogspot.com

[primeira classe, jp turismo, jornal pequeno, hoje]

mais um sobre o seminário

[um último texto/release sobre o seminário em vargem grande; alô, veículos de comunicação deste meu maranhão!: à vontade!]

[a bonita arte do cartaz é da dupla criação. clique para ampliar]
Alternativas ao trabalho escravo serão debatidas em seminário
A Cáritas Brasileira Regional Maranhão, através do projeto Trilhas de Liberdade, e em parceria com a CRS Brasil, realiza no próximo sábado, 5 de maio, o seminário “Economia Solidária combatendo o trabalho escravo no Baixo Parnaíba“. A discussão acontecerá no Auditório Padre Trindade, em Vargem Grande (MA), entre 9h e 17h.
Os convidados para o seminário são Bira do Pindaré (Assessor Especial do Governo do Maranhão, Coordenador Executivo do FOREM), Terezinha Fernandes (Secretária de Estado de Trabalho e Economia Solidária), Allan Kardec Ayres Ferreira (Auditor Fiscal do Trabalho, Delegado Regional do Trabalho) e Sálvio Dino (Secretário Extraordinário de Estado de Direitos Humanos).
Durante o seminário, os expositores irão versar sobre temas como combate ao trabalho escravo no Brasil e no Maranhão, atuação da Delegacia Regional do Trabalho, Economia Solidária, Trabalho, Desenvolvimento Local e Sustentável e perspectivas de atuação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, entre outros.
A discussão se faz pertinente: em 1º. de maio celebra-se o Dia do Trabalhador, mas pouca coisa há para comemorar. O Maranhão, segundo menor IDH do país, é grande exportador de mão-de-obra escrava para outros estados. De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho e da ONG Repórter Brasil, nos últimos dez anos, mais de 1.300 fazendas foram fiscalizadas em trabalho conjunto da Polícia Federal e Ministério do Trabalho. Mais de 17 mil trabalhadores foram libertados.
Serviço
O quê: Seminário “Economia Solidária combatendo o trabalho escravo no Baixo Parnaíba”.
Quando: dia 5 de maio, às 9h.
Onde: Auditório Padre Trindade, Vargem Grande (MA).
Quanto: entrada franca, aberto ao público.
Programação e maiores informações: [98] 3221-2216, 9112-1959, jaime@caritasma.org.br, zemaribeiro@gmail.com e/ou no Overmundo.

300 (ou: o bolo)

ando fazendo 300 coisas ao mesmo tempo. e a grana no bolso continua pouca. não, isto não é uma reclamação, embora pareça. às vezes sinto-me cansado, mas é só. e passa logo. ainda bem.

a amiga bruna castelo branco me ligou, perguntando como tinha sido a entrevista. não tinha. em meio a uma reunião, acabei dando bolo em nando reis, cuja assessoria tinha feito contato comigo (e com bruna e outros jornalistas daqui) para uma entrevista, a fim de divulgar o show “sim e não“, que acontece neste sábado, 5 de maio, às 22h, no ginásio do dom bosco (renascença).

bruna, bom texto! nando, bom show! turma, bóra lá!