otto, indo e voltando

[aviso desnecessário: isto não é jornalismo! textinho nosso sobre a apresentação de otto, anteontem, no taa. pena que não era quinta-feira, vocês entendem…]

ao grito de “cai fora!” emitido por algum gaiato da platéia, o público respondeu com uma sonora vaia, que deturpada, ganhou a ilha como tendo sido para o músico tutuca, que no bis do set de abertura, brindou a platéia com um belo boi, com a percussão luxuosa de jeca. que fique claro aqui: a vaia não era direcionada ao músico maranhense que abriu o show de otto [e banda, “mtv apresenta”, projeto mpb petrobrás, dia 29 de maio, às 20h, teatro arthur azevedo].

o mangue-boy parecia um moleque deslumbrado. repetiu infinitas vezes do prazer e da felicidade de estar ali. aqui. “belém ou são luís?… o quê que tu acha?”, respondeu em tom de deboche a um engraçadinho que caçoava do embaralhar das idéias do autor de “bob”, enquanto este contava o percurso dessa turnê, que se encerrava ali, aqui, na ilha do amor.

otto correu por entre a platéia, sentou na beira do palco, deitou, tocou percussão, cantou e se divertiu, muito, antes, durante e depois do espetáculo, onde fez confissões menos recomendáveis sobre controversos cigarrinhos.

entre seus próprios hits – muitos pedidos pela platéia, para meu espanto. confesso: julgava otto menos conhecido por aqui e, felizmente, estava enganado – o discurso da felicidade, várias vezes repetido, os cabelos – e a barba, desarrumados – molhados, “aqui é quente demais, mas eu gosto é assim”, dizia, enquanto se banhava com copinhos de água mineral. e cantou homenagens para lia de itamaracá e um outro pernambucano, o maior, luiz gonzaga, pinduca, rei do carimbó no vizinho pará, e a parceria de erasmo carlos e ronnie von, num dançante brega eletrônico, “pra ser só minha mulher”. coisas de otto. “tv a cabo”, “ciranda de maluco”, “o celular de naná”, “pelo engarrafamento”, “dedo de deus”, “cuba” etc., etc., etc. bis e tris garantiram, entre outras, “condon black”, cuja letra, de versos como “é pau, é cu, é buceta!”, foi dos vários momentos em que otto e a platéia cantaram juntos, íntimos, cúmplices.

“canção barata”, jornalismo também – lembro de há quase dez anos, ter ouvido “samba pra burro” doze vezes seguidas (seguidas: sim, no mesmo dia, sem tirar o disco, pasmem!), assim que comprei a bolachinha-solo de estréia do ex-percussionista de bandas pernambucanas não menos conhecidas, como mundo livre s/a e nação zumbi.

vi, anteontem, um polido otto agüentar comentários como “esse projeto é legal por que traz um monte de gente nova” ou perguntas como “o seu trabalho tem alguma influência do manguebit?” disparados pelo casalzinho que apresentava o jornal de meio-dia na tv mirante.

sobre outra coisa qualquer, durante o show, otto disse: “é foda!”

8 comentários em “otto, indo e voltando

  1. “confissões menos recomendáveis sobre controversos cigarrinhos”???acho q o Otto tem suas posições bem definidas e nunca teve problema algum em discutí-las ou compartilhá-las com seu público.

  2. ô casalzinho bonito esse da hora do almoço!!!afff… perdi o show :(perdi a entrevista :)acho o otto bonito pra caralho!!! =D

  3. fernanda: meu texto não contesta as posições bem definidas de otto sobre o assunto, admiráveis, até, e nada panfletárias (como outrora, por exemplo a turma do planet hemp); você foi ao show? o que acontece é o seguinte: um show de otto num espaço como o taa e a preços populares (como permite o projeto mpb petrobrás, que trouxe o compositor, cantor e percussionista pernambucano) acaba por levar para lá uma turma de não-mangue-boys e não-mangue-girls que poderiam ter se assustado (alguns se assustaram, eu vi) com os olhos vermelhos e idéias embaralhadas do marido da alessandra.gisele: deve ser só beleza o que eles têm. é, otto é bonito e melhorou um bocado de “samba pra burro” pra cá. e dança melhor do que eu, risos.donna: o primeiro disco de otto (“samba pra burro”, 1998) é um clássico. e ele tem evoluído ao longo de seus álbuns seguintes (o “change tout”, de remixes, o “condon black” e o “sem gravidade”). vale a pena conhecê-los e tê-los. é, isso aqui não é jornalismo, mesmo, risos.obrigado pelas visitas e carinho. abraços!

  4. Malandro que é malandro…..Otto tem a energia de nós aqui. Pura afinidade.Todo mundo saiu do TAA embriagado, sem nenhuma dose de álcool, só muito som, aff.bjão adorei seu olhar na escrita.

  5. O Show dele foi excelente,segundo o comentário da maioria dos meus colegas.Pena que esta virose não identificada pelos médicos, tenha me abatido.Só posso, relembrar-me dos shows do Abril pro-Rock, que foram inesquecíveis.Abraços.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s