Colunas do Zema

[tentei postar aqui, ontem, o colunão de domingo. não consegui. abaixo, coluna do zema de hoje, no diário da manhã, e ele, o colunão do dia 9. melhor dizendo, nossa modestíssima colaboração ao colunão do dia 9]

Pós-Graduação e Seminário

[coluna do zema, diário da manhã, hoje]

Aula inaugural da primeira Pós-Graduação em Gestão Cultural em São Luís acontece hoje, na Faculdade São Luís (Unidade Renascença); amanhã, tem início o III Seminário GLBT, uma das atividades preparatórias para a III Parada Do Orgulho Pela Diversidade Sexual de São Luís do Maranhão.

Gestão Cultural

Acontece hoje, às 19h, no Auditório da Faculdade São Luís (Unidade Renascença), a aula inaugural do Curso de Pós-Graduação em Gestão Cultural, que será ministrada por Américo Córdula, Gerente da Secretaria de Identidade e Diversidade Cultural do Ministério da Cultura.

O curso tem início amanhã e a primeira disciplina do primeiro módulo – “Teorias da Cultura: História e Crítica” – será ministrada pela professora convidada Verônica Aravena Cortes, da Universidade Metodista de São Paulo. O módulo terá prosseguimento com a disciplina “História da Arte”, com o professor Paulo César Alves de Carvalho.

Coordenada pelo poeta, compositor e professor universitário Joãozinho Ribeiro, a pós-graduação é uma iniciativa pioneira no Maranhão e está em perfeita sintonia com o momento pelo qual passa o Brasil e o mundo: o Plano Nacional de Cultura, inserido na Constituição Federal através da Emenda Constitucional nº. 48, promulgada em agosto do ano passado, prevê a necessidade da “formação de pessoal qualificado para a gestão da cultura em suas múltiplas dimensões”.

Homofobia é crime!

Como parte das atividades preparatórias para a III Parada do Orgulho Pela Diversidade Sexual de São Luís, o Grupo Gayvota realiza dias 12 e 13 de julho, o III Seminário GLBT. Com os temas “Homofobia é crime” e “DST/HIV/Aids no SUS”, o seminário acontecerá das 19 às 22h, no Auditório Che Guevara, do Sindicato dos Bancários (Rua do Sol, 413, Centro).

A III Parada do Orgulho Pela Diversidade Sexual de São Luís acontecerá na Avenida Litorânea, no domingo, 16/7, com concentração a partir das 14h, entre o São Luís Park Hotel e a Praça do Pescador.

Para o acontecimento, os organizadores anunciam, entre diversas outras atrações, show da cantora e compositora Vanessa da Mata.

Maiores informações pelo telefone (98) 3222-5005 e/ou e-mail grupogayvota@yahoo.com.br

Criativo e brasileiríssimo

[colunão, 9 de julho]

O desejo de Jarbas Mariz, de mudar “Do Cariri Pro Japão” (Atração Fonográfica/Pôr do Som, 2005) não representa minimamente qualquer indício de anti-ufanismo ou coisa que o valha: seu quarto disco é brasileiríssimo. Primeiro trabalho solo após “Forró do Gogó ao Mocotó” (2000) – onde tributava o mestre Jackson do Pandeiro –, este novo disco segue uma linha musical alegre, dançante – o que não representa “vazio” nas letras, algo por vezes indissociável, hoje – talvez herdada do pilar supra, a quem Jarbas homenageia – novamente – dedicando-lhe a música “No Mundo dos Peixes”.

“Diga-me com quem andas e eu te direi quem és”. O dito popular nunca valeu tanto. Jarbas Mariz é daqueles artistas que (quase) ninguém ouviu falar, mas cuja presença foi fundamental para o desenho de diversas obras-primas da música brasileira. Para citar alguns, lembremos dos últimos trabalhos de Tom Zé (após sua re-descoberta por David Byrne no início da década de noventa do século passado), o “Estilhaço” (1980) de Cátia de França (paraibana, conterrânea de Jarbas), e o raro “Paêbiru” (1975), de Lula Côrtes e Zé Ramalho.

Entre diversos nomes importantes com quem Jarbas já dividiu o palco, podemos citar Alceu Valença, Chico César (com quem Jarbas divide a autoria do xote “Fulutiado”, neste disco), Demônios da Garoa, Dominguinhos, Elba Ramalho, João do Vale, Lenine, Lourival Tavares, Mestre Ambrósio, Pedro Osmar e Tom Zé, sendo integrante da banda que acompanha este último em turnês nacionais e internacionais.

As influências dos já citados Jackson do Pandeiro e Tom Zé são inevitáveis, o que leva Jarbas Mariz a percorrer diversos ritmos ao longo das doze faixas – sozinho ou em parcerias, ele assina onze delas. Sem fugir ao(s) ritmo(s) do disco, há a regravação de “Severina Cooper (It’s Not Mole Não)”, de Accioly Neto, sucesso de outrora na voz de Paulo Diniz.

Em tempos de forrós eletrônicos, roquinhos descartáveis e letras paupérrimas, “Do Cariri Pro Japão” é doce para ouvidos cansados. Corpos, não; estes, cansados, cansem mais no “Fulutiado” de Jarbas Mariz.

3 comentários em “Colunas do Zema

  1. Jarbas Mariz talvez seja um desses artistas que existem por trás de obras indispensáveis, das quais colabora e muito, mas não assina. Com conteúdo, sim…esse paraibano de coração e por opção, tem conteúdo, e muito.

diga lá! não precisa concordar com o blogue. comentários grosseiros e/ou anônimos serão apagados

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s